Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

03
Fev16

Oficina Musical "Livros de Música" na Biblioteca Municipal do Barreiro

olhar para o mundo

Musica Reciclada.jpg

 

 

13 fevereiro | 11h00 às 12h30 | Biblioteca Municipal

 

Oficina Musical “Livros de Música”

 

No próximo dia 13 de fevereiro, sábado, entre as 11h00 e as 12h30, terá lugar a oficina musical “Livros de Música”, pelo músico e animador sócio cultural Hugo Botelho, na sala de estudo da Biblioteca Municipal do Barreiro. 

O evento destina-se a crianças e jovens dos 6 aos 14 anos, sendo o limite de participação de 15 inscritos. As marcações devem ser realizadas mediante inscrição para o contacto: 21 206 86 58.

 

“Livros de Música” é uma experiência sensorial e pedagógica, que se foca na construção e experimentação de instrumentos, de uma forma livre e ambiental. Esta é uma forma simples das crianças entenderem o conceito de música e de promover o gosto por esta arte, através da experimentação e improvisação.

 

A Biblioteca Municipal do Barreiro está situada na Rua da Bandeira, Urbanização do Palácio do Coimbra, 2830-330 Barreiro, Telefone: 21 206 86 56 (Receção), E-mail: biblioteca.municipal@cm-barreiro.pt .

 

CMB 2016-02-01

03
Fev16

Biblioteca Municipal de Beja- "Histórias mal contadas" por Rodolfo de Castro

olhar para o mundo
"Histórias mal contadas" por Rodolfo de Castro – o pior contador do mundo na Biblioteca Municipal de Beja
MIL E UMA NOITES MIL E UMA HISTÓRIAS | 4 FEV | QUINTA | 21H30 | BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BEJA - JOSÉ SARAMAGO
Partilhar:FacebookTwitter
 

Um relojoeiro apaixonado, uma deusa tartaruga, um mestre da tatuagem, um molho de piolhos e duas mulheres fortes...são algumas das histórias mal contadas que podem ouvir do pior contador de histórias do mundo.

Sobre o narrador:


Rodolfo Castro, também conhecido como «O pior contador de histórias do mundo», começou a contar histórias profissionalmente em 1993.
“Esforcei-me sempre por ser o melhor. Para isso treinei, estudei, trabalhei...e não consegui. Quando comprovei que não podia ser o melhor decidi ser o pior... e consegui. Antes disso trabalhei de pedreiro e de carteiro, de sapateiro e de vendedor ambulante. Tentei o futebol e a actuação, fui professor de ensino básico e tive a minha banda de música. Vendi postais de natal nas ruas de Buenos Aires e artesanato no México. Sou escritor e formador creditado na área da literatura e dos contos.
Nasci e cresci em Buenos Aires, formei-me profissionalmente no México, hoje vivo em Lisboa, Portugal.

03
Fev16

Acert - O MEU PAÍS É O QUE O MAR NÃO QUER

olhar para o mundo

omeupais.jpg

 

O MEU PAÍS É O QUE O MAR NÃO QUER
Casa da Esquina
TeatroPreço: 5 / 7,5 €
Duração: 60 minutos
Classificação: M/12

Espetáculo de teatro documental… a história de uma geração dividida entre partir e ficar


Um verso de Ruy Belo dá nome ao espetáculo documental que nasceu da estada de Ricardo Correia em Londres, enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. E se o verso de Ruy Belo encena a ideia de um despojo, aquilo que fica depois do tempo passar, de o esquecimento se instalar e de pouco mais ser possível fazer, o espetáculo de Ricardo Correia constrói-se a partir do seu relato pessoal e dos testemunhos de emigrantes portugueses, todos eles com qualificações superiores, recolhidos através de entrevistas, cartas, fotografias e emails.

Estes testemunhos pertencem a pessoas que o autor conheceu em Londres e que tiveram de sair do nosso país devido às medidas de austeridade da Troika e do Governo Português, ou que deixaram o país por vontade própria, não conseguindo, agora, regressar, por falta de perspetivas de futuro naquele que é o seu país de origem. De certo modo, são os despojos de que falava o poeta, aquilo que o mar já não quer, acabando por deixar à deriva em águas longínquas ou entre o lixo da beira-praia. Esta é a sua história, a história de uma geração dividida entre partir e ficar, e é também um pouco da nossa história coletiva, passada e presente.

 

 Auditório 2
Qui, 4 fev'16 às 14:30 (Público escolar)
 
Auditório 2
Sex, 5 fev'16 às 10:30 e às 14:30 (Público escolar)
 
Auditório 2
Sáb, 6 fev'16 às 21:45

 

PREÇO: 7,50€ / Associado: 5€ / Descontos: 6€ / Desempregado: 2,50€


Ficha Técnica

Criação: Ricardo Correia
Espaço Cénico e Desenho em tempo real: Filipa Malva
Mistura de Som: João Gaspar e Ricardo Correia
Música: La La La Ressonance
Direção Técnica e Desenho de Luz: Jonathan de Azevedo
Produção executiva: Sara Seabra
Design: Fábrica Mutante
Fotografia: Filipa Alves
Frente de Casa: Adiana Silva
Residência Artística: Lac – Laboratório de atividades criativas com apoio de Jorge Louraço e Sérgio Dias Branco
Coprodução: TAGV

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub