Sexta-feira, 27.10.17

MOTELX apresenta curtas de terror portuguesas na Cinemateca Francesa em Paris

motelx.jpg

 

MOTELX apresenta curtas de terror portuguesas na Cinemateca Francesa em Paris

***

No dia 30 de Outubro, o MOTELX - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa vai estar em Paris para uma sessão especial com a exibição de filmes que passaram pelo Prémio MOTELX - Melhor Curta de Terror Portuguesa, na presença de alguns dos seus realizadores.

Em parceria com a Cinemateca Francesa e o Instituto Camões, o MOTELX programa uma sessão especial que recupera oito curtas dos últimos anos de competição pelo maior prémio em Portugal para curtas-metragens, criado em 2009.

É praticamente uma década de criação nacional num território outrora inexplorado e de certo modo marginalizado em Portugal. Hoje, é com orgulho que se pode dizer que se faz cinema de terror no país com regularidade num género que exige tanto de saber fazer como de talento e criatividade. Sem dogmas nem preconceitos foi-se desbravando caminho com sangue novo e propostas arrojadas às quais o MOTELX procurou desde a primeira hora dar a maior projecção e visibilidade, cá dentro e lá fora.

Este ano avançamos com uma tournée internacional deste conjunto de curtas nomeadas para o Prémio MOTELX - Melhor Curta de Terror Portuguesa, que irá decorrer em cidades de vários países a anunciar brevemente e que tem início em vésperas de Halloween em Paris.

MOTELX on Tour - Curtas de Terror Portuguesas
Segunda-feira, 30 Outubro 2017, 19h00
Salle Georges Franju | Cinémathèque Française
Paris

publicado por olhar para o mundo às 10:13 | link do post | comentar
Segunda-feira, 03.07.17

25º Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema

curtas.jpg

 

25º Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema

O Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema regressa entre 8 e 16 de julho para uma edição especial: a do 25º aniversário. Através de uma programação arrojada, o festival volta a mostrar o melhor cinema contemporâneo com sessões de cinema para toda a família, filmes-concerto, exposições, debates, festas e muito mais. Nos primeiros dias de julho, o início do verão tem um lugar de passagem obrigatória!

Como não podia deixar de ser, esta edição assinala o 25º aniversário do festival a partir de múltiplos olhares, com uma carta branca e um livro, partilhados por vinte e cinco individualidades que atuam em diversas áreas artísticas e culturais (serão nove sessões com filmes “clássicos” do Curtas Vila do Conde). O Curtas regressa também ao Auditório Municipal de Vila do Conde, a casa do festival entre 1993 e 2008, com concertos, sessões de cinema gratuitas e uma exposição fotográfica em homenagem aos realizadores portugueses que passaram pelo Curtas Vila do Conde: A Glória de Fazer Cinema em Portugal.

Para assinalar esta data especial, o Curtas Vila do Conde promove também, na noite de 13 de julho, uma festa de aniversário no Forte S.João com um concerto dos Sensible Soccers seguido de um Dj set do coletivo Os 7 Magníficos.

O programa completo já está disponível no jornal do festival.

publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar
Quinta-feira, 22.06.17

CTE - VISITAS GUIADAS + CURTAS DE TEATRO FORA DE PORTAS

visitas guiadas.jpg

 

 

MULTIDISCIPLINAR

VISITAS GUIADAS + CURTAS DE TEATRO FORA DE PORTAS

 

CTE - VÁRIOS ESPAÇOS 3€ / ENTRADA GRATUITA (CARTÃO AMIGO, CARTÃO SÉNIOR E JOVEM MUNICIPAL)


MULTIDISCIPLINAR | 75 MIN | M/12


12º Aniversário CTE


Aos doze anos de idade, o Cine-Teatro de Estarreja dá a conhecer os seus bastidores. O invisível visível, aos olhos de todos aqueles que têm sentido na plateia a magia do palco, com o orgulho de serem muitos. O que estará por trás do som, das luzes, do espaço cénico? O que é uma régie e uma teia? Será que o camarim tem adrenalina? São estas e outras respostas que poderá descobrir nesta visita guiada conduzida pela experiente equipa do CTE, onde haverá Curtas de Teatro Fora de Portas, a acontecer em espaços não convencionais. Esta viagem lúdica cultural é a prenda do aniversariante pelo calor que nos trazem todos aqueles que se sentem em casa, na vossa casa.


Curtas de Teatro Fora do Palco


Nú Palco de Miguel Ponte


Uma Mulher à Janela ou a Carta da Corcunda ao Serralheiro de Ilda Teixeira


Guarda-Chuvas de Chocolate de Paulo Morgado e Ruy Malheiro


[promovido pelo Cine-Teatro de Estarreja]

publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar
Quarta-feira, 19.04.17

IndieLisboa - Curtas da secção Silvestre reorganizadas

Nesta edição do IndieLisboa, a secção Silvestre - Curtas Metragens tem alterações na organização dos seus programas. Como forma de garantir mais atenção para os filmes seleccionados, o IndieLisboa vai dividir as sessões por temas e géneros.

Haverá, assim, um programa dedicado à animação, um radar para as melhores curtas vistas ao longo do ano, mas que por diversos critérios não puderam integrar a competição internacional. Os dois programas dedicados ao documentário vão abordar a política nos nossos dias e as obsessões de vários cineastas em torno do seu trabalho (Jan Soldat, Johan Grimonprez, Lucille Chaufour e Mark Rappaport).

Os dois programas de ficção conjugarão autores consagrados com estreantes: a dupla Valérie Mréjen/Bertrand Schefer escolhe dois actores de referência de Paul Vecchiali: Jacques Nolot e Pascal Cervo, trabalhando um filme que poderia ser obra do seu mentor. Tom Shoval (em competição no IndieLisboa com Justification) volta ao festival com uma curta que acompanha uma mulher em permanente deambulação. O filipino Carlo Francisco Manatad, o brasileiro Gustavo Vinagre e o espanhol Chema Garcia Ibarra estreiam-se no IndieLisboa depois da sua obra ter sido apresentada em múltiplos festivais de cinema.

Um último programa da Silvestre, a ser apresentado na Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema, apresentará os últimos trabalhos de realizadores consagrados no cinema experimental: Bertrand Mandico, Robert Todd, Robert Cambrinus e Friedl Von Groml, conhecida fotógrafa e companheira de sempre de Peter Kubelka, entre outros.

A programação da secção dedicada à mostra de obras que sejam demonstrativas da singularidade da visão de jovens e consagrados cineastas apresentará ainda as novas obras de Alex Ross Perry (Golden Exits), Matías Piñeiro (Hermia & Helena), Radu Jude (Inimi Cicatrizate), Vitaly Mansky (Rodnye (Close Relations) ) e Michael Glawogger (Untitled). O foco Silvestre estará na dupla Gusztáv Hámos e Katja Pratschke, realizadores e curadores que têm dedicado o seu trabalho à exploração do fotofilme e das múltiplas relações entre a imagem, fotografia e cinema.

 

Longas Metragens

A Cidade do Futuro/The City of the Future , Cláudio Marques, Marí´lia Hughes, (Brasil, fic., 2016)

Belinda, Marie Dumora (França, doc., 2017)

City of the Sun, Rati Oneli, Geórgia, (EUA, Qatar, Holanda, doc., 2017)

Der traumhafte Weg/The Dreamed Path , Angela Schanelec (Alemanha, fic., 2016)

Elon Não Acredita na Morte/ Elon Doesn’t Believe in Death , Ricardo Alves Jr, (Brasil, fic., 2016)

Fra balkongen/From the Balcony , Ole Giæver (Noruega, fic., 2017)

Golden Exits, Alex Ross Perry (EUA, fic., 2017)

Hermia & Helena, Matías Piñeiro (EUA, Argentina, fic., 2016)

Inimi cicatrizate/Scarred Hearts, Radu Jude (Roménia, Alemanha, fic., 2016)

Le Parc/The Park, Damien Manivel (França, fic., 2016)

Lumie`res d’e´te´/Summer Lights , Jean-Gabriel Périot (França, fic., 2016)

Mister Universo, Tizza Covi, Rainer Frimmel (A´ustria, Itália, fic., 2016)

Rodnye (Close Relations), Vitaly Mansky (Letónia, Alemanha, Estónia, Ucrânia, doc., 2016)

Untitled, Michael Glawogger, Monika Willi (Áustria, Alemanha, doc., 2017)

Venus, Lea Glob, Mette Carla Albrechtsen (Dinamarca, Noruega, doc., 2016) 

 

Silvestre – Curtas: On Politics

Borders, Damjan Kozole (Eslovénia)

Corps, Benjamin d'Aoust (Bélgica)

Green Screen Gringo, Douwe Dijkstra (Holanda)

Jokinen, Laura Horelli (Finlândia)

Nunca é Noite no Mapa, Ernesto Carvalho (Brasil)

 

Silvestre – Curtas: Animation Spotlight

Anatomy, Patrik Eklund (Suécia)

Batfish Soup, Amanda Bonaiut (EUA)

Books on Books, Lei Lei (China)

Les animaux domestiques, Jean Lecointre (França)

Löss, Yi Zhao (Bélgica)

Penelope, Heta Jäälinoja (Estónia)

Six God Alphabet, Peter Millard (Reino Unido) 

 

Silvestre – Curtas: Obsessions

115 DB, Lucile Chaufour (França)

Protocols, Jan Soldat (Alemanha)

Raymond Tallis | On Tickling, Johan Grimonprez (Bélgica)

Serguei / Sir Gay, Mark Rappaport (França)

 

Silvestre – Curtas: Fiction I

Enfant Chéri, Valérie Mréjen e Bertrand Schefer (França)

Gallo Rojo, Zamo Mkhwanazi e Alejandro Fadel (África do Sul)

La Disco Resplandece, Chema García Ibarra (Espanha)

Les incapables, Roxanne Gaucherand (Bélgica)

Justification, Tom Shoval (Israel)

Youth, Shanti Masud (França)

 

Silvestre – Curtas: Fiction II

Les Incapables, Roxanne Gaucherand (Bélgica)

Fatima Marie Torres and the Invasion of Space Shuttle Pinas 25, Carlo Francisco Manatad (Filipinas)

Os Cuidados que se tem com o Cuidado que os Outros Devem ter Consigo Mesmos, Gustavo Vinagre (Brasil)

When you love, Süheyla Schwenk (Alemanha) 

 

Silvestre – Curtas: Autores

A Dad, Robert Cambrinus (Áustria)

Atelier d'expression, Friedl Von Groml (Áustria)

Colombi, Luca Ferri (Itália)

Depressive Cop, Mandico Bertrand (França)

Phases of Noon, Robert Todd (USA)

Stampede – eine gestempelte Geschichte vom Zirkus, Franz Winzentsen e Tobias Sandberger (Alemanha)

Stella 50.4N1.5E, Elsa Brés (França)

 

 

O IndieLisboa 2017 by Allianz é organizado pela IndieLisboa - Associação Cultural, com o apoio financeiro do Ministério da Cultura/ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual, da CML - Câmara Municipal de Lisboa, do Programa Creative Europe da União Europeia e da Allianz; em co-produção com a Culturgest e o Cinema São Jorge e em parceria estratégica com a EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, EEM.

publicado por olhar para o mundo às 09:13 | link do post | comentar
Sexta-feira, 07.04.17

Indie Lisboa - Competição internacional de curtas: Cinquenta e um filmes à procura do invisível

florestiff1.jpg

 

 

Pela primeira vez desde o nascimento do festival, o IndieLisboa vai premiar as melhores curtas metragens nas categorias de Animação, Ficção e Documentário, para além da atribuição do Grande Prémio de Curta Metragem. Uma decisão que comprova o espaço que esta secção tem vindo a conquistar na descoberta daqueles que serão os grandes cineastas do futuro. À décima quarta edição, o IndieLisboa reforça assim a sua missão e compromisso com o apoio ao cinema de novas vozes, valorizando o trabalho dos realizadores que têm a coragem de se aventurar em primeiras obras. O júri para a competição internacional de curtas metragens será composto por Filipe Abranches, professor, realizador e ilustrador, Katja Pratschke, cineasta em destaque na secção Silvestre, e Richard Raskin, argumentista, jornalista, crítico de diversas publicações internacionais e editor da revista Short Film Studies.

A selecção oficial de curtas metragens a concurso apresenta um programa com 51 filmes, numa viagem à volta do mundo, que serve de espelho diversificado de visões e temas. Procurar o invisível é o grande motor de arranque desta programação que vê voltar o grande animador Nicolas Ménard à procura de um "Goddard" numa montanha (Wednesday with Goddard), Duncan Campbell - vencedor do Turner Prize de 2014 e antes em competição com o estimulante Bernardette - traz The Welfare of Tomás Ó'Hallissy, a finlandesa Salla Sorri (Silencio) procura entender uma jovem que só necessita de mais atenção, Lucas Doméjean, depois do divertido Retarded 2, faz uma espécie de sequela, ainda mais divertida, em que os supermercados Lidl continuam a representar o lugar onde se quer estar com os amigos (Nirvana) ou Camilo Restrepo que, depois de na edição passada ter sido contemplado com uma menção especial por La Imprésion de una Guerra, acompanha uma jovem que procura obsessivamente o pai (Cilaos).

Da Polónia chegam-nos quatro animações e um documentário numa prova da vitalidade do cinema polaco nas suas diversas expressões. De Sundance surge o filme que venceu o Grande Prémio Internacional, And So We Put Goldfish in the Pool, do japonês Makoto Nagahisa, que tem sido a grande sensação dos festivais a oriente e Hot Winter: a Film by Dick Pierre de Jack Henry Robbins, cujo cunho político e sexual do filme afronta esta América de Trump. Entre os portugueses, destaca-se o regresso de Joana Pimenta (premiada no IndieLisboa 2014 com o seu primeiro trabalho) com Um Campo de Aviação e de Ico Costa com Nyo Vweta Nafta, realizador que tem feito um circuito assinalável de festivais desde a sua estreia e recém galardoado com o Prémio de Melhor Realizador no Festival de Cinema du Réel. Em estreia mundial e também numa viagem de regresso ao IndieLisboa, estão Jorge Jácome (Flores), Hugo Pedro (Turno da Noite) e André Ruivo (Circo).

 

Animação

489 Years, Hayoun Kwon (França)

Amalimbo, Juan Pablo Libossart (Suécia)

Beside Oneself, Karolina Specht (Polónia)

Circo, André Ruivo (Portugal)

Impossible Figures and other Stories II, Marta Pajek (Polónia)

Ink Meets Blank, Tymon Albrzykowski (Polónia)

Je ne sens plus rien, Noémie Marsily, Carl Roosen (Bélgica, Canadá)

Play Boys, Vincent Lynen (Bélgica)

Pussy, Renata Gasiorowska (Polónia)

The Waves, Oscar Lewis (Reino Unido)

Wednesday with Goddard, Nicolas Ménard (França)

Documentário

Avant l'envol, Laurence Bonvin (Suiça)

Um Campo de Aviação, Joana Pimenta (EUA, Portugal)

The Benevolent Dictator, Bernhard Braunstein, Martin Hasenöhrl, Albert Lichtblau (Áustria)

Close Ties, Zofia Kowalewska (Polónia)

En la boca, Matteo Gariglio (Suiça)

Find Fix Finish, Mila Zhluktenko, Sylvain Cruiziat (Alemanha)

Fraktur, Gilles Ribero (França)

The Hollow Coin, Frank Heath (EUA)

NO'I, Aline Magrez (Bélgica)

Nyo Vweta Nafta, Ico Costa (Portugal, Moçambique, Argentina)

Ocean Hill Drive, Lina Sieckmann, Miriam Gossing (Alemanha)

Pattern Language, Peter Burr (EUA)

The Rabbit Hunt, Patrick Bresnan (EUA)

Rubber Coated Steel, Lawrence Abu Hamdan (Líbano)

Simba in New York, Tobias Sauer (Alemanha)

Stand-by Office, Randa Maroufi (França/Holanda)

Sur la route, Annabelle Amoros (França)

Ficção

À ton âge le chagrin c'est vite passé, Alexis Langlois (França)

And So We Put Goldfish in the Pool, Makoto Nagahisa (Japão)

Centaur, Nicolás Suárez (Argentina)

Cilaos, Camilo Restrepo (França, Chile)

La culpa, probablemente, Michael Labarca (Venezuela)

Dekalb Elementary, Reed Van Dyk (EUA)

Dreaming of Baltimore, Lola Quivoron (França)

Le film de l'été, Emmanuel Marre (França)

Flores, Jorge Jácome (Portugal)

Fog, Adrian Voicu (Roménia)

Hot Winter: a film by Dick Pierre, Jack Henry Robbins (EUA)

Martin Pleure, Jonathan Vinel (França)

Nirvana, Lucas Doméjean (França)

Noyade Interdite, Mélanie Laleu (França)

The Off-Season, Yelzat Eskendir (Cazaquistão)

Out of Reach, Efrat Rasner (Israel)

Sakhisona, Prantik Basu (India)

Silencio, Sala Sorri (Finlândia, Cuba)

Turno da Noite, Hugo Pedro (Portugal)

Watchkeeping, Karolis Kaupinis (Lituânia)

The Welfare of Tomás Ó'Hallissy, Duncan Campbell (Irlanda, Reino Unido)

Wild Hope, Audrey Bauduin (França)

Written/Unwritten, Adrian Silisteanu (Roménia)

 

O IndieLisboa 2017 by Allianz é organizado pela IndieLisboa - Associação Cultural, com o apoio financeiro do Ministério da Cultura/ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual, da CML - Câmara Municipal de Lisboa, do Programa Creative Europe da União Europeia e da Allianz Portugal; em co-produção com a Culturgest e o Cinema São Jorge e em parceria estratégica com a EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, EEM.

 

publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar
Terça-feira, 10.09.13

MOTELx e o regresso do terror ao S. Jorge

MOTELx e o regresso do terror ao S. Jorge


MOTELx e o regresso do terror ao S. Jorge

Na apresentação dos cinco dias intensos e variados deste Festival pudemos, desde logo observar que a aposta é forte na dinâmica e qualidade dos filmes que fazem parte do programa, nas novidades e patrocinadores aderentes e que, na competição portuguesa das curtas-metragens de terror o júri vai ter uma tarefa difícil. 


Por isso prepare-se e tenha medo, muito medo porque sangue, terror, suspense, gritos e escuridão vão marcar presença aqui.

 

O MOTELx- Festival dedicado aos filmes de Terror vai decorrer entre 11 e 15 de Setembro no Cinema S. Jorge, palco onde têm sido projectadas as melhores obras de terror produzidas internacionalmente e que, ainda serve para a presença de convidados internacionais oriundos dos quatro cantos do mundo, tal como sucederá este ano. 

Com o objectivo de estimular a produção de filmes portugueses deste género também existe a secção competitiva, com o Prémio MOTELx- Melhor Curta de terror portuguesa, este ano com o alto patrocínio da Yorn.

 

Com o Spot “Dédalo” dedicado ao “Terror no Espaço”, realizado pela Take it Easy, parceira desde sempre do Festival foi assim iniciada a apresentação do sétimo MOTELx. 

Sobre o programa dos filmes e acções paralelas ao evento os directores e convidados aludiram a alguns pontos importantes dos quais temos de destacar o facto de na secção Serviço de Quarto neste ano a principal novidade são os filmes realizados por mulheres, presenças raras neste território. 

Assim Jennifer Lynch, filha do surpreendente David Lynch depois do galardoado “Surveillance” reaparece com o negro “Chained”, um filme acerca da relação familiar entre um assassino em série e o filho de uma das vítimas, a gaulesa Mariana de Van, assina “Dark Touch” ou ainda Gena Rowlands, que se estreia nas longas-metragens com “ Kiss of the Damned”, em homenagem aos filmes vampirescos. 

Nesta secção, é importante frisar a presença pela primeira vez do realizador de terror japonês Hideo Nakata com “The Complex” e a grande estreia do aguardado “The Conjuring”, ou o regresso de Neil Jordan, que desde “Interview with the Vampire” não se dedicava ao terror. 

Os clássicos portugueses, do tempo da censura não foram esquecidos, marcando presença na secção Quarto Perdido com os filmes “O Crime de Aldeia Velha”, um gótico do cinema novo português realizado por Manuel Guimarães e o western spahetti “ A Promessa” de António de Macedo. 

Para os mais pequenos a secção Lobo Mau regressa com uma homenagem a Ray Harryhausen, o influente mestre dos efeitos especiais, recentemente falecido cuja obra marcou muitos filmes como: “Jurassic Park” ou “Terminator 2” sem ele não teriam existido. 

Grande presença é a do mestre Tobe Hooper, na secção dedicada ao Culto dos Mestres Vivos, ele que realizou o clássico “Massacre no Texas” e inspirou muitos a dedicarem-se à 7ª arte. 

O facto é que, no flashback dos filmes que vão passar pelo S. Jorge, podemos constatar que na única competição do Festival os 9 seleccionados ao Prémio de Melhor Curta-Metragem de Terror portuguesa mostram uma identidade cada vez mais nacional e que foge aos ingredientes dos filmes estrangeiros. 

O Júri composto por Nuno Markl conhecido humorista, locutor, apresentador e escritor português, Saffa Dib jornalista e co-fundadora da convenção anual do Fórum Fantástico e Thierry Philps presidente do Razor Reel Fantastic Film Festival vão ter muito trabalho na escolha do vencedor do Prémio Yorn MOTELx. 


Paralelamente aos filmes a festa de pré-abertura no Music Box, as masterclasses, os jogos de família ou os workshops sobre truques na realização dos filmes com realizadores experientes ou para a caracterização e efeitos especiais, realizado por Helena Baptista da equipa de produção do Spot do Festival vai ser uma oportunidade rara para os participantes.

 

No final e para os convidados não saírem sem levarem uma pequena amostra do que é esperado, foi visualizada a longa-metragem “Painless Insensibles”, do realizador Juan Carlos Medina, filme vencedor do Prémio de Melhor Filme do último Festival de Estrasburgo, é uma surpreendente co-produção da Fado Filmes de Luís Galvão Telles.

 

Isabel Miranda


Retirado do HardMúsica

publicado por olhar para o mundo às 19:41 | link do post | comentar
Terça-feira, 16.07.13

Grande Prémio do Curtas Vila do Conde para Carosello, do português Jorge Quintela

Grande Prémio do Curtas Vila do Conde paraCarosello, do português Jorge Quintela

O principal prémio da 21.ª edição do Festival Internacional foi atribuído a uma coprodução luso-italiana realizada por Jorge Quintela.

Carosello tornou-se, assim, no segundo filme português a alcançar o Grande Prémio Cidade de Vila do Conde, atribuído ao melhor filme em competição internacional, depois de em 2006 o galardão ter sido atribuído a Rapace, de João Nicolau.

 

Jorge Quintela nasceu no Porto, em 1981, formou-se em Fotografia e Audiovisual na Escola Superior Artística do Porto (2003), e desde 2004 trabalha regularmente em cinema como director de fotografia de curtas e longas-metragens.

 

Em 2010, Quintela realizou um filme documentário sobre o músico Legendary Tigerman, On The Road To Femina, que estreou no festival IndieLisboa 2010, e realizou o filme Ausstieg, que recebeu uma Menção Honrosa na  competição experimental do festival de Vila do Conde daquele ano.

 

Na competição nacional do Curtas Vila do Conde de 2013, o Prémio BPI foi atribuído a Rei Inútil, o filme de estreia de Telmo Churro como realizador.

 

Nascido em Lisboa, em 1977, Telmo Churro estudou cinema na Escola Superior Artística do Porto e na Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa, na área de montagem. Trabalha em cinema desde 2000, como montador, assistente de realização, anotador e argumentista.

 

Para além da competição nacional, Rei Inútil venceu também o Prémio Canal +, que consiste na aquisição dos direitos de exibição de um filme português para aquele canal de televisão francês.

 

Gambozinos, de João Nicolau, foi também distinguido com uma menção honrosa pelo júri da secção Curtinhas, que elegeu Room on the Broom, de Max Lang e Jan Lanchauer, como vencedor do prémio de melhor filme desta competição, eleito por um grupo de 15 crianças com idades entre os 6 e os 12 anos.

 

Para Miguel Dias, da organização do Curtas Vila do Conde, o facto de o palmarés da 21.ª edição do festival colocar em evidência a produção portuguesa é revelador da qualidade do programa apresentado na competição nacional.

 

Ainda segundo Miguel Dias, mesmo depois de um "ano zero” em termos de apoios oficiais, que resultou numa redução drástica do número de filmes produzidos em Portugal com financiamento, a competição nacional do Curtas Vila do Conde não se ressentiu, tendo sido mesmo possível assistir a um equilíbrio de filmes realizados por autores já consagrados a par de alguns nomes revelação.

 

“No entanto, importa sublinhar que só foi possível manter esta qualidade e quantidade de filmes apresentados graças às produções de filmes que já vinham de anos anteriores e que só agora foram terminadas; à produção de filmes potenciados por eventos como Guimarães 2012, ou o projecto Estaleiro e, noutros casos, graças ao trabalho empenhado e dedicado, mas não remunerado, de jovens técnicos, actores e realizadores”, sublinhou este membro da direcção do festival.

 

Perante este cenário, “a manter-se a falta de apoios em anos posteriores, poderá estar em causa o futuro de inúmeros autores e técnicos talentosos que aqui mostraram o resultado do seu trabalho”, alertou Miguel Dias.

 

No 21º. Curtas Vila do Conde foram ainda atribuídos galardões como o Prémio Animação, para Gloria Victoria, de Theodore Ushev (Canadá), o Prémio Documentário para Buenos Dias Resistencia, de Adrián Orr (Espanha), e o Prémio Ficção para Soft Rain, de Dénes Nagy (Hungria/Bélgica).

 

Do festival saiu a nomeação do filme Cut, de Christoph Girardet e Matthias Mueller (Alemanha), para os Prémios do Cinema Europeu, na categoria de curta-metragem, organizados anualmente pela European Film Academy.

 

O Prémio Experimental foi para I Am Micro, de Shai Heredia e Shumona Goel (Índia), e várias outras películas receberam menções honrosas, como The Smortlybacks, de Ted Sieger e Wouter Dierickx (Suíça/China), e Nyuszi És Öz, de Péter Vácz (Hungria).

 

Retirado do Público

publicado por olhar para o mundo às 10:10 | link do post | comentar
Domingo, 30.06.13

Shortmedia no Solar do Dão, em Viseu

Shortmedia arranca hoje no Solar do Dão, em Viseu


Shortmedia arranca hoje no Solar do Dão, em Viseu

São 48 horas "a abrir", numa maratona que arranca esta sexta-feira no Solar do Dão, em Viseu. O 48 Shortmedia, organizado pela Escola Profissional Mariana Seixas, recebe até domingo 12 equipas que vão até à cidade beirã para mostrar em apenas dois dias do que são capazes nas áreas do cinema, fotografia e multimédia. A avaliar os trabalhos, que têm a categoria rainha na curta-metragem, vai estar um júri que integra o actor Nicolau Breyner, revelou a RTP.


Trata-se no entanto, como o nome indica, de um evento em cotrarrelógio, já que os grupos que disputam os prémios das várias categorias (Curta, Sonorização, Argumento, Reportagem Fotográfica, Cartaz, Presença na Web e Melhor Conjunto das Categorias) têm apenas até à tarde de domingo para apresentar o produto do seu trabalho. O trabalho de 48 horas.


O 48 Short Media realiza-se nos dias 28, 29 e 30 de junho de 2013. Tem início marcado para as 14:00 de 28 e ficará concluído com a entrega de prémios, no Solar do Vinho do Dão, no domingo à noite.

 

Nessa altura, o público poderá assistir no jardim do Solar à projeção das curtas-metragens e passar os olhos pela exposição de fotografia, cartaz e presença na web.

 

Trata-se de um evento que desafia à criação de objetos multimédia num contexto condicionado (…) no que diz respeito à sua duração, ao local em que se deve desenrolar e às condições técnicas e criativas proporcionadas, como explica a RTP.


A decisão estará depois nas mãos de um júri constituído pelo ator Nicolau Breyner, o realizador Nuno Rocha, o fotógrafo António Homem Cardoso, a designer Margarida Oliveira e Pedro Albuquerque, um nome da web.

 

Com a organização deste 48 Shortmedia, a Escola Profissional Mariana Seixas (EPMS) - uma escola profissional na área da comunicação e do marketing - pretende divulgar a oferta formativa que tem para oferecer, “nomeadamente o curso Multimédia”. Ao mesmo tempo, procura “promover a criação de objetos multimédia de qualidade na região de Viseu”, atraindo à cidade “artistas locais e nacionais”.

 

A EPMS refere a este propósito que “os grupos [participantes] são oriundos de vários pontos do país”, tendo havido “inscrições desde Lisboa até Braga”.

 

São grupos “constituídos por elementos com uma média de idades de 24 anos, em que os mais velhos têm 37 anos e o mais novo, 17 anos. As habilitações dos participantes estão ligadas às indústrias criativas (…) alguns ainda a frequentar o Ensino Superior”, acrescenta a EPMS, que garante o envolvimento de toda a comunidade escolar para que nada falhe este fim de semana.

 

A escola faz ainda questão de sublinhar que não teria sido possível levar a cabo as “48 horas” sem a colaboração da Câmara Municipal de Viseu, da Comissão Vitivinícola do Dão, do IPDJ e de algum do tecido empresarial e comercial da região.

 

Retirado do HardMúsica

publicado por olhar para o mundo às 23:12 | link do post | comentar
Domingo, 02.06.13

Festival de curtas portuguesas esgotou Cinemas Tribeca em Nova Iorque

Os Cinemas Tribeca, em Nova Iorque, esgotaram neste fim-de-semana para assistir à 3.ª edição do New York Portuguese Short Film Festival. Este evento divulga o trabalho de realizadores, actores e produtores portugueses na cidade norte-americana desde 2011.


Nesta edição, foram escolhidos 13 filmes de cerca de 100 candidatos ao festival organizado pelo Arte Institute. A directora da organização, Ana Ventura Miranda, explicou que “a participação foi muito superior à dos anos anteriores, tendo quase duplicado” e que “a qualidade dos filmes se manteve”.

No primeiro dia do festival, que encerrou no sábado, a sala encheu-se com portugueses, brasileiros, espanhóis, norte-americanos e suíços, “muitos deles ligados à indústria, como produtores, actores e distribuidores”, contou Ana Miranda.

A organização convidou para o júri personalidades do meio cinematográfico português, brasileiro e americano, tais como Alejandro Merizalde, do museu MoMA, o argumentista Rui Vilhena, o actor Ricardo Pereira, o blogger Carlos Filipe Freitas, o director de programação do Provincetown International Film Festival, Jared Earley, a fundadora da produtora CAVU, Isil Bagdadi, e o realizador americano Don Cato.

Isil Bagdadi, que também serve como júri no festival Sundance, disse que os critérios de selecção foram “o gosto pessoal, a originalidade e a qualidade da produção”. O que mais a surpreendeu foi “a ambição dos jovens realizadores portugueses”.

“Não conhecia muito cinema português, por isso achei inacreditável a qualidade dos concorrentes. A qualidade técnica, a densidade das histórias, muitas delas podiam ser transformadas em longas-metragens, o que mostra a ambição dos realizadores”, explica Isil Bagdadi.

Ana Ventura Miranda diz que o objectivo é que “o festival seja uma ponte para outros mercados, como o americano” e que a edição deste ano já tem resultados: duas curtas-metragens foram seleccionadas para o Provincetown International Film Festival e para o Queens World Film Festival.

O New York Portuguese Short Film Festival foi o primeiro festival de cinema português nos Estados Unidos e acontece em simultâneo em Portugal, no Brasil e em Inglaterra.

O festival é apoiado pela cidade de Nova Iorque, através do departamento de assuntos culturais.

Fundado a 11 de Abril de 2011, o Arte Institute é uma organização sem fins lucrativos, sediada em Nova Iorque, que dinamiza a produção e difusão de artistas e projectos de arte contemporânea portuguesa.

 

retirado do Público

publicado por olhar para o mundo às 21:58 | link do post | comentar
Sexta-feira, 07.12.12

Kali, o pequeno vampiro, Curta portuguesa nomeada para os “Óscares da animação”

Curta portuguesa nomeada para os “Óscares da animação”

Os Annie serão entregues a 2 de Fevereiro de 2013, em Los Angeles

Kali, o pequeno vampiro é o primeiro filme português nomeado para os Annie DR


Kali, o pequeno vampiro torna-se no primeiro filme português nomeado para os Annie Awards. Os prémios que distinguem todos os anos o melhores filmes de animação indicaram a obra de Regina Pessoa na categoria de melhor curta-metragem. A cerimónia decorre no dia 2 de Fevereiro de 2013, em Los Angeles.

 

Kali, o pequeno vampiro (2012) é o último capítulo de uma trilogia que inclui Noite (1999) e Histórica trágica com final feliz (2005). Com a narração do oscarizado Christopher Plummer (na versão inglesa),  concorre contra mais sete curtas internacionais aos prémios Annie, e alguns deles são filmes de grandes produtoras, como Goodnight Mr. Foot da Sony Pictures ou O Rapaz do Papel da Walt Disney. A história do pequeno vampiro que habita no escuro e deseja ser como as outras crianças teve a co-produção do Canadá, França, Suíça e Portugal através da Ciclope Films.

Desde a sua estreia no IndieLisboa 2012, Kali, o pequeno vampiro foi alvo de distinções internacionais. Venceu prémios em festivais na Sérvia, no Japão (no valor de dez mil euros) e em Chicago, no Festival Internacional de Cinema para Crianças. Está neste momento a rodar por festivais como o ANIMATEKA 2012 (Eslovénia), Clermont Ferrand (França), Olympia International Film Festival for Children and Young People (Grécia) e Festival Luso Brasileiro da Vila da Feira'2012 - Portugal (a decorrer até 8 de Dezembro).

As nomeações para os Annie, anunciadas na terça-feira, são lideradas porBrave – Indomável (Pixar), Força Ralph (Disney) e A Origem dos Guardiões(Dreamworks) com dez nomeações cada.

A cerimónia dos prémios decorre em Los Angeles, no dia 2 de Fevereiro de 2013.

Noticia do Público

publicado por olhar para o mundo às 18:35 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

First Class Radio 

posts recentes

últ. comentários

  • Minha esposa dorme durante a relacao eu viro chego...
  • Minha esposa as vezes dorme , aí eu paro viro de l...
  • hmmm fixe! Será uma daquelas edições para colecion...
  • Interessante
  • gosto do suave tom da sua voz :)
  • Vou procurar para ouvir =)Beijinhos
  • Neste Natal só te desejo duas coisas: TUDO e NADA!...
  • Recomendadíssimo!!Para quem não conhece a sonorida...
  • Great article!

arquivos

tags

favoritos

subscrever feeds



blogs SAPO