Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

21
Out12

Orquestra Geração: Música para mudar miúdos

olhar para o mundo
Orquestra Geração: Música para mudar miúdos

 

Inspirada no El Sistema, a Orquestra Geração portuguesa, idealizada por Wagner Diniz, um director do Conservatório Nacional, ensina música a sério a mil alunos de escolas pobres do país. E muda-lhes os horizontes.

 

A Orquestra Geração nasceu em 2007, com o objectivo de levar música clássica a jovens de classes sociais desfavorecidas. O programa inspirou-se no modelo venezuelano El Sistema e hoje já tem cerca de mil alunos em Portugal. O documentário homónimo, de Filipa Reis e João Miller Guerra, estreou no Cinema City Classic Alvalade e mostra como tudo funciona.

 

A primeira nota a reter sobre a Orquestra Geração é simples, mas não necessariamente imediata. Por isso, sempre que fala sobre o projecto que coordena, o professor Wagner Diniz está treinado para sublinhar várias vezes que o objectivo da Orquestra Geração «não é criar músicos, mas sim, através da música, tentar reconstruir um tecido social que está um pouco estragado».

 

A explicação carece de ser lembrada tantas vezes por causa do modelo que inspirou a iniciativa nacional. Criado na Venezuela em 1975, o El Sistema é um programa de educação musical infanto-juvenil, vocacionado para as classes sociais mais baixas, e que já formou milhares de instrumentistas ao logo dos anos. Entre eles, figura o conhecido maestro Gustavo Dudamel, actualmente director artístico da Orquestra Sinfónica de Los Angeles e da Orquestra Simón Bolivar da Venezuela e que, em 2009, foi considerado pela revista Time uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.

 

Foi com este fortíssimo cartão-de-visita internacional que a Orquestra Geração arrancou em Portugal, há cinco anos, mas ele também cria alguns equívocos sobre a missão do projecto. «Claro que, em cerca de mil alunos [o número actual de estudantes do programa nacional], há uns quantos que estão em escolas profissionais e que encontraram na música um objectivo. Mas nós somos um projecto de intervenção social. Para nós não é só importante conquistar os miúdos. Queremos conquistar a comunidade e os pais», comenta Wagner.

 

A primeira vez que ouviu falar do El Sistema, Wagner Diniz estudava na Suíça. Como tinha vários colegas naturais da Venezuela, um dia foi convidado para assistir a um concerto de uma das orquestras venezuelanas (criadas pelo El Sistema) e guardou aquele momento especial na cabeça. Anos mais tarde, em conversa com o amigo Jorge Miranda – que na altura dirigia o departamento de Educação da Câmara da Amadora e procurava um programa de acção social adequado às escolas locais –, Wagner Diniz recuperou a experiência que viveu na Suíça.

 

Em 2007, na condição, na altura, de presidente do conselho executivo do Conservatório Nacional de Música, montou o projecto em parceria com a autarquia da Amadora e com o apoio do Ministério da Educação e da Fundação Gulbenkian. A primeira escola a formar a Orquestra Geração foi a Miguel Torga da Amadora, onde começaram com 15 alunos. «E terminámos o ano lectivo com 115 crianças», recorda o professor de música. Em 2008, o projecto cresceu, com mais duas escolas (uma em Vialonga e mais outra na Amadora) a aderirem ao programa, e assim continuou gradualmente até 2012. «Actualmente somos 12 escolas na Área Metropolitana de Lisboa, mais uma em Coimbra e três em Trás-os-Montes», menciona.

 

Sete horas de música semanais


Pertencer à Orquestra Geração obriga a que, todas as semanas, os alunos tenham que estudar sete horas de música extra-curriculares, divididas entre cinco horas de trabalho conjunto, uma de técnica e outra de coro e formação musical. «Quando eles começam, a nossa preocupação inicial é colocarmos, primeiro, as crianças em comunicação umas com as outras. Elas precisam de se habituar a estarem juntas. Depois, como têm de estar muito atentas àquilo que estão a tocar, começam a desenvolver a capacidade de concentração», diz o coordenador do projecto (que funciona associado ao Conservatório Nacional), frisando que é aqui que se notam as grandes mudanças.

 

«O absentismo reduziu imenso e já há inclusive uma escola, na Amadora, em que os miúdos que fazem parte da Orquestra Geração tiveram quase todos nível 5. Isto é incrível, principalmente quando pensamos que, na sua grande maioria, estes miúdos vêm de famílias monoparentais, com situações financeiras e sociais muito complicadas», salienta, referindo como o caso mais extremo a que assistiu o de um adolescente «que dormia com uma faca na cama porque tinha medo que o irmão o matasse durante a noite».

 

Sodade, de Cesária Évora


Com 37 anos de experiência na Venezuela, Wagner Diniz acredita que este modelo de ensino atrai os alunos porque, primeiro, eles têm logo um instrumento disponível para aprenderem a tocar e, segundo, o repertório é bastante popular e adaptado às realidades locais de cada escola. «Os miúdos gostam de ouvir bom ritmo e boa melodia e as primeiras canções que aprendem aqui são arranjos de cordas simples, onde ainda nem precisam de usar os dedos. A pouco e pouco vão começando a tocar obras mais complexas, mas que também reflectem a diversidade cultural do bairro onde vivem», esclarece, referindo que há escolas onde 80% dos alunos são cabo-verdianos. «Introduzimos mornas e coladeras no repertório. A primeira vez que tocámos o ‘Sodade’, da Cesária Évora, no São Luiz, aquilo parecia um concerto de rock and roll, com os pais histéricos e a dançar», recorda.

 

Plano Nacional de Orquestras


É esta aceitação da comunidade que possibilita que o professor Wagner continue a projectar o futuro. Entre os vários sonhos que quer concretizar, há dois que se atreve a dizer em voz alta. O primeiro é a criação, à semelhança do Plano Nacional de Leitura, de um programa nacional de orquestras escolares. E o segundo é igualmente ambicioso.

 

«Gostava de arrancar já este ano com a Orquestra Geraçãozinha, para crianças a partir dos 4 anos, especialmente por causa da comunidade cigana. Já percebemos que se for mais tarde já é muito difícil porque eles ganham vícios muito cedo. Já temos o sítio onde intervir e já temos uma canção, a ‘Ritmos Ciganos’, que é precisamente uma canção popular cigana».

 

Noticia do Sol

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub