ATALHOS - NA XINA LUA ou sobre o caminho mais comprido entre dois pontos - Teatro

teatro.jpg

 

 

ATALHOS - NA XINA LUA
ou sobre o caminho mais comprido entre dois pontos
Teatro



Persistência e ousadia teatral celebradas por duas dezenas de intérpretes que têm na Acert o espaço de residência do seu grupo e dos seus sonhos
 
O Na Xina Lua - Grupo de Teatro da Escola Secundária de Tondela volta a participar no Projeto PANOS – palcos novos, palavras novas. Um projeto da Culturgest que alia o teatro escolar/juvenil às novas dramaturgias, inspirando-se no programa Connections, do National Theatre de Londres. Todos os anos há peças novas escritas de propósito para serem representadas por grupos escolares ou de teatro juvenil, e das três peças disponíveis em 2017 o Na Xina Lua elegeu o texto Atalhos, de Joana Craveiro.

Ainda em fase de ensaios, os vinte jovens atores partilham entre si descobertas, inquietações e os constantes desafios que cada uma das personagens oferece.

Sinopse


Cinco jovens empreendem uma viagem por entre as suas dúvidas e desadequações da sociedade e daquilo que é esperado deles. Cada um define o seu ponto de partida, mas não sabem dizer à partida aonde vão chegar. Pelo caminho, tiram para fora a sua lista de perguntas e de acontecimentos inexplicados, ao mesmo tempo que se vão aproximando de alguns sonhos ou fantasias que têm. Num não-lugar de mapas imaginários, estas cinco figuras unidas pela vontade comum de encontrar respostas e fugir ao sentirem-se fora de tudo percorrem a memória de alguns acontecimentos recentes que têm surgido nos jornais ao longo dos últimos meses/anos, para falarem deles próprios e pedirem explicações pelo que não compreendem.
O caminho que escolheram é o mais longo, e daí o título.
Porque demora sempre mais ir à volta das coisas, ao cerne das coisas, do que passar por cima do que não se compreende nem faz sentido só para se chegar mais depressa aonde se pensa que tem de se chegar a horas.

Sobre a autora

Joana Craveiro é diretora artística do coletivo Teatro do Vestido, que fundou em 2001, e no qual dirigiu mais de 20 projetos até ao momento, tendo escrito a maioria deles e participado igualmente como atriz e cocriadora. Tem o curso de formação de atores da Escola Superior de Teatro e Cinema (1997), é licenciada em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa, FCSH (2003) e tem o Mestrado em Encenação pela Royal Scottish Academy of Music and Drama (2004). Encontra-se de momento a finalizar o doutoramento no departamento de Teatro e Estudos da Performance da Roehampton University, em Londres, sobre a transmissão da memória política da ditadura portuguesa, da revolução do 25 de Abril de 1974 e do processo revolucionário que se lhe seguiu. A relação entre os acontecimentos históricos e as suas representações no presente, bem como a recolha de memórias e histórias de vidas e as cartografias poéticas e afetivas das cidades são algumas das questões a partir das quais Joana Craveiro tem trabalhado mais recentemente.


Bilhete: 2€ · Estudante: 1€




Ficha Técnica


Texto: Joana Craveiro
Interpretação: Afonso Cortez, Alexandra Costa, Beatriz Brás, Daniel Nunes, Daniel Paz, Daniela Sousa, Diana Mota, Diogo Macedo, Guilherme Henriques, Joana Brás, João Costa, Luísa Campos, Madalena Almiro, Maria Alves, Maria Inês Gomes, Marta Rodrigues, Rafaela Almeida, Raquel Nunes, Sofia Cunha e Tiago Clamote
Encenação: Sandra Santos
Assistência de encenação: João Almiro
Desenho de Luz: Paulo Neto
Apoio à produção: Trigo limpo teatro Acert

Espetáculo criado em Residência Artística no Novo Ciclo Acert

publicado por olhar para o mundo às 21:13 | link do post | comentar