Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

12
Jan16

JACK GARRATT Vence o BBC Sound of 2016 e lança novo single

olhar para o mundo

jack garret.jpg

 


JACK GARRATT

Vence o BBC Sound of 2016 e lança novo single



Álbum de estreia do músico, "Phase", já está em pré-venda

Jack Garratt é indiscutivelmente um dos artistas revelação da eletrónica britânica. Depois de ter sido nomeado um dos Brit Critics' Choice de 2016, agora o músico venceu o BBC Sound of 2016, distinção da reputada BBC que destaca o artista mais promissor de cada ano. Simultaneamente, Jack Garratt revelou também os primeiros pormenores do seu novo single, "Worry", cartão-de-visita do seu álbum de estreia, "Phase", a ser editado a 19 de fevereiro. 
 
A crítica especializada já se rendeu ao carácter inovador de música de Garratt, que cruza produções eletrónicas com uma sensibilidade pop e alguns toques de folk, numa amálgama de sonoridades criadas somente por este jovem de 24 anos.
 
"Uma nova direção na música pop", escreve o The Telegraph. "Um assalto sónico de batidas estrondosas, graves profundos e uma guitarra estridente", salientou o The Sunday Times. Já a revista Q elegeu-o como uma "sensação electro-folk". O Evening Standard destaca: "Beats electro glaciais e melodias brilhantes. [Jack Garratt] criou o seu próprio mundo, corajoso, inovador e sempre em expansão".
 
"Worry" é a canção com a qual Jack Garratt começou a sua viagem incrível, há 18 meses. O tema era um dos destaques incontestáveis do seu primeiro EP, lançado por si próprio em 2014, e desde então tem sido impressionante ver este jovem artista e produtor britânico ao vivo.
 
O lançamento de "Worry" coincide com a notícia do músico ter sido o vencedor do BBC Sound of 2016, poucas semanas depois de ter sido nomeado um dos Brits Critics' Choice para 2016 e de ter recebido o BBC Introducing Award, nos BBC Awards.
 
O crescente sucesso que Jack Garratt tem tido no Reino Unido também se replicou um pouco por todo o mundo. Além de ter andado em digressão nos Estados Unidos e Reino Unido como artista de primeira parte dos Mumford & Sons, o músico esgotou ainda muitas datas a solo, tanto no seu país natal, como pela Europa e EUA.
 
Em palco Jack Garratt monta um espetáculo impressionante, tocando sozinho todos os instrumentos a que recorreu no álbum "Phase", o que se concretiza numa performance multifacetada e de cortar a respiração, o que naturalmente o tem conduzido aos grandes palcos, aos quais está destinado. 
 
Pouco depois de lançar "Phase", a 19 de fevereiro, Garratt iniciará uma digressão de 11 datas em nome próprio pelo Reino Unido e Irlanda. A digressão arranca em Dublin, no The Academy, e chegará ao fim com um concerto já esgotado na O2 Academy Brixton, em Londres, a 15 de abril. 
 
 
12
Jan16

ACERT - SE ALGUMA VEZ PRECISARES DA MINHA VIDA, VEM E TOMA-A.

olhar para o mundo

acert.jpg

 

SE ALGUMA VEZ PRECISARES DA MINHA VIDA, VEM E TOMA-A.
Victor Hugo Pontes - a partir de A Gaivota, de Anton Tchékhov
Residência ArtísticaClassificação: M/16

Ensaio aberto de espetáculo de dança criado em residência no Novo Ciclo ACERT antecipa um espetáculo onde o trivial torna‑se trágico, a vida comum torna-se criação


A Gaivota, de Anton Tchékhov, é o ponto de partida para a nova criação de dança de Victor Hugo Pontes. Não se trata de transpor o enredo para o movimento, nem sequer de posicionar as personagens numa linguagem artística distinta do teatro. A dança clássica serve-se de um libreto e este espetáculo de dança serve-se de uma peça. A estrutura dramatúrgica sustenta o movimento, mas a narrativa perderá linearidade, de modo a que o espectador veja aqui aquilo que quer ver num Tchékhov dançado. Depois de traçada a narrativa e de encontrados os agentes da ação (personagens, ligações, conflito, clímax, desenlace, etc.), a ideia é despojar a trama, de modo que se torne dançável e, em simultâneo, reconhecível, chegando-se a uma composição coreográfica que sobreviveu a hipotéticas linhas divergentes entre o teatro e a dança, ou entre texto e movimento sem palavras.

 

Um texto como ponto de partida é o desafio a que o coreógrafo se propõe. O texto de A Gaivota é, também ele, uma espécie de sucessivas tentativas de criação e de existência. De resto, a reflexão sobre o ato criativo é um dos pontos mais fortes desta peça de Tchékhov, e um dos que mais interessa a Victor Hugo Pontes.

Entrada Gratuita.

 

Residência no Novo Ciclo
de 18 a 19 jan'16
 
Auditório 1 - Ensaio Aberto
Sex, 29 jan'16 às 21:45


Ficha Técnica

Direção e Coreografia: Victor Hugo Pontes
Cenografia: F. Ribeiro
Desenho de Luz e Direção Técnica: Wilma Moutinho
Música Original: Rui Lima e Sérgio Martins
Apoio Dramatúrgico: Madalena Alfaia
Assistente de Coreografia: Marco da Silva Ferreira
Interpretação: Allan Falieri, Ángela Diaz Quintela, Daniela Cruz, Félix Lozano, Jorge Mota, Leonor Keil, Marco da Silva Ferreira, Valter Fernandes e Vera Santos
Bailarino Estagiário: Afonso Cunha
Direção de Produção: Joana Ventura
Produção Executiva: Jesse James
Coprodução: Nome Próprio, Centro Cultural de Belém, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Nacional São João e Teatro Viriato
Apoio Residência Artística: Novo Ciclo ACERT e O Espaço do Tempo

12
Jan16

“HOTEL DA BELA VISTA”, pela Companhia de Teatro ArteViva

olhar para o mundo

HOTEL DA BELA VISTA.png

 

Estreia na sexta-feira, dia 15 de janeiro

 

“HOTEL DA BELA VISTA”, pela Companhia de Teatro ArteViva

 

A Companhia de Teatro do Barreiro ArteViva estreia, na próxima sexta-feira, dia 15 de janeiro, a peça “Hotel da Bela Vista”, no Teatro Municipal do Barreiro. Esta comédia de Ödön von Horváth, com encenação de Jorge Cardoso e Carina Silva, vai estar em cena às sextas e sábados, pelas 21h30.

 

Sobre o espetáculo

Um hotel de província, falido, algures na Europa central. Estação baixa. O dono (Strasser), o empregado (Max) e o motorista (Karl) partilham a mesma amante e única hóspede – uma aristocrata decadente (Ada). Chegará alguém (Müller) para cobrar uma dívida de champanhe. Chegará Emanuel, irmão de Ada, a pedir-lhe dinheiro para pagar dívidas de jogo. E chegará Christine, uma antiga conquista passageira de Strasser, afinal “com consequências”. À primeira vista, parece que é tudo uma questão de dinheiro.

 

“Hotel da Bela Vista” (que esteve para se chamar “Hotel Europa”…) foi escrita em 1926. A Alemanha procurava então sobreviver ao colapso económico do pós-guerra. A inflação e o desemprego tinham atingido níveis insuportáveis. Haviam falhado revoltas da esquerda. Havia falhado o putsch de Hitler, em Munique. Só o exército garantia a sobrevivência da República de Weimar. A pouco e pouco, foi-se percebendo como haviam sido proféticas as palavras de Jean Jaurès, em 1905: “ De uma guerra europeia pode jorrar uma revolução e as classes governantes fariam bem em pensar nisso. Mas pode também resultar, por extenso período, uma crise de contra-revolução, de reacção furiosa, de nacionalismo exasperado, de ditaduras asfixiantes, de militarismo monstruoso, enfim, uma longa cadeia de violência retrógrada”.

 

Horváth não fala dos grandes acontecimentos, mas do modo como eles influenciam o pensamento e a acção das pessoas. No modo de agir e nos diálogos das personagens deixa o retrato de uma época. E fá-lo, de preferência, num tom irreverente. Horváth (a propósito de outra peça, “Fé, Esperança e Caridade”): “Tal como em todas as minhas peças, também tento, desta vez, ser o mais possível irreverente, contra a estupidez e contra a mentira, pois esta irreverência bem podia constituir a função mais nobre do escritor que, às vezes, só por isso se imagina a escrever para que as pessoas se conheçam a si próprias”.

 

Há muito que este Hotel estava nos nossos planos. E a cada ano que passava, mais actual nos ia parecendo. Saber se Horváth previu a ascensão do nazismo, a segunda grande guerra ou até o fim da civilização europeia; saber se este Hotel é uma alegoria à Europa, de então e de hoje; saber se estes diálogos ainda nos aproveitam ou não – são assuntos que ficam à consideração dos espectadores.

Afinal, Horváth não impõe, propõe: e é isso que nos prende ao texto. Comédia, disse ele, enquanto subvertia a própria comédia e as suas regras convencionais. E sem final feliz.Jorge Cardoso

 

 

Ficha Artística e Técnica

 Hotel da Bela Vista (1926)

 De Ödön von Horváth (1901 - 1938)

Encenação - Jorge Cardoso e Carina Silva

Assistente de Encenação - Ana Sofia Samora

Interpretação - Alexandre Antunes, Henrique Gomes, Joana Pimpista, Patrocínia Cristóvão, Ricardo Guerreiro, Rui Félix e Rui Quintas

Cenografia - João Pimenta | Construção e Montagem - João Henrique Oliveira e João Oliveira Júnior | Figurinos - Ana Pimpista | Confeção - O Dedal | Desenho de Luz - João Oliveira Júnior | Operação Técnica - Marisa Conceição | Design gráfico - João Pimenta | Fotografia - Cláudio Ferreira | Produção Executiva - Catarina Santana | Agradecimentos a Eugénio Silva, Céu Madeiras, Mário Maia, Ricardo Nunes, Carmo Oliveira, Ricardo Guerreiro e Miguel Félix.

Classificação M/12 anos.

Reservas: arteviva.reservas@gmail.com; 910 093 886

 Bilheteira: quinta a sábado, das 20h00 às 21h30

 Bilhetes: Preço normal: 5€; Desconto grupos >10: 3€ 

 

Recorde-se que a Companhia tem também em cena “A ODISSEIA DE ULISSES... MANUEL”, um espetáculo infanto-juvenil, adaptado da obra Ulisses de Maria Alberta Menéres, aos sábados às 16h00.

 

Mais informações em http://artevivactb.wix.com/teatro.

CMB 2016-01-11

12
Jan16

ACERT - Exposiçã ode Cartoons - RICOS, POBRES, INDIGNADOS

olhar para o mundo

exposição.jpg

 

 

RICOS, POBRES, INDIGNADOS
Obras do XIVPortoCartoon
Exposição


Em parceria com o Museu Nacional da Imprensa, que assim se junta às celebrações dos 40 anos da ACERT, uma exposição onde o humor é o gatilho que chama a reflexão


O movimento dos ‘indignados’, iniciado em Madrid, rapidamente se espalhou pelo mundo. As assimetrias aprofundam-se. As resistências também.

Esta exposição do PortoCartoon - World Festival de 2012 mostra como o humor ajuda a compreender as distorções sociais. Pelo humor, ultrapassam-se barreiras, desfazem-se preconceitos, mostram-se contradições e falsidades do mundo. Mesmo que a riqueza do humor não anule a pobreza, ela torna o mundo mais rico, na inteligência, na solidariedade, na revolta.

O PortoCartoon - iniciativa do Museu Nacional da Imprensa - aborda sempre temas de grande atualidade e faz do humor uma linguagem universal.




Ficha TécnicaInauguração: Sexta-feira, 29 de janeiro às 21:00
Até 13 de março de 2016
Exposição de cartoons

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub