Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

20
Dez12

Como se fala do Natal às crianças ateias e de outras religiões?

olhar para o mundo
Como se fala do Natal às crianças ateias e de outras religiões?
Reuters/ Ali-Jareki

O Natal está em todo o lado. Como se fala do Natal às crianças ateias ou que não são cristãs?

 

À entrada da escola está uma árvore de Natal bem decorada e, por baixo, o presépio. Na sala, a educadora promove uma troca de prendas entre as crianças. Na rua, as decorações lembram um menino que nasceu numa manjedoura há dois mil anos, rodeado de anjos, pastores, reis magos e há um velho com barbas que distribui prendas aos meninos que se portam bem. Esse é o mesmo personagem que aparece na televisão, em inúmeros anúncios e filmes.

“As crianças são crianças”, começa por dizer o espanhol Clemente Gª Novella, autor do livro Onde está Deus, papá? As respostas de um pai ateu, editado pela Verso de Kapa. “As crianças não são coisa nenhuma até que, passados alguns anos, graças à doutrinação, se convertem em homens ou mulheres católicos, muçulmanos ou hindus”, continua. 

Reformule-se a pergunta: Como se fala do Natal às crianças que vivem em famílias ateias ou de outras religiões que não as cristãs?
 
“Quando as crianças são muito pequenas não se dizem grandes coisas”, responde Esther Mucznik, da Comunidade Israelita de Lisboa. Mas não é fácil, afinal elas vêem os amigos entusiasmados a falar do Natal, das prendas… “Qual é a criança que não gostaria de receber brinquedos?”, pergunta o sheikDavid Munir, da Comunidade Islâmica de Lisboa. 
 
Por isso, à medida que as crianças vão crescendo, vão compreendendo que aquela festa, o Natal, é a festa que os amigos celebram e que eles têm outras como o Hanukkah, a festa das luzes judaica; uma festividade móvel que se festeja em Dezembro e onde as crianças também recebem pequenas prendas. Ou a Eid, a festa que assinala o final do jejum do Ramadão muçulmano.
 
E o menino Jesus, o que se diz sobre ele? “Explicamos quem é Jesus para os muçulmanos, mas para a maioria, o Natal não é o nascimento de Jesus mas é sinónimo de prendas”, responde o sheik Munir. “Dizemos que é uma pessoa com uma mensagem justa em muitos aspectos, mas que não acreditamos que seja filho de Deus”, acrescenta Esther Mucznik.
 
E as ateias? Clemente Gª Novella responde ao PÚBLICO com a sua experiência pessoal: “A 25 de Dezembro, o Pai Natal vai a minha casa. Há já algum tempo que os meus filhos sabem que o Pai Natal não existe, mas os presentes continuam a estar debaixo da árvore. Eles sabem que eu e a minha mulher os compramos, mas gostam de os encontrar ao pé da árvore.”
 
Entre os que não acreditam, há os que acham que as festas religiosas devem ser banidas da esfera pública e os que vivem estas festividades como um momento social para estar com a família e os amigos, define Helena Vilaça, socióloga das religiões. “As pessoas que não têm religião e que valorizam o Natal, absorveram os valores cristãos de estar com a família, mas deixaram de lhe dar essa conotação religiosa”, acrescenta.
 
“Não acredito que todas as pessoas que celebram o Natal crêem que, um dia, há dois mil anos, um ser imaterial que vive no céu (em que sítio exactamente?), desceu à terra em forma de pomba para fecundar uma mulher (virgem, mas que estava casada com outro, José), e que, nove meses depois nasceria um homem-deus que, 33 anos depois, subiria ao céu (e de novo, para que sítio do céu?)”, descreve Clemente Gª Novella. E, ainda assim, celebram o Natal. “Pois, nós também! Não aproveitaríamos esta ocasião para nos encontrarmos com tios, primos e sobrinhos uma vez por ano, só porque não acreditamos na mitologia que está por detrás do Natal?”
 
Mas nem todos o fazem, mesmo entre os que acreditam que Jesus é o Salvador. Por exemplo, as testemunhas de Jeová não festejam porque consideram que é uma festa pagã e que não há dados para precisar a data de nascimento de Jesus para dia 25 de Dezembro. Por isso, proibem os filhos de participar nos festejos, mesmo na escola.
 
Judeus e muçulmanos não celebram nem trocam prendas, mas também aproveitam para estar com a família e com os amigos, mesmo com os que acreditam que há dois mil anos nasceu um menino que era Deus. “Não podemos viver como se nada estivesse a acontecer à nossa volta”, conclui Esther Mucznik.
Noticia do Público

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub