Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

21
Out12

Orquestra Geração: Música para mudar miúdos

olhar para o mundo
Orquestra Geração: Música para mudar miúdos

 

Inspirada no El Sistema, a Orquestra Geração portuguesa, idealizada por Wagner Diniz, um director do Conservatório Nacional, ensina música a sério a mil alunos de escolas pobres do país. E muda-lhes os horizontes.

 

A Orquestra Geração nasceu em 2007, com o objectivo de levar música clássica a jovens de classes sociais desfavorecidas. O programa inspirou-se no modelo venezuelano El Sistema e hoje já tem cerca de mil alunos em Portugal. O documentário homónimo, de Filipa Reis e João Miller Guerra, estreou no Cinema City Classic Alvalade e mostra como tudo funciona.

 

A primeira nota a reter sobre a Orquestra Geração é simples, mas não necessariamente imediata. Por isso, sempre que fala sobre o projecto que coordena, o professor Wagner Diniz está treinado para sublinhar várias vezes que o objectivo da Orquestra Geração «não é criar músicos, mas sim, através da música, tentar reconstruir um tecido social que está um pouco estragado».

 

A explicação carece de ser lembrada tantas vezes por causa do modelo que inspirou a iniciativa nacional. Criado na Venezuela em 1975, o El Sistema é um programa de educação musical infanto-juvenil, vocacionado para as classes sociais mais baixas, e que já formou milhares de instrumentistas ao logo dos anos. Entre eles, figura o conhecido maestro Gustavo Dudamel, actualmente director artístico da Orquestra Sinfónica de Los Angeles e da Orquestra Simón Bolivar da Venezuela e que, em 2009, foi considerado pela revista Time uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.

 

Foi com este fortíssimo cartão-de-visita internacional que a Orquestra Geração arrancou em Portugal, há cinco anos, mas ele também cria alguns equívocos sobre a missão do projecto. «Claro que, em cerca de mil alunos [o número actual de estudantes do programa nacional], há uns quantos que estão em escolas profissionais e que encontraram na música um objectivo. Mas nós somos um projecto de intervenção social. Para nós não é só importante conquistar os miúdos. Queremos conquistar a comunidade e os pais», comenta Wagner.

 

A primeira vez que ouviu falar do El Sistema, Wagner Diniz estudava na Suíça. Como tinha vários colegas naturais da Venezuela, um dia foi convidado para assistir a um concerto de uma das orquestras venezuelanas (criadas pelo El Sistema) e guardou aquele momento especial na cabeça. Anos mais tarde, em conversa com o amigo Jorge Miranda – que na altura dirigia o departamento de Educação da Câmara da Amadora e procurava um programa de acção social adequado às escolas locais –, Wagner Diniz recuperou a experiência que viveu na Suíça.

 

Em 2007, na condição, na altura, de presidente do conselho executivo do Conservatório Nacional de Música, montou o projecto em parceria com a autarquia da Amadora e com o apoio do Ministério da Educação e da Fundação Gulbenkian. A primeira escola a formar a Orquestra Geração foi a Miguel Torga da Amadora, onde começaram com 15 alunos. «E terminámos o ano lectivo com 115 crianças», recorda o professor de música. Em 2008, o projecto cresceu, com mais duas escolas (uma em Vialonga e mais outra na Amadora) a aderirem ao programa, e assim continuou gradualmente até 2012. «Actualmente somos 12 escolas na Área Metropolitana de Lisboa, mais uma em Coimbra e três em Trás-os-Montes», menciona.

 

Sete horas de música semanais


Pertencer à Orquestra Geração obriga a que, todas as semanas, os alunos tenham que estudar sete horas de música extra-curriculares, divididas entre cinco horas de trabalho conjunto, uma de técnica e outra de coro e formação musical. «Quando eles começam, a nossa preocupação inicial é colocarmos, primeiro, as crianças em comunicação umas com as outras. Elas precisam de se habituar a estarem juntas. Depois, como têm de estar muito atentas àquilo que estão a tocar, começam a desenvolver a capacidade de concentração», diz o coordenador do projecto (que funciona associado ao Conservatório Nacional), frisando que é aqui que se notam as grandes mudanças.

 

«O absentismo reduziu imenso e já há inclusive uma escola, na Amadora, em que os miúdos que fazem parte da Orquestra Geração tiveram quase todos nível 5. Isto é incrível, principalmente quando pensamos que, na sua grande maioria, estes miúdos vêm de famílias monoparentais, com situações financeiras e sociais muito complicadas», salienta, referindo como o caso mais extremo a que assistiu o de um adolescente «que dormia com uma faca na cama porque tinha medo que o irmão o matasse durante a noite».

 

Sodade, de Cesária Évora


Com 37 anos de experiência na Venezuela, Wagner Diniz acredita que este modelo de ensino atrai os alunos porque, primeiro, eles têm logo um instrumento disponível para aprenderem a tocar e, segundo, o repertório é bastante popular e adaptado às realidades locais de cada escola. «Os miúdos gostam de ouvir bom ritmo e boa melodia e as primeiras canções que aprendem aqui são arranjos de cordas simples, onde ainda nem precisam de usar os dedos. A pouco e pouco vão começando a tocar obras mais complexas, mas que também reflectem a diversidade cultural do bairro onde vivem», esclarece, referindo que há escolas onde 80% dos alunos são cabo-verdianos. «Introduzimos mornas e coladeras no repertório. A primeira vez que tocámos o ‘Sodade’, da Cesária Évora, no São Luiz, aquilo parecia um concerto de rock and roll, com os pais histéricos e a dançar», recorda.

 

Plano Nacional de Orquestras


É esta aceitação da comunidade que possibilita que o professor Wagner continue a projectar o futuro. Entre os vários sonhos que quer concretizar, há dois que se atreve a dizer em voz alta. O primeiro é a criação, à semelhança do Plano Nacional de Leitura, de um programa nacional de orquestras escolares. E o segundo é igualmente ambicioso.

 

«Gostava de arrancar já este ano com a Orquestra Geraçãozinha, para crianças a partir dos 4 anos, especialmente por causa da comunidade cigana. Já percebemos que se for mais tarde já é muito difícil porque eles ganham vícios muito cedo. Já temos o sítio onde intervir e já temos uma canção, a ‘Ritmos Ciganos’, que é precisamente uma canção popular cigana».

 

Noticia do Sol

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub