Sexta-feira, 31.08.12

Ensaio sobre a Lucidez é o terceiro livro de Saramago a ser traduzido em chinês

 

José Saramago é o único autor de língua portuguesa galardoado com o Nobel da Literatura

José Saramago é o único autor de língua portuguesa galardoado com o Nobel da Literatura (Nuno Ferreira Santos)

 

A versão chinesa do romance de José Saramago Ensaio sobre a Lucidez, assinada por um dos mais experientes tradutores chineses de português, Fan Weixin, é lançada até final de 2012, disse nesta sexta-feira à agência Lusa fonte da editora.

 

Este é o terceiro título de José Saramago (1922-2010) publicado na China, depois deMemorial do Convento e Ensaio sobre a Cegueira, ambos traduzidos também por Fan Weixin.

Ensaio sobre a Lucidez, originalmente publicado em 2004, será lançado na China pela Thinkingdom Media Group, uma editora privada cujo catálogo inclui obras de Gabriel Garcia Márquez, Murakami Haruki, Toni Morrison e Paulo Coelho. 

A editora, fundada há uma década, tenciona reeditar Ensaio sobre a Cegueira ainda em 2012 e Memorial do Convento no próximo ano, adiantou a mesma fonte. 

Único autor de língua portuguesa galardoado com o Nobel da Literatura, em 1998, José Saramago esteve na China um ano antes de ser distinguido pela Academia Sueca. Foi a sua única visita àquele país e coincidiu com o lançamento da tradução chinesa de Memorial do Convento.

Fan Weixin, 72 anos, já traduziu também mais de uma dezena de obras de outros autores portugueses e brasileiros, entre os quais Jorge Amado, Erico Veríssimo, Eça de Queiroz e Miguel Torga. 

Jornalista reformado da secção portuguesa da Rádio Internacional da China, Fan Weixin fez parte da primeira turma de português criada na Republica Popular da China em 1960.

 

Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 10:47 | link do post | comentar
Quinta-feira, 30.08.12

Sporting, finalmente chegam os golos e segue em frente na liga Europa

Uma mão cheia de golos coloca o Sporting na fase de grupos da Liga Europa

O Horsens partiu nesta quinta-feira para a Dinamarca, mas ficou no coração dos sportinguistas. É que, dificilmente, os “leões” poderiam ter um adversário que se adaptasse tão bem às suas necessidades imediatas. Ou seja, golos, muitos golos. Depois de tanto desperdício nos três primeiros encontros da temporada (nomeadamente no jogo da primeira mão deste play-off), a equipa de Sá Pinto deu o “clique” que o técnico pedia, goleou os nórdicos, por 5-0, e estará hoje no sorteio da fase de grupos da Liga Europa.


A estreia de Pranjic no lado canhoto da defesa foi a surpresa do treinador português para o encontro. No banco ficou Insúa, que não esteve bem na Dinamarca, acabando por ficar ligado ao golo de Spelmann. A outra novidade do técnico foi táctica e lógica. Inverteu o triângulo do meio-campo, deixando sozinho Gelson Fernandes no seu vértice mais recuado, e aproximando Elias do ataque, perto de Adrien. De resto, tudo igual à partida de segunda-feira, frente ao Rio Ave, neste mesmo palco, que ditou a primeira derrota da temporada aos “leões” (0-1).

Sem carregar demasiado no acelerador, os lisboetas assumiram o controlo do encontro e o golo madrugador trouxe mais tranquilidade à equipa. Quatro minutos antes, Elias já havia desperdiçado uma oportunidade soberana, após uma grande jogada de Carrillo.

As facilidades concedidas pelo Horsens sugeriam a hipótese de goleada mas, estranhamente, o Sporting baixou o ritmo, pouco depois do primeiro golo. Nada que impedisse mais festejos em Alvalade. Se o ataque da casa não encontrava a baliza, a defesa dinamarquesa não falharia um alvo tão grande. Aos 23’, Kortegaard desviou para as suas redes, um cruzamento de Pranjic para Carrillo.

O lance Hipotecou qualquer hipótese de prolongamento e colocava praticamente o Sporting com os dois pés na Liga Europa. Até porque o Horsens parecia principalmente preocupado em não sair de Lisboa goleado. Sem argumentos atacantes, os nórdicos procuravam lances de bola parada para chegar à área. Uma estratégia simples, mas que esteve até perto de surtir efeito aos 20’, quando, na sequência de um canto, Rasmussen cabeceou ligeiramente por cima. Se tivesse resultado seria o empate.

Se Wolfswinkel demorou oito minutos para inaugurar o marcador, precisou de apenas mais um para abrir a contagem na segunda metade. Um canto de Capel encontrou o pé direito do holandês na área, que fez o 3-0.

Já num clima de festa, diametralmente oposto ao que se viveu há apenas três dias, Carrillo levou toda a gente à euforia, com um golaço à entrada da área, aos 57’.

Nesta altura, as acelerações do Sporting deixavam desorientados os já desmoralizados nórdicos, que pressionados ainda ofereceram o quinto a Elias. Uma goleada justa (e até escassa, face às oportunidades), que deixa respirar Sá Pinto, pelo menos nas próximas duas semanas, até ao jogo com o Marítimo, para a Liga, na Madeira. Um adversário bem diferente deste Horsens.

POSITIVO
Wolfswinkel e Gelson
O holandês estreou-se a marcar na temporada 2012-2013 e logo com dois golos. Apesar das críticas, Wolfswinkel nunca se escondeu e mostrou vontade de marcar golos e disponibilidade para pressionar o adversário. O suíço mostrou a Sá Pinto que a opção de inverter o triângulo do meio-campo pode ser o caminho a seguir. Gelson actuou de uma forma agressiva e muito competente nas compensações aos seus colegas, permitindo mais liberdade a Adrien e Elias.

NEGATIVO
Horsens e Rojo
Os dinamarqueses são, de facto, uma equipa muito fraca. Os jogadores do Horsens raramente fizeram três passes seguidos e permitiram ao Sporting um estilo de jogo, que mais parecia de pré-época. Do lado do Sporting, o argentino Rojo foi o elo mais fraco, pouco agressivo a defender e desacertado na finalização.

Ficha de Jogo
Sporting, 5
Horsens, 0

Estádio José Alvalade, em Lisboa

Espectadores 25.030


Sporting Rui Patrício, Cédric, Boulahrouz, Rojo, Pranjic, Gelson Fernandes (Daniel Carriço, 73’), Elias, Carrillo (André Martins, 65’), Adrien (Jeffren, 66’), Capel e Wolfswinkel. Treinador Sá Pinto.

Horsens Ronnow, Juel Andersen, Rasmusen, Aslam, Kortegaard, Drachmann, Retov (Nohr, 70’), Kielstrup a54’, Klove, Spelmann (K. Hajdarevic, 62’) e Fagerberg (Bjerregaard, 46’). Treinador Johnny Molby.


Árbitro Cyril Zimmermann, da Suíça. AmarelosKlelstrup (52').
<b<golos< b="">Wolfswinkel 8’ e 54’, Kortegaard (p.b.) 23’, Carrillo 57’, Elias 63’


Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 23:07 | link do post | comentar

Leonardo DiCaprio: cenas de sexo e nudez no próximo filme de Scorsese

Galeria: os 10 actores que mais prejuízo dão ao cinema

Já tem nome, o próximo filme da 'dupla maravilha': 'The Wolf of Wall Street' vai ter droga, dinheiro, traição e Leo DiCaprio em cenas de sexo arrojadas. Ingredientes para o sucesso, portanto.

Se o realizador Martin Scorsese tem um ator fetiche, ele é Leo DiCaprio. E depois do mundo ter ouvido falar de movimentos como 'Occupy Wall Street' e dos Indignados, nada melhor do que um filme que retrata a sede de poder e orgia de dinheiro que a meca da alta finança mundial viveu nos anos 80 e 90.

 

O próximo filme da dupla, 'Wolf of Wall Street', terá Leo DiCaprio no papel principal, um jovem corrector à procura de um lugar ao sol em Wall Street e com um apetite voraz por sexo e drogas. Demasiado yuppie anos 80? O filme é baseado na história verdadeira de Jordan Belfort, que cumpriu 22 meses de prisão pelo seu envolvimento num escândalo de manipulação do mercado de ações em Wall Street.

 

As cenas mais arrojadas envolvem sexo em grupo, pausas para o café, no escritório, animadas por strip-teasers, e consumo constante de drogas. Uma fonte ligada à produção do filme diz que os atores "tiveram que aprender a snifar laxante de bebé para simular cocaína".

O filme estreia em 2013 e contará ainda com Jonah Hill e Matthew MacConaughey.


Retirado de Activa

publicado por olhar para o mundo às 21:15 | link do post | comentar

Nem Messi nem Ronaldo, o melhor da Europa é Iniesta.. com toda a justiça.

Nem Messi nem Ronaldo, o melhor do mundo é Iniesta.. com toda a justiça.

Depois de há um ano ter sido quarto na votação, Andrés Iniesta ganhou esta quinta-feira o prémio de Melhor Jogador da UEFA na Europa em 2012, superando Cristiano Ronaldo e Leo Messi, seu colega no Barcelona.


O prémio foi entregue no Mónaco, depois do sorteio da Liga do Campeões, e foi decidido com os votos de 53 jornalistas desportivos da Europa. Mas foi uma votação muito equilibrada: Iniesta recebeu 19 votos, enquanto Ronaldo e Messi tiveram 17 cada um.

Iniesta foi considerado recentemente o melhor jogador do Euro 2012, vencido pela sua selecção, a Espanha. Além do Campeonato da Europa, o médio conquistou em 2011-12 o Mundial de clubes, a Supertaça Europeia, a Taça do Rei de Espanha e a Supertaça espanhola. 

Segundo a UEFA, o espanhol de 28 anos fez 42 jogos, ao serviço de Espanha e do Barcelona, nos quais marcou cinco golos e fez 11 assistências.

"É um orgulho partilhar o pódio com dois monstros do futebol", disse Iniesta quando recebeu o troféu."E quero partilhar esta honra com Messi e o resto dos meus companheiros do Barcelona, e também com os da selecção".

Messi venceu a edição inaugural do troféu, em 2011, que pode ser considerado um herdeiro do Futebolista do Ano da UEFA, que teve Diego Milito como último vencedor, em 2009-10.

O português Cristiano Ronaldo, campeão pelo Real Madrid na última época, também já tinha terminado no pódio em 2011, na terceira posição.


Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 20:48 | link do post | comentar

Liga dos campeões, para sorteio não foi nada mau... pelo menos é o que parece

Liga dos Campeões: Barcelona para Benfica, Man. United para Braga, PSG para FC Porto

O FC Porto, que foi cabeça-de-série neste sorteio, foi colocado no Grupo A e já conhece o primeiro adversário. Será o Dínamo Kiev, onde alinha o português Miguel Veloso. A equipa ucraniana garantiu o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões após bater os alemães do Borussia Mönchengladbach.


Do pote 3 saiu um adversário muito complicado para o FC Porto. Os “dragões” vão a França defrontar o “milionário” Paris Saint-Germain de Ibrahimovic, Lavezzi, Pastore, Thiago Silva, entre outros. O Dínamo Zagreb, campeão croata, completa o Grupo A.

No pote 2 estavam Benfica e Sporting de Braga. Os “encarnados” foram colocados no Grupo G, juntamente com o poderoso Barcelona. A formação da Luz vai enfrentar a equipa agora orientada por Tito Vilanova: pela Luz vão passar futebolistas do nível de Messi, Xavi ou Iniesta.

O Benfica terá também uma longa deslocação até à Rússia, para defrontar o Spartak de Moscovo. Os escoceses do Celtic completam o grupo do Benfica.

O Sporting de Braga ficou colocado no Grupo H, com o Manchester United. Os “red devils” são o primeiro dos adversários da equipa de José Peseiro, que garantiu o regresso à fase de grupos da Liga dos Campeões ao bater a Udinese no “play-off”.

Do pote 3 saiu o emblema turco Galatasaray, que vai enfrentar Manchester United e Sporting de Braga. Os romenos do Cluj, que afastaram o Basileia no “play-off” de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões, também foi colocado no Grupo H.

Fase de grupos da Liga dos Campeões

Grupo A
FC Porto (Portugal)
Dínamo Kiev (Ucrânia)
Paris Saint-Germain (França)
Dínamo Zagreb (Croácia)

Grupo B
Arsenal (Inglaterra)
Schalke 04 (Alemanha)
Olympiacos (Grécia)
Montpellier (França)

Grupo C
AC Milan (Itália)
Zenit São Petersburgo (Rússia)
Anderlecht (Bélgica)
Málaga (Espanha)

Grupo D
Real Madrid (Espanha)
Manchester City (Inglaterra)
Ajax (Holanda)
Borussia Dortmund (Alemanha)

Grupo E
Chelsea (Inglaterra)
Shakhtar Donetsk (Ucrânia)
Juventus (Itália)
Nordsjaelland (Dinamarca)

Grupo F
Bayern Munique (Alemanha)
Valência (Espanha)
Lille (França)
BATE Borisov (Bielorrússia)

Grupo G
Barcelona (Espanha)
Benfica (Portugal)
Spartak Moscovo (Rússia)
Celtic (Escócia)

Grupo H
Manchester United (Inglaterra)
Sporting de Braga (Portugal)
Galatasaray (Turquia)
Cluj (Roménia) 


Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 19:36 | link do post | comentar

Novo disco de Alanis Morissette chega às lojas

Novo álbum de Alanis Morissette chega hoje às lojas
A cantora canadiana Alanis Morissette continua a fazer música com os pés assentes no rock, mas outras prioridades se foram erguendo na carreira, como ser mãe e estar disponível para os outros, disse à agência Lusa.

Hoje é editado em Portugal Havoc and bright lights, o novo álbum de Alanis Morissette, 38 anos, uma das mais conhecidas artistas do Canadá, que pediu nacionalidade americana em 2005.

 

Havoc and bright lights surge quatro anos depois de Flavors of Entaglement e, nesse intervalo, Alanis Morissette fez cinema e televisão, casou-se e foi mãe de um rapaz.

 

Ao telefone a partir de Los Angeles (Califórnia), onde vive, Alanis Morissette explicou à Lusa que decidiu fazer uma pausa ao fim de duas décadas de carreira, muitos prémios e vários milhões de discos vendidos.

 

«Sempre tive uma vida artística e profissional muito preenchida, mas, na minha vida, não me sentia nada realizada. Queria uma família, um casamento maravilhoso - não tem sido sempre fácil -, mas queria fazer parte de uma família. Não queria acordar aos 65 anos e pensar 'Ups, deixei passar essa oportunidade'», disse a cantora que falava no início de Agosto, quando do anúncio do lançamento do disco em Portugal.

 

Tal como qualquer outra mulher, a maternidade alterou-lhe a perspectiva em relação a tudo, alterou-lhe as rotinas - «o café tornou-se no meu melhor amigo» -, mas serviu-lhe de base para algumas das 30 canções que escreveu a pensar num novo disco.

 

«Após o nascimento do meu filho, senti logo uma vontade de compor este disco», afirma Morissette no comunicado hoje lançado pela editora, acrescentando em seguida: «Mas, obviamente, o ‘timing’ não podia ter sido pior. A fase de pós-parto é uma altura em que não se deve fazer absolutamente nada. E como sou uma mãe galinha, queria estar sempre perto do meu filho».

 

«Queria fazer um disco durante a gravidez, mas estava exausta», disse a cantora à Lusa. «Esperei que o meu filho nascesse e montei um estúdio na sala para que pudesse estar disponível para ele e fazer também o disco», recordou.

 

O alinhamento final de Havoc and bright lights só inclui 14 temas, a começar por Guardian, a primeira de todas as canções novas que compôs e que fala sobre o filho e o novo papel desempenhado em família. O disco encerra com Edge of Evolution, que «condensa toda a sua obra», afirma a discográfica Sony Music.

 

Para Alanis Morissette, a construção de canções é um meio caminho entre disciplina e inspiração, por isso, era natural que a vida pessoal se intrometesse nesse processo.

 

É por isso que, no disco novo, há um tema intitulado Magical Childe outro chamado Celebrity.

 

«Os valores do Ocidente, em particular na América do Norte e em particular em Hollywood são: fama, dinheiro e ter 21 anos para sempre. É um sistema de valores obsessivo que se espalhou pelo planeta e aquela música é um comentário meu a isso», explicou.

 

É claro que ela própria já se sentiu parte desse sistema - «pensava que a fama me poderia dar mais auto-estima, muito mais amigos» -, mas hoje considera que, ser célebre, é só uma ferramenta para servir outras causas mais espirituais.

 

Diz-se uma pessoa muito mais virada para o presente, mas ainda assim gosta de olhar para os discos que editou, desde que se lançou em 1991, com Alanis.

 

«Muitas pessoas também cresceram comigo, acho que contribui para pequenas bandas sonoras nas vidas delas», diz a cantora que, segundo as estatísticas, vendeu cerca de 60 milhões de discos, em particular com Jagged Little Pill e Supposed Former infatuation junkie, ambos dos anos de 1990.

 

Alanis Morissette, que já marcou uma digressão internacional para mostrar o novo álbum - que espera que passe por Portugal -, procurou combinar, no novo disco, a sensibilidade dos primeiros registos com a tecnologia actual.

 

Noticia do Sol

publicado por olhar para o mundo às 08:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sorteio da liga dos campeões pode ditar “grupo da morte”

Sorteio pode ditar “grupo da morte” e um caminho complicado para os clubes nacionais

Um sorteio pode correr muito bem, como pode correr muito mal. Para as equipas portuguesas que vão disputar a fase de grupos da Liga dos Campeões, há cenários para todos os gostos, embora o FC Porto parta em ligeira vantagem, uma vez que integra o pote 1 do sorteio desta tarde (a partir das 16h30) e, portanto, evita alguns dos “tubarões” do futebol europeu. Já Benfica e Sporting de Braga estão incluídos no pote 2, e terão, forçosamente, de enfrentar uma das equipas mais poderosas do continente.


Ao estar lado a lado com as formações mais cotadas da Europa, o FC Porto parte numa posição ligeiramente mais confortável. Mas o sorteio pode revelar-se bastante traiçoeiro. Basta ver que no pote 2 há equipas como o Manchester City, campeão inglês. Os “dragões” enfrentaram a equipa de Roberto Mancini, no ano passado, nos 16 avos-de-final da Liga Europa, tendo perdido 1-2 em casa e 0-4 em Inglaterra.

Três das seis equipas do pote 2 que podem calhar ao FC Porto são de Leste, pelo que a perspectiva de uma viagem longa é bem real. Dois desses emblemas fazem parte da história recente do FC Porto nas competições europeias e podem voltar a cruzar-se com a equipa de Vítor Pereira: Shakhtar Donetsk e Zenit São Petersburgo. As memórias são diversas, porque se os “dragões” bateram duas vezes (2-1 e 2-0) os ucranianos na fase de grupos da Champions em 2011-12, perderam 1-3 na Rússia e não foram além do empate (0-0) em casa frente ao Zenit.

Os potes 3 e 4 não reservam, necessariamente, equipas mais acessíveis. Um sorteio muito amargo poderia colocar o “milionário” Paris Saint-Germain ou a campeã italiana Juventus, assim como o Borussia Dortmund, bicampeão na Bundesliga, no grupo do FC Porto.

As perspectivas de Benfica e Sporting de Braga passam obrigatoriamente por enfrentar um dos colossos do pote 1. Qualquer treinador dirá que não há um adversário acessível naquele grupo de equipas, mas nem Jorge Jesus nem José Peseiro enjeitariam a possibilidade de enfrentar um Arsenal órfão de Robin van Persie e a protagonizar um mau arranque de época: dois empates e zero golos marcados no arranque da Premier League. Os “gunners” passaram por Braga há dois anos e regressaram a casa derrotados por 2-0. No Emirates as coisas tinham sido diferentes: a equipa então orientada por Domingos Paciência foi batida por seis golos sem resposta.

Por estarem no pote 2, lisboetas e minhotos podem pelo menos riscar dos planos de voo destinos longínquos como Donetsk, São Petersburgo ou Kiev. Moscovo continua a ser uma hipótese (o Spartak está no pote 3), assim como Borisov, na Bielorrússia (BATE no pote 4).

É também possível perspectivar neste sorteio um autêntico “grupo da morte” com a nata do futebol europeu: bastaria juntar Barcelona (ou Real Madrid), Manchester City, Paris Saint-Germain (ou Juventus) e Borussia Dortmund.

Sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões

Pote 1
Chelsea (Inglaterra)
Barcelona (Espanha)
Manchester United (Inglaterra)
Bayern Munique (Alemanha)
Real Madrid (Espanha)
Arsenal (Inglaterra)
FC Porto (Portugal)
AC Milan (Itália)

Pote 2
Valência (Espanha)
Benfica (Portugal)
Shakhtar Donetsk (Ucrânia)
Zenit São Petersburgo (Rússia)
Schalke 04 (Alemanha)
Manchester City (Inglaterra)
Sporting de Braga (Portugal)
Dínamo Kiev (Ucrânia)

Pote 3
Olympiacos (Grécia)
Ajax (Holanda)
Anderlecht (Bélgica)
Juventus (Itália)
Spartak Moscovo (Rússia)
Paris Saint-Germain (França)
Lille (França)
Galatasaray (Turquia)

Pote 4
Celtic (Escócia)
Borussia Dortmund (Alemanha)
BATE Borisov (Bielorrússia)
Dínamo Zagreb (Croácia)
Cluj (Roménia)
Málaga (Espanha)
Montpellier (França)
Nordsjaelland (Dinamarca) 


Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 08:42 | link do post | comentar
Quarta-feira, 29.08.12

Real Madrid ganha supertaça ao Barcelona

Toque de classe de Ronaldo ajuda Real Madrid a ganhar Supertaça ao Barcelona

A equipa de José Mourinho derrotou o rival catalão por 2-1 no jogo da segunda mão da Supertaça espanhola.

 

Na primeira mão, há uma semana, o Real Madrid tinha perdido em Camp Nou por 3-2, mas nesta quarta-feira, o Barcelona foi incapaz de segurar Cristiano Ronaldo e companhia. Os campeões espanhóis bateram os catalães por 2-1 e deram a volta ao marcador da eliminatória, conquistando a Supertaça.

A primeira parte do Real Madrid foi muito boa. Os jogadores do Real (Pepe foi titular e Coentrão não jogou devido a castigo) quiseram provar que o mau início de campeonato (um empate e uma derrota) é um fenómeno passageiro e produziram 45 minutos de grande futebol.

Mesmo assim, foi só depois de um falhanço de Mascherano (falhou o corte a um balão lançado por Pepe) que o Real Madrid inaugurou o marcador, por intermédio de Higuaín (11’).

O segundo golo dos “merengues” surgiu pouco depois, desta vez na sequência de um toque de classe de Cristiano Ronaldo. O português, de calcanhar, faz a bola passar por cima de Piqué e arranjou espaço para o remate que Valdés foi incapaz de deter (19’).

As coisas ficaram ainda mais fáceis para a equipa de Mourinho depois da expulsão de Adriano, a castigar um derrube a Cristiano Ronaldo quando o português se isolava em direcção à baliza.

Mas antes do intervalo, o inevitável Messi deu algum alento ao Barcelona, quando apontou de forma irrepreensível um livre directo, reduzindo a desvantagem catalã para 2-1 instantes antes do intervalo.

A segunda parte foi menos espectacular, com o Barcelona a pressionar mais o Real Madrid que, por sua vez, se mostrou menos dominador. Pedro, num contra-ataque, esteve muito perto de empatar o jogo e roubar a Supertaça aos “merengues”, mas Casillas defendeu.

A resposta do Real surgiu pouco depois e dos pés de Higuaín, num remate do argentino ao poste da baliza à guarda de Valdés.

Até final, contudo, o marcador não se alterou, mas ainda houve tempo para José Mourinho lançar o mais recente reforço da equipa. O croata Modric tentou marcar a sua estreia com um golo, mas foram Montoya primeiro e Messi depois, já no período de descontos, que mais perto estiveram do golo.

No final, José Mourinho garantiu a sua primeira vitória no Bernabéu contra o Barcelona e o Real Madrid conquistou a sua nona Supertaça. 

 

Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 23:42 | link do post | comentar

Sexo e cientologia agitam bastidores do Festival de Veneza

Sexo e cientologia agitam bastidores do Festival de Veneza

Zac Efron será uma das estrelas a passar pelo tapete vermelho de Veneza

Questões polêmicas e astros sem muita tradição formam arsenal escasso do evento

 

O Festival de Veneza, que começa nesta quarta-feira, 29, e segue até 9 de setembro na cidade italiana, está apostando em sexo e na cientologia. Tudo para provocar o tipo de rebuliço de que o mais antigo festival de cinema do mundo precisa para estar à frente de um número cada vez maior de rivais. No ano em que celebra seu 80º aniversário, o evento anual compete com Toronto para atrair os melhores filmes e os maiores astros para seu tapete vermelho, além de esfuziante circuito de festas.

 

A mostra da cidade tem ainda novo desafio, um festival realizado em novembro, em Roma, que aumentou suas credenciais ao contratar o respeitado diretor artístico de Veneza, Marco Mueller. Mueller está sendo substituído por Alberto Barbera, que está bem ciente de que preços elevados e a difícil infraestrutura no Lido favorecem os rivais. "Roma e Veneza estão indo para suas novas edições como boxeadores para um ringue", disse o crítico Jay Weissberg, do jornal de negócios Variety, de Hollywood. Ele escreve a partir de Roma e acompanha de perto os festivais italianos. "A guerra de palavras já chegou à imprensa nos últimos dois meses."

 

Barbera introduziu pequeno mercado de filmes este ano para tornar Veneza mais atraente comercialmente para os estúdios, embora haja dúvidas sobre quantos negócios essa iniciativa vai gerar. Mas sua principal tarefa é atrair uma seleção de filmes que garanta a presença de artistas classe A, burburinho na mídia e a divulgação mundial de cinema de alta qualidade e baixo orçamento. No papel, o festival parece promissor.

 

Não há nenhum George Clooney, presença constante em Veneza, e o festival não terá pesos-pesados como Angelina Jolie e Johnny Depp. Mas um grupo de artistas vai compensar e ajudar a revigorar a imagem do festival. Zac Efron e Shia LaBeouf, populares artistas norte-americanos na faixa dos 20 e poucos, estão tentando se distanciar de musicais e blockbusters, enquanto a atriz e cantora da Disney Selena Gomez, que namora o canadense Justin Bieber, está na cidade para promover uma série de filmes de que participou este ano.

 

Robert Redford e Julie Christie representam a velha geração e, com Rachel McAdams, Ben Affleck e o imprevisível Joaquin Phoenix, estão entre as grandes atrações para rodadas de entrevistas e fotos depromoção de seus filmes. O longa mais falado no festival poderá ser The master, história de Paul Thomas Anderson sobre um culto religioso que, segundo críticos que o viram, se assemelha com a cientologia. Segundo o que foi publicado, Anderson disse que o papel de Lancaster Dodd, interpretado por Philip Seymour Hoffman, foi inspirado em L. Ron Hubbard, fundador da Igreja da Cientologia.

 

Mesmo assim, Anderson e a distribuidora Harvey Weinstein têm minimizado as comparações com a religião, que tem entre seus seguidores os atores Tom Cruise e John Travolta, mas é considerada por oponentes como um culto que persegue as pessoas que pretendem abandoná-lo e coage os fiéis a pensarem do mesmo modo.

 

Noticia de UAI

publicado por olhar para o mundo às 20:41 | link do post | comentar

Barbara Streisand lança inéditos guardados ao longo de 45 anos

Barbra Streisand, de 70 anos, prepara concertos nos Estados Unidos e no Canadá para OutubroBarbra Streisand, de 70 anos, prepara concertos nos Estados Unidos e no Canadá para Outubro (Michele Limina/AFP)

Release Me é o novo título na longa discografia de Barbra Streisand. O álbum, que chega às lojas a 9 de Outubro (o vinil estará disponível mais cedo, a 25 de Setembro), reúne 11 canções que, ao longo de cinco décadas, foram sendo preteridas dos alinhamentos pela entertainer. I think it's going to rain today é o tema de apresentação.

A canção foi gravada em 1971, com Randy Newman ao piano (e a cantar, também). Tal como as restantes, permanecia inédita até aos dias de hoje (pelo menos oficialmente). Nesta terça-feira, foi divulgada online, para que os fãs de Streisand pudessem ter uma percepção do que os espera.



Barbra Streisand dedicou-se ela mesma a seleccionar o rol de canções que figuram emRelease Me, que chegou a especular-se que poderia vir a ser uma caixa com três ou quatro discos. A cantora entendeu, no entanto, que nesta compilação deveria incluir apenas as canções de facto inéditas e que não se encontravam noutras antologias ou lados-b.

De resto, há um lado emocional ligado a estas canções. “Aquilo com que estou mais contente é que ainda tenho grande afecto por todas estas canções. Gostava delas na altura… e ainda gosto”, afirmou Barbra Streisand, em comunicado. “Ouvindo-as agora, penso para mim mesma: ‘A miúda não era má de todo’.”

A gravação mais antiga de Release Me remonta a 1967: Willow weep for me, que ficou de fora de Simply Streisand. Há ainda temas recuperados de A Star is Born (With one more look at you), de Hallelujah, Baby! (Being good isn't good enough) ou de The Wiz (Home).

Em Outubro, após o lançamento de Release Me, Barbra Streisand, de 70 anos, entra em digressão pelos Estados Unidos e pelo Canadá: começa em Brooklyn (Nova Iorque) e segue para Chicago, Toronto, Vancouver e Montreal. 

 

Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 20:38 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

First Class Radio 

posts recentes

últ. comentários

  • Minha esposa dorme durante a relacao eu viro chego...
  • Minha esposa as vezes dorme , aí eu paro viro de l...
  • hmmm fixe! Será uma daquelas edições para colecion...
  • Interessante
  • gosto do suave tom da sua voz :)
  • Vou procurar para ouvir =)Beijinhos
  • Neste Natal só te desejo duas coisas: TUDO e NADA!...
  • Recomendadíssimo!!Para quem não conhece a sonorida...
  • Great article!

Posts mais comentados

arquivos

tags

favoritos

subscrever feeds



blogs SAPO