Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Jul12

O FUTEBOL «MORREU» FAZ AMANHÃ TRINTA ANOS

olhar para o mundo

«Acabou o futebol». A frase foi guardada e repetida por Valdir Moraes, adjunto de Telê Santana, o «arquiteto» da fabulosa seleção do Brasil de Zico, Falcão e Sócrates, no momento em que esta caía aos pés do futebol defensivo da «Squadra azzurra» e da frieza dos golos de Paolo Rossi, em pleno Estádio Sarriá, em Barcelona. 


A data de 5 de julho de 1982 marca o início de uma nova era. Até então, o «escrete» encantava, com uma defesa permeável, mas com um ataque que demolia os adversários com toques de fantasia. As vitórias sucessivas sobre a União Soviética (2-1), Escócia (4-1), Nova Zelândia (4-0) e, particularmente, sobre a Argentina (3-1), deram corpo à lenda do «futebol-arte», com um total de treze golos, cada um mais bonito do que o outro.

O Brasil chegava ao jogo com a Itália como grande favorito, mas, a 5 de julho, uma segunda-feira, «fatídica» para a história, acabou desarmado pelo pragmatismo da equipa de Enzo Bearzot. Bastava um empate para a equipa de Telê Santana chegar às meias-finais, mas foi a Itália que marcou primeiro, com uma cabeçada de Rossi, um nome que os brasileiros não vão esquecer. 

Com a derrota do Brasil diante da Itália no Mundial-82 (2-3)Sócrates, um tributo à arte do futebol

Zico e Sócrates construíram o empate, com conclusão do doutor, mas a Itália chegaria ao intervalo em vantagem, com Rossi, outra vez ele, a aproveitar uma falha de Toninho Cerezo. O empate só chegou a vinte minutos do final, com uma «bomba» de Falcão. O 2-2 chegava, mas não durou mais de cinco minutos, o tempo que Rossi, na sequência de um canto, demorou para chegar ao seu terceiro golo. Foi nesse momento que Valdir Moraes ouviu a simbólica frase: «Olhávamos perplexos para o campo e os espanhóis ao meu lado não acreditavam naquilo. Eles comentavam entre si: "Acabou o futebol"». 

Sócrates, uma das grandes figuras desta equipa, faleceu a 4 de dezembro de 2011, vítima de um choque-séptico. No decorrer do Mundial-82, o «doutor» escrevia um «diário da Copa» que era publicado na revista «Placar». Fica aqui a última, que dá conta da frustração da derrota diante da Itália: «Estou profundamente triste, sem forças para explicar nada, para escrever... Agora, nesta última página do meu diário da Copa, deixo apenas dois momentos que vivo: a frustração intensa, talvez a maior da minha vida, por não conquistar o título que eu, no íntimo, alimentava tanto. E também a frustração de não ter mais uma semana de trabalho neste diário, que eu queria que terminasse com a seguinte frase: "Obrigado, torcida. Somos campeões"». 

Veja o resumo de um dos jogos mais comentados da história do futebol: 
 

 

Retirado do Push

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub