Segunda-feira, 20.01.14

As relações ioiô e o Poliamor

Poliamor

 

As relações ioiô

 

Para o psicólogo clínico e sexólogo Quintino Aires, a incapacidade de assumir o compromisso é um reflexo da falta de maturação que se verifica nos jovens adultos atuais. Um estudo recente, citado pelo especialista, revelou que «46% dos portugueses até aos 35 anos, ainda não amadureceu». E é também esta imaturidade, segundo o especialista, a causa principal dos relacionamentos ioiô, que ora terminam, ora recomeçam.

 

 

Ana, de 38 anos, manteve uma relação deste género durante sete anos, que terminou recentemente, mas agora, garante que «é mesmo definitivo». Ao longo dos últimos anos, perdeu a conta ao número de vezes que terminou esta relação. «Sempre foi uma relação muito complicada. Desde o início, que, no máximo, estávamos duas semanas, sem discussões. Depois, surgia sempre um conflito qualquer e decidíamos terminar», recorda.

 

 

O psicólogo Nuno Amado alerta que «nunca é um bom fator de previsão de qualidade de uma relação que as pessoas já se tenham separado e reconciliado várias vezes». Quintino Aires é mais radical e diz que os relacionamentos ioiô são mantidos por pessoas que não gostam verdadeiramente uma da outra.

 

 

«Reconciliam-se porque, quando estão separadas, sentem saudade, desejo e angústia por estarem sós, mas depois voltam a terminar, porque, na verdade, não se amam. Duas pessoas que não olham da mesma forma para o mundo e/ou que não toleram a opinião uma da outra não se amam», sublinha o especialista.

O poliamor

A derrubar totalmente a estrutura tradicional de um relacionamento amoroso aparece o poliamor, um tipo de relacionamento em que cada pessoa tem a liberdade de manter mais do que um relacionamento ao mesmo tempo. Quem é adepto do poliamor defende que «não se trata de infidelidade, nem de promiscuidade, mas sim de uma honestidade total, em que todas as pessoas envolvidas estão a par da situação e se sentem confortáveis com elas».

 

 

Maria e Bernardo, ambos na faixa dos 30 anos, estão casados há um ano e assumem, com naturalidade, que tanto um como outro estão livres para se envolverem com outras pessoas. Já tiveram algumas relações extraconjugais, desde que estão juntos, mas, não passaram de encontros sexuais e, até ao momento, nunca se apaixonaram. No entanto, não excluem essa hipótese.

 

 

Vir a gostar de outra pessoa não implica, para eles, o fim do sentimento que os une. «Acima de tudo, privilegiamos a comunicação. Sempre que aparece uma pessoa nova que nos desperta interesse, consultamo-nos um ao outro para definir a melhor estratégia a adotar», conta Bernardo. E é precisamente essa honestidade que sossega Maria.

 

 

«Um dia pode surgir uma pessoa por quem nos venhamos a interessar amorosamente, mas isso não tem de afetar o que sentimos um pelo outro», diz. Para os psicólogos entrevistados, este formato de relacionamento materializa a incapacidade de criar vínculos emocionais, decorrente da imaturidade psicológica. Na opinião de Quintino Aires, «quem cria um vínculo emocional com uma pessoa rejeita naturalmente o envolvimento com outras pessoas».

 

 

Nuno Amado não acredita na sustentabilidade deste modelo a longo prazo e acha que, mais cedo ou mais tarde, o casal acaba por desistir dele. No entanto, ressalva que, «há exceções», como faz questão de sublinhar.

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 23:30 | link do post | comentar
Sábado, 18.01.14

Emoções - As amizades coloridas

Amizade Colorida

 

As amizades coloridas

 

 

Luísa, com 42 anos, um dos nomes fictícios, criados para garantir o anonimato dos testemunhos, foi apresentada a Miguel, numa saída à noite com amigos. Ficaram amigos, mas com o tempo, perceberam que havia algo mais do que amizade. «Fomos ficando mais íntimos e, assim, as coisas aconteceram», recorda Luísa. E, apesar da distância física (Miguel trabalha noutro país), ainda se encontraram, durante seis meses.

 

«Hoje, mantemos apenas a relação de amizade. Com a idade, tornamo-nos mais exigentes. Acho que não vale a pena investir em relações que estão condenadas a não resultarem. Neste caso, tínhamos a distância que nos separava. E, além disso, neste momento, tenho um estilo de vida que me deixa livre para fazer o que quero e não me agrada a ideia de perder essa liberdade», confessa Luísa, que há um ano terminou um casamento de dez anos.

 

O psicólogo e investigador Nuno Amado confirma que «com o aumento do divórcio e o adiamento do casamento e/ ou da maternidade, existem mais pessoas que não querem precipitar-se em relações sérias». No entanto, alerta para o perigo deste tipo de relacionamentos.

 

«É sempre um terreno escorregadio porque há uma probabilidade forte de haver um desencontro de expectativas. Qualquer tentativa de separação da vida sexual da afetiva pode falhar», alerta o especialista, aconselhando que «a melhor forma de gerir as expectativas é através de uma conversa franca. Quanto mais fica por dizer, mais espaço fica para o desencontro», realça.

 

O sex buddy

 

As amizades coloridas estão na moda. Existe amizade, intimidade e exclui-se o compromisso. Mas há casos em que só há espaço para a intimidade física. Não são amigos, nem consideram ter algum tipo de relacionamento, encontram-se em busca do prazer físico e nada mais. São encontros pontuais que ocorrem cada vez mais.

 

«Porque além de haver mais pessoas fora de uma relação, quer pelo adiamento do casamento e maternidade, quer pelo aumento crescente do número de divórcios, há uma aceitação social de que o ato sexual não tem que acontecer entre membros de um casal», refere o psicólogo Nuno Amado. «São pessoas que não querem ter um relacionamento sério mas que têm desejo», acrescenta o especialista.

 

É o caso de Carolina, de 33 anos, que assume com clara descontração que nunca teve um relacionamento amoroso e ter um companheiro nunca fez parte dos seus ideais de vida. Ao longo destes anos, tem conhecido homens a quem chama de amantes, com quem foi tendo encontros, meramente sexuais. Alguns casos não passam de um encontro de uma noite, outros mantêm-se durante algumas semanas e, raramente, duram mais do que um mês.

 

«Sou uma mulher de paixões, não gosto da monotonia e da rotina das relações de longo prazo e, normalmente, canso-me dos homens, depois de dois ou três encontros. Talvez nunca tenha conhecido alguém que me despertasse sentimentalmente», desabafa.

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 23:14 | link do post | comentar
Sexta-feira, 17.01.14

Emoções - As (novas) relações amorosas

As (novas) relações amorosas

Estaremos mais exigentes e independentes ou, simplesmente, mais imaturos?

Os conceitos mudaram irreversivelmente. Nos relacionamentos modernos, procura-se viver o momento, sem fazer planos para o futuro e o casamento tradicional deixou de ser visto como o caminho certo para a felicidade.

 

O foco na qualidade das relações, o aumento díspar do número de divórcios, o adiamento do casamento e da maternidade marcam os dias que correm. 

 

E, aos olhos da psicologia, a falta de maturação psicológica que caracteriza a nova geração de adultos fizeram surgir, nas duas últimas décadas, novos formatos de relacionamento amoroso. São relações informais, onde não existe compromisso e a felicidade não passa pelo casamento tradicional, nem, em alguns casos, tão pouco, pela partilha do mesmo espaço e das mesmas rotinas. Surgem assim, com mais frequência, as chamadas amizades coloridas, os encontros sexuais esporádicos, mas também, as relações ioiô que vivem no drama constante da separação e da reconciliação.

 

A lista também abrange as relações poliamorosas que consideram ser possível amar várias pessoas ao mesmo tempo e ainda casais com relacionamentos sólidos mas que preferem manter o seu espaço e recusam-se a partilhar a mesma casa. Reunimos alguns casos reais e conversámos com os especialistas que nos ajudaram a descodificar estas novas relações e as suas verdadeiras motivações. Estaremos mais exigentes e independentes ou, simplesmente, mais imaturos?

 

Uma mudança cultural e psicossocial

 

Na última década, o número de divórcios por cada 100 casamentos duplicou, passando de cerca de 15 para mais de 30. «Em 2001, por cada dez casais que deram o nó, houve três que o desfizeram», aponta Sofia Aboim, investigadora, especialista em Sociologia da Família, no seu livro «Conjugalidades em Mudança» (Instituto de Ciências Sociais). A socióloga alerta também para as percentagens de casais a viverem juntos, antes do casamento, que quase duplicou, nestes dez anos.

 

Registos que constatam «o crescimento da informalidade na formação do casal», analisa a investigadora. Os psicólogos reconhecem esta mudança cultural e social e a sua influência na formação destas novas relações mas falam também do retardamento da maturação que faz adiar o compromisso ou, até mesmo, rejeitá-lo. «Hoje, tornamo-nos adultos muito mais tarde em vários aspetos psicológicos e um deles, muito importante, é a capacidade de assumir um compromisso», sublinha Quintino Aires.

 

«Se, há 40 anos, essa capacidade aparecia aos 20/25 anos, hoje vai aparecer aos 40/50 anos», refere o psicólogo clínico e sexólogo, acrescentando que «isso é visível noutras áreas». E exemplifica. «Também assisitimos a uma dificuldade das pessoas se comprometerem com um curso ou uma profissão», refere o especialista.

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 23:12 | link do post | comentar
Domingo, 30.06.13

Estímulos - Ter intimidade emocional é o maior desejo a nível sexual

Ter intimidade emocional é o maior desejo a nível sexual

 

Embora os casais possam discordar em muitos aspetos da sua vida sexual, tais como a frequência ou as fantasias sexuais, um novo estudo revela qual o desejo comum ao ser humano: ter intimidade emocional.

 

Numa pesquisa realizada junto de mil pessoas, pelas empresas Durex e Your Tango, 96 por cento disseram que o melhor sexo que já tiveram foi com pessoas a quem estavam emocionalmente ligadas. E 92 por cento disse ser estimulante ter um parceiro que mostra vulnerabilidade a esse nível.

 

Ou seja, no que toca ao sexo, os cinco sentidos e o cérebro têm um papel muito importante, mas o coração é o protagonista da relação. Porém, a audiência questionada também disse que não pode haver bom sexo sem atração física. Além destes dois pontos – atração física e ligação emocional -, estar bem com a sua sexualidade, complementaridade sexual e sensação de segurança são também itens considerados importantes para uma boa relação sexual.

 

Apesar de a passagem do tempo refrear o ímpeto sexual do casal, 90 por cento dos inquiridos acreditam que o sexo sobrevive à passagem do tempo e pode até melhorar. Como manter então a chama acesa? 

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 23:16 | link do post | comentar
Domingo, 09.06.13

sexo, Sente o seu parceiro com falta de desejo?

Sente-o com falta de desejo?

O que as mulheres podem fazer para ajudar os parceiros a superar o problema

A falta de desejo não é um problema exclusivamente feminino. Descubra o que está (ou poderá vir) a roubar o interesse do seu companheiro e saiba como ajudá-lo a voltar a desejá-la.

 

Os dados de um recente estudo comprovam-no. Mais de 10 por cento dos homens portugueses têm falta de interesse sexual. O mais surpreendente é que são os homens, entre os 30 e os 39 anos, os mais afetados.

 

A culpa, dizem eles, é «do cansaço e do stress profissional». Estas foram as principais razões referidas pelos homens que participaram no estudo, conduzido pela investigadora Ana Alexandra Carvalheira, presidente da sociedade portuguesa de sexologia clínica. Mas não são as únicas... Em alguns casos, é porque andam ansiosos, deprimidos ou aborrecidos, sentem-se inseguros ou há conflitos na relação.

 

O veredicto da ciência


Na opinião dos homens, as principais razões para a diminuição do desejo sexual são o stress e o cansaço. Contudo, durante a investigação, a falta de interesse sexual apareceu associada a outros fatores, como os baixos níveis de confiança na função erétil, os elevados níveis de ansiedade, depressão e aborrecimento sexual e as relações de longa duração.

 

O estudo concluiu também que as dificuldades sexuais que mais afetam os homens são a dificuldade em conseguir ou manter a ereção e a ejaculação rápida. A autora do estudo, Ana Alexandra Carvalheira, afirma que esta é a prova que, «o que influencia o desejo sexual masculino não é assim tão diferente do que influencia o desejo feminino». «Existem algumas diferenças mas o desejo masculino também não é uma equação simples», explica.

 

Desejo masculino versus feminino


Para Ana Alexandra Carvalheira, também sexóloga e terapeuta sexual, «o desejo masculino é mais constante, enquanto que o das mulheres flutua mais ao longo da vida e, por vezes, basta uma palavra mal dita ou um olhar mais agressivo para o seu desejo descer dos 100 para os 10, em apenas três segundos», revela a especialista.

 

Outra conclusão surpreendente do estudo é que a libido dos homens também sofre com problemas de comunicação e conflitos relacionais. Vânia Beliz, psicóloga, especialista em sexologia, refere que «os homens também podem ter menos desejo perante uma relação que não vai de encontro às suas expectativas. «É importante que as mulheres reconheçam que, por vezes, se desleixam e que é fundamental fazerem um esforço para melhorar as suas falhas», alerta.

 

A perda do desejo aos 30


Surpreendentemente, a falta de interesse sexual é maior entre os 30 e os 39 anos. Esta foi outra das revelações do estudo já referido. A rotina das relações e a mudança do papel do casal são, segundo a sexóloga Vânia Beliz, os principais motivos. «A paternidade, por exemplo, influencia muito a relação do casal», adverte a especialista. 

 

«Apesar de um filho ser algo muito especial, a disponibilidade para a intimidade reduz-se e, muitas vezes, não estamos preparados para esta mudança», alerta a especialista. «O afastamento surge, de forma quase inevitável, potenciando a ausência do desejo que, por vezes, nunca mais volta a ser como antes. Muitas situações de infidelidade ocorrem após o nascimento do primeiro filho», acrescenta.

 

Eles também são inseguros


Por detrás da falta de confiança na função erétil, pode estar uma razão tão simples como a memória de uma experiência falhada que gera o medo de falhar novamente. A sexóloga Vânia Beliz explica que «perante uma falha, a ansiedade pode aumentar, bloqueando uma resposta sexual satisfatória. A ansiedade é, aliás, mais do que suficiente para não acontecer. A maioria dos homens não consegue relativizar a situação e concentra todas as preocupações na ausência de ereção o que, por si só, pode ser motivo para intensificar a dificuldade».

 

«Muitas vezes,percebemos que o homem não apresenta dificuldade (acorda com ereção peniana e consegue a ereção com a masturbação) mas quando está com a parceira não é capaz», alerta a sexóloga. Nestes casos, a solução passa por aprender a relaxar e a controlar a ansiedade. «Muitas vezes, nem existe um problema, mas sim uma dificuldade que pode ser apenas pontual», assegura ainda a especialista.

 

As teias da ansiedade e depressão


A ansiedade não controlada pode bloquear o desempenho sexual ou dificultar o desejo. Mas, «num quadro depressivo, a perda do desejo é quase inevitável», constata Vânia Beliz. «Sentimo-nos tristes, sem energia e é, muitas vezes, a medicação que corta consideravelmente o desejo». Se estiver em tratamento, as consequências podem ser várias. «Podem manifestar-se sob a forma de perda do interesse e desejo sexual, dificuldade em conseguir ou manter a ereção e dificuldade em atingir o orgasmo», indica a especialista.

 

A boa notícia é que também é possível contornar as adversidades que surgem durante um quadro depressivo. Bastam as medidas certas! «É importante que o casal não se distancie e que abordem juntos as mudanças e dificuldades. A nós mulheres, cabe-nos, o cuidado de não exercer nenhum tipo de pressão sobre eles e estar a par das alterações que acontecem perante uma patologia depressiva, de forma a compreender a causa das dificuldades sentidas», recomenda a sexóloga.

 

Ele é rápido de mais?


A ansiedade pode ser também o fator responsável por uma ejaculação rápida, uma dificuldade sexual que também afeta o desejo dos homens, de acordo com os dados do estudo já citado. Vânia Beliz alerta que «esta é uma situação que carece de uma avaliação muito precisa, uma vez que o fator tempo é muito relativo. «Por vezes, muita estimulação/excitação pode ser o suficiente para um orgasmo mais rápido», esclarece. Mas, se desconfiar que poderá estar perante uma disfunção, o melhor é seguir a recomendação da sexóloga e consultar um especialista. «Existem uma série de estratégias que o terapeuta sexual pode aconselhar para controlar a ejaculação».

 

Relações de longa data


Estar numa relação de longa duração é outro dos fatores que mais contribui para a perda de desejo masculino. Nas relações de longa data, «não há o fator novidade que torna tudo, aparentemente, mais excitante e, muitas vezes, julgamos que já tudo foi descoberto», alerta a especialista. O segredo para reacender a chama é, segundo a sexóloga, «manter o espírito de descoberta, não parar de surpreender o outro e não transformar o sexo em algo aborrecido».

 

Para os homens que participaram neste estudo, o aborrecimento sexual é um dos principais anuladores do desejo. «É importante perceber que numa relação não existem só dias felizes. Devemos fazer o que está ao nosso alcance para quebrar a rotina e nunca deixar de exprimir o que sentimos», refere ainda a especialista.

 

Dinheiro e sexo


A atual crise económica e financeira também está a contribuir para a crescente ausência de desejo e, principalmente, nos homens. Quem o diz é a sexóloga Vânia Beliz. «A crise é, atualmente, um dos principais fatores de ausência de desejo nos casais, uma vez que causa uma enorme instabilidade. O homem carrega ainda o estereótipo de pai de família e de elemento forte na economia do casal.

 

Perante uma situação de desemprego ou de instabilidade laboral, esse papel é enfraquecido e muitos homens sentem-se sem qualquer valor, incapazes de sustentar a sua família. E esta situação de insatisfação é, muitas vezes, uma machadada na autoestima masculina, deixando-os inseguros e, até, gravemente deprimidos», explica a especialista.


Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 00:09 | link do post | comentar
Quarta-feira, 08.05.13

Depressão e sexo

Depressão e sexo

O impacto da doença na diminuição do desejo e no afastamento do casal

A depressão é uma doença muito mais comum do que à partida se poderia pensar, afetando uma em cada cinco pessoas ao longo da sua vida.

 

Portugal é o país da Europa com maior taxa de doentes com depressão e, apesar de ser um dos países com maior consumo de antidepressivos, aproximadamente um terço das pessoas com perturbações mentais continua sem tratamento.

 

A depressão caracteriza-se por sentimentos de cansaço, falta de esperança, baixa auto-estima, insónia e dor física. As consequências da depressão podem evidenciar-se em vários campos, nomeadamente na vida pessoal, sexual e profissional. A falta de tratamento desta doença pode ter consequências graves e levar em última instância ao suicídio.

 

Relação entre os problemas sexuais e a depressão


Ao afetar vários aspetos da vida quotidiana, a depressão também afeta a vida amorosa e a vida sexual. A sensação de não conseguir levar uma rotina normal, causa muitas vezes o distanciamento entre parceiros, levando a pessoa com depressão a sentir-se pouco desejada ou amada.

 

Estudos demonstram que duas em cada três pessoas afectadas pela depressão perdem o interesse pelo sexo, sendo este um resultado de desequilíbrios químicos no cérebro, que podem ser acompanhados por falta de energia, ganho de peso de perturbações do sono.

 

Por outro lado, a falta de desejo sexual pode ser uma consequência de tratamentos antidepressivos, pelo que é importante avaliar o impacto destes medicamentos na vida sexual de cada paciente, de forma a proceder a alterações na terapêutica, se for caso disso.

 

As principais consequências da depressão na vida sexual incluem

 

Nos homens, a falta de motivação e o cansaço podem ser associados à falta de libido e a problemas de ereção.

 

Nas mulheres, a falta de actividade cerebral tende a ser associada ao baixo interesse pelo sexo e muito frequentemente à dificuldade em atingir o orgasmo

 

O cérebro é um órgão altamente sensível, sendo neste órgão que a estimulação sexual começa. A depressão influencia os neurotransmissores responsáveis pelo desejo sexual, causando desequilíbrios na resposta ao estímulo sexual.

 

Como se podem tratar os problemas sexuais e a depressão?


Tratar a depressão é sempre o primeiro passo, uma vez que à medida que esta condição é curada, o desejo sexual é recuperado. Existem formas de contornar os efeitos secundários dos medicamentos antidepressivos na sua vida sexual, sem comprometer o tratamento. Discutir este assunto com o seu médico é fundamental, uma vida sexual saudável é importante para o bem-estar pessoal e pode ajudar a encarar a depressão de forma mais positiva.

 

A maioria das pessoas com depressão pode notar melhorias quando adopta uma rotina de exercício físico, tal como desporto ou dança, pelo que se a falta de vontade sexual, não lhe permite uma vida sexual normal, comece por outras actividades com o(a) sua/seu parceiro(a), de forma a manter uma relação próxima entre o casal. A depressão ou o seu tratamento podem não ser, no entanto, a única causa dos seus problemas sexuais.

 

Outros problemas de saúde como a diabetes, a esclerose múltipla e a tensão arterial, podem influenciar a sua vida sexual. O tratamento com anti-epiléticos, anti-hipertensores ou antidislipidémicos, também pode causar perturbações, bem como o consumo de álcool, canábis, opiáceos e anfetaminas. Falar abertamente com o(a) seu/sua parceiro(a) e o seu médico sobre os seus problemas sexuais é o principal passo para a sua resolução e para uma vida sexual saudável.

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 23:16 | link do post | comentar
Domingo, 05.05.13

AS 10 PIORES MANIAS MASCULINAS

 

Não se irrite ignore As 10 piores manias masculinas

 

As manias masculinas que mais nos irritam, será que é a natureza? Foto/© Sandra Hoever/Corbis

 

Nós amamos os homens, mas em certas ocasiões e com certas manias, eles nos irritam, sim! E acredite, eles não fazem isso por mal, é da péssima e esquecida natureza deles. Pelo menos, é o que dizem por aí, mas melhor do que se descabelar e passar horas pensando: por que ele é assim? Melhor é ignorar.

 

Pois, como todas nós sabemos, isso não mudará. Afinal de contas você também deve ter as suasmanias, que atire a primeira pedra quem não tem. O que muda de homens para mulheres, é que quando a gente percebe que está fazendo algo errado, tenta mudar, já eles...!

 

Mas enfim, vamos à nossa lista das coisas maisirritantes que os homens fazem segundo nossa redação e aquelas que já compartilhamos com as amigas:

 

1 - Status monossilábico- Depois de falarmos muito, e explicarmos determinado problema do relacionamento, ou algo que queremos, ou estamos simplesmente nos declarando, eles apenas dizem, "sim", ou "não", ou apenas sorriem.

 

2 - Quando pulam as preliminares na hora do sexo, ou fazem rápido demais. Não dá, né?

 

3 - Não entendem que mulher precisa de um tempo para se arrumar: não dá pegar a primeira camiseta amarrotada no armário, ou colocar aquele tênis imundo que ele insiste em adorar.

 

4 - Esquecer que carinho não se faz somente quando ele quer sexo. Um abraço e um beijo demorado são bons de vez em quando, para variar.

 

5 - Uma calma inexplicável diante de nosso pânico quando a gente vê uma barata. Eles dizem: "não entendo porque você tem ficar histérica desse jeito?".

 

6 - Quando ele esquece que saiu da casa da mãe dele e deixa tudo bagunçado, por semanas. E se você não arrumar, vai ficar assim, para sempre.

 

7 - A toalha molhada na cama: um clássico com direito a remake - todo dia.

 

8 - Desleixo com a aparência, isso é duro de engolir. Unhas cortadas, barba cuidada, seja ela grande, rente, ou bundinha de nenê, precisa estar perfumada, e roupas, minimamente combinando. Será que é pedir muito? Parece que sim.

 

9 - Impossível ele dizer que te ama ou algo romântico espontaneamente, mesmo depois de assistirem a um filme romântico, e mesmo que te ame.

10 - Você gastou horas, escolhendo aquela lingerie de matar e na hora H o gato nem sequer olhou tamanha era a vontade de tirar. Pode isso? Um elogio antes e uma olhada de 15 segundos resolveria esse problema.

 

Mesmo assim, gostamos desse espécime e muito, né?

 

Retirado de Vila Mulher

publicado por olhar para o mundo às 00:01 | link do post | comentar
Domingo, 28.04.13

Como explorar os pés durante o sexo

Como explorar os pés durante o sexo

Dicas para potenciar esta parte do corpo

Os podólatras, indivíduos que têm fetiche pelos pés, retiram prazer sexual desta parte do corpo de inúmeras formas. Os pés são encarados como um objeto de satisfação sexual capaz de proporcionar prazer, uma vez que são ricos em terminações nervosas.

 

Aqui vão algumas dicas para potenciar ao máximo esta parte do corpo:

 

1 - Usar óleos de massagens nas trocas de carícias, estimulando sensorialmente a planta ou o peito do pé

 

2 – Beijar e chupar cada um dos dedos do pé

 

3 –Brincar com as temperaturas. Usar gelo ou gelado e causar arrepios nos pés e depois aquecê-los imediatamente com as mãos

 

4 - Fazer cócegas e deslizar os pés sob o corpo do outro

 

5 – Usar o dedo grande para estimular 

 

Há, no entanto, casos mais extremos deste fetiche, em que se aprecia mesmo o odor de pés femininos sem asseio.

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 22:42 | link do post | comentar
Sexta-feira, 26.04.13

Sexo - Reconquiste o prazer em sete dias

Reconquiste o prazer em sete dias

O plano de uma sexóloga que vai (re)aproximar o casal

Lembra-se da última vez que teve uma noite daquelas com o seu companheiro? Se não, siga o plano de sete dias da sexóloga Vânia Beliz e recupere o desejo sexual numa semana. A Saber Viver testou-o e conta-lhe tudo.

 

«Queres matar-me?!», retorquiu. Foi assim, em jeito de brincadeira, que o meu marido reagiu quando lhe disse que íamos entrar no programa de recuperação da vida sexual traçado pela sexóloga Vânia Beliz, autora do livro «Ponto Quê?» (Objectiva).

 

Um plano que promete, numa semana, levar a satisfação do casal aos píncaros. «Mas temos de fazer todos os dias?», questionou de imediato, denunciando algumas reticências. E, desta forma, sem mais nem menos, tínhamos identificado o que nos desviou do caminho da satisfação sexual, tal como é solicitado no primeiro dia do plano.

 

Dia 1: Refletir


«Cansaço», dissemos em uníssono. Afinal, fomos pais há nove meses e ainda não recuperámos das noites em branco. Longe disso. Ainda hoje dormimos de quatro em quatro horas e estamos sem esperança de voltar a dormir, sem interrupções, nos próximos meses. Os mais otimistas dizem que tudo passa depois do primeiro aniversário. Vamos acreditar. Após apontarmos a fadiga como razão principal por trás deste distanciamento, continuo interessada em apurar mais pormenores.

 

Das tardes inteiras de sexo no sofá da sala passámos a dias, até semanas, sem nos tocarmos. Amuados um com o outro, irritados, até. Porquê? Eu, porque passo o dia inteiro entre fraldas e biberões, ele porque chega do trabalho cansado e eu ainda lhe exijo ajuda. Isto a somar àqueles dias em que quero atenção, como mulher, e ele agarra-se ao comando da televisão.

 

Ele, porque quer sair com os amigos e eu não aprovo ou porque, muitas vezes, chega a casa e o seu lado da cama está ocupado pela filha. Nesta noite, prometi fazer um esforço e não deitei a Madalena (nome fictício) na nossa cama, também decidi controlar a minha fúria com as (poucas) saídas dele. Ele fez o seu papel e tratou dos biberões. Dormi como um anjo.

 

Dia 2: Transformar-se


Acordámos animados, como há muito tempo não acontecia. A decisão de recuperar a nossa vida sexual depressa se tornou numa prioridade. Depois de identificar o problema que, no nosso caso, foi muito fácil, cansaço, empenhei-me a cumprir as ordens da sexóloga («transforme-se») e, ao segundo dia, subi à elíptica e pedalei meia hora, no final do dia, ainda marquei uma esfoliação corporal, uma massagem e troquei o verniz das unhas. Senti-me revigorada. Cheia de vontade de recomeçar.

 

Nesse dia, sentei-me no chão do quarto com a gaveta da roupa interior espalhada. Dividi a lingerie e troquei-lhe os lugares. Para a frente passaram as cuecas de renda, com pérolas e transparências, para trás, ficaram as básicas. E, nesse mesmo dia, esperei-o com o babydoll de renda preta, que me tinha oferecido no aniversário e eu nunca tinha usado. Matámos as saudades e começamos a lidar melhor um com o outro. Afinal, já nem me lembrava da nossa última noite de sexo…

 

Dias 3 e 4: Fantasiar e brincar


O terceiro dia sugere-nos fantasiar. Foi, talvez, a parte mais difícil. A falta de tempo e de imaginação atraiçoaram-me. Lembrei-me, contudo, de um livro, da Natália Correia, que me ofereceram no meu 30.º aniversário, «Poesia Portuguesa Erótica e Satírica» (Antígona). Arrumei-o na mesa de cabeceira, em cima do «O Grande Livro do Bebé» (A Esfera dos Livros) e, depois da casa estar em silêncio, li alguns poemas para ele. Ficámos mais próximos. Ainda nos rimos e viajámos com as rimas.

 

Ao fim do terceiro dia, começámos a falar de sexo como nos velhos tempos. Renasceu a vontade de estarmos a sós e a nossa relação mostrou-se mais sólida. Até parece que a Madalena. Percebeu e começou a dar-nos mais descanso. Contudo, ao fim do terceiro dia, confesso que ainda hesitava entre uma noite de sono e uma noite de sexo. Mesmo assim, no dia 4, fui à sex shop comprar as bolas chinesas, mais conhecidas como as bolinhas do amor.

 

Há muito tempo que falava em experimentar, mas surgiam outras prioridades. Fiquei excitada com a ideia de fazer algo novo. Mais picante. Enviei-lhe uma fotografia minha, em lingerie, com uma mensagem provocadora. Eu sabia que era um dia de stress para ele e foi uma excelente maneira dele descontrair antes de chegar a casa.

 

E assim foi, chegou mais cedo do que o habitual e a reivindicar a minha promessa. Mas a nossa filha não nos deu hipótese. Foi uma daquelas noites malvadas, a chorar de hora em hora e quando conseguimos ficar sozinhos só pensámos em dormir. Esquecemos o plano, as bolinhas do amor, o sexo e a lingerie. Dormir foi mesmo a palavra de ordem.

 

Dias 5 e 6: Namorar e surpeender


No dia seguinte, antes dele ir trabalhar, já com o sono recuperado, sugeri sairmos só os dois, nessa noite. Combinei com a minha mãe ficar com a Madalena e fui buscá-lo ao trabalho. Calcei os meus botins pretos de salto alto, vesti a minha minissaia de lantejoulas e apareci pontualmente ao pé dele. Jantámos num dos nossos restaurantes preferidos e fomos dançar. Há muito tempo que não dançávamos e soube tão bem, apesar do cansaço nos ter obrigado a ir para casa mais cedo do que pensávamos.

 

O cansaço impera, é um facto, e continua a trair-nos, apesar de começarem a surgir sinais de mudança na nossa relação. Voltámos a dizer «amo-te» e a ser mais cúmplices, nem que seja pelo facto de querermos passar mais momentos juntos, ainda que, por algum motivo (o cansaço ou o choro da Madalena) não consigamos. Lidamos melhor com o facto de termos menos sexo. Mais do que fazermos amor como fazíamos antes, senti que o diálogo nos aproximou.

 

Pelo menos, para já, acho que nos aproximámos por termos assumido a existência de um problema e, posteriormente, por o termos reconhecido. Mesmo assim, o plano dos sete dias continuou. Com alguns altos e baixos, é verdade, devido à rotina. O cansaço, afinal, não desaparece em sete dias. Na véspera de terminar o programa, escrevi, de manhã, num post it «Vamos fazer o que ainda não foi feito?» e colei-o no espelho da casa de banho.

 

Se me apetecia? Não, mas achei importante. Nessa noite, não nos abraçámos e estávamos de rastos. A noitada acabou por nos alterar a vida e, se por um lado, soube muito bem, por outro, complicou-nos os horários.

 

Dia 7: Entregar-se


Comecei a sentir falta da minha filha, alguns remorsos por, nesta semana, ter passado menos tempo com ela. Deixei-a mais vezes com a avó do que é habitual e insisti para que dormisse no seu quarto sozinha, mesmo quando chorava. Mesmo assim, quis terminar o programa da sexóloga sem falhas e, ao fim dos sete dias, entreguei-me, tal como sugere Vânia Beliz. Mudei, um bocadinho, os horários das refeições da Madalena, de forma a que ela fizesse o sono maior à hora a que ele chega a casa.

 

Correu bem. Enchi a banheira de espuma e esperei-o. Uma boa estratégia para ressuscitar algum desejo adormecido, pois percebi que consigo relaxar antes do sexo e recarregar baterias para entregar-me de corpo e alma. A nossa filha colaborou e, desta vez, dormiu de seguida. Concluí que quando não se tem a mesma disponibilidade para o sexo, com dedicação e empenho a vontade surge naturalmente. E dialogar é, sem dúvida, um grande truque para recuperar o desejo, pois logo após cumprir o ponto um, o problema pareceu menor.

 

Unimo-nos e lidámos melhor com a questão, mesmo sem ter sexo. Só o desejo bastou para nos relacionarmos melhor. Afinal, queremos muito estar um com o outro, o que é bem diferente de acharmos que o outro não nos deseja. Lida-se, assim, melhor um com o outro e com os obstáculos com que nos deparamos no dia a dia.

 

A sexóloga Vânia Beliz concorda que o ponto de partida para recuperar o desejo é mesmo o diálogo. «Muitas vezes não nos apercebemos o que falta ao outro, por isso, é muito importante sair sem filhos, só os dois», para conversar e perguntar-se «Onde está o nós?», sugere a especialista. Simples mas eficaz, eu garanto!

publicado por olhar para o mundo às 23:50 | link do post | comentar
Quarta-feira, 17.04.13

Comprovado cientificamente: Afinal para elas o tamanho importa

A eterna questão sobre a importância do tamanho do pénis para as mulheres foi avaliada por uma equipa internacional de cientistas, que concluiu que os homens bem dotados são considerados mais atraentes.

O estudo revelou ainda que as mulheres pré-históricas, que conseguiam ver os órgãos sexuais dos seus companheiros que vestiam pouca roupa, podem ter ajudado a influenciar a evolução de genitais maiores nos seres humanos, ao escolher ter relações com parceiros com pénis grandes.

 

Os cientistas envolvidos na investigação explicaram que decidiram estudar o assunto porque os relatórios anteriores tinham apresentado dados pouco corretos, que podiam ter ficado comprometidos. Isto porque as mulheres foram confrontadas com perguntas muito diretas sobre as suas preferências.

 

"Dado que o tamanho do pénis é um tema delicado, é difícil determinar se as mulheres mentiram ou se se 'auto-enganaram' nas suas respostas", explicou por e-mail à AFP o principal autor do estudo, Brian Mautz, cientista de pós-doutorado em evolução e seleção sexual da Universidade de Ottawa, no Canadá.

 

Assim, os cientistas lançaram-se num novo tipo de estudo, recorrendo ao uso de imagens digitais de silhuetas genéricas masculinas com diferentes pesos, formatos corporais e comprimentos de pénis em repouso.

 

Foi pedido a uma amostra de 105 mulheres australianas que observassem 53 dessas imagens em tamanho real, semelhantes às de robôs, e que podiam girar para que pudessem ser vistas em diferentes ângulos.

 

As mulheres, todas heterossexuais, não sabiam que estavam a participar num estudo sobre o tamanho do pénis e seu poder de atração. Simplesmente tinham de dar notas às imagens masculinas que considerassem mais atraentes sexualmente. As respostas foram recolhidas anonimamente.

 

Os cientistas descobriram, então, que as mulheres consideraram mais atraentes os homens com pénis maiores. Demonstraram também ter uma tendência de olhar com mais atenção para os homens mais bem-dotados. Mas não por muito tempo, já que cada avaliação foi feita em cerca de três segundos. No entanto, os cientistas não conseguiram explicar qual o tamanho ideal que um pénis deve ter para ser considerado mais atraente.

 

"Nós não encontrámos um tamanho ou calibre ideal (isto é, 'mais atraente') para o pénis", explicou Mautz. Contudo, "as notas de atratividade foram crescentes em relação aos valores mais altos destes traços", emendou.

 

O estudo foi publicado esta segunda-feira na revista científica Atas da Academia Americana de Ciências (Proceedings of the National Academy of Sciences, PNAS).

 

Os resultados "contradizem diretamente as alegações de que o tamanho do pénis não é importante para a maioria das mulheres" e também sugerem uma explicação para o facto de os machos humanos terem uma genitália relativamente maior em comparação com a de outros primatas, destacou o estudo.

 

"Os nossos resultados demonstram que a escolha feminina de um parceiro pode ter desempenhado um papel na evolução de um pénis relativamente maior entre os humanos", concluíram os autores do estudo. "Antes do uso de roupas, o pénis humano não-retráctil teria sido um indicador de atração para possíveis parceiros", acrescentaram.

 

Os cientistas não avaliaram questões de ascendência racial e se isto afetaria o tamanho do pénis, mas documentaram a origem étnica e a idade das mulheres que acompanharam durante este estudo.

 

Mais de 70% das mulheres que participaram na investigação eram de origem europeia, 20% asiática e 7% tinham origens diversas. A média de idades rondou os 26 anos.

 

Retirado do Sapo Mulher

publicado por olhar para o mundo às 22:44 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

First Class Radio 

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

favoritos

subscrever feeds



blogs SAPO