Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Out16

Norah Jones: Novo álbum, "Day Breaks"

olhar para o mundo

norah jones.jpg

 

Norah Jones: Novo álbum, "Day Breaks", lançado esta sexta-feira 

Acaba de ser divulgada uma terceira canção do disco: “Tragedy”

“Day Breaks”, o muito aguardado sexto álbum de Norah Jones, chega às lojas esta sexta-feira e já foi descrito pela revista MOJO como “a sua obra-prima até à data.” Entretanto, foi divulgada uma terceira canção retirado do disco, intitulada “Tragedy”

Norah Jones prepara-se ainda para uma série de atuações em programas de televisão onde interpretará as novas canções de “Day Breaks”. A 5 de outubro vai interpretar “Flipside” no programa The Tonight Show with Jimmy Fallon e no dia 10 estará no The Today Show para cantar “Carry On” e “Tragedy”. 

Recentemente o New York Times fez capa da secção Arts & Leisure com Norah Jones, sendo que “Day Breaks” foi nomeado um dos álbuns a ouvir neste Outono pela Rolling Stone, Entertainment Weekly e Billboard. Foi ainda publicado um perfil da cantora no Textas Monthly, contando a história de Norah Jones, desde os tempos em que era uma aspirante a cantora e pianista de jazz que vivia em Dallas até se tornar vencedora de nove prémios Grammy e vender mais de 45 milhões de álbuns em todo o mundo, mantendo-se sempre fiel a si mesma e a traçar o seu próprio caminho. 

O que a imprensa já escreveu sobre “Day Breaks”:

A sua obra-prima até à data… Inspirado e de cortar a respiração…” – MOJO

“Uma consolidação maravilhosa, flutuando alegremente entre a tradição do passado e o seu presente muito único.” – Rolling Stone 

“Day Breaks é tanto um regresso às raízes como uma prova triunfante de diversidade estilística.” – DownBeat 

“Day Breaks” é o álbum assinala o regresso de Norah Jones às suas raízes musicais e ao piano, sendo a alma gémea de “Come Away With Me”, o seu disco de estreia, com o qual conquistou 9 prémios Grammy. Em “Day Breaks” faz-se acompanhar por nomes emblemáticos da história do jazz, como o saxofonista Wayne Shorter, o organista Dr. Lonnie Smith e o baterista Brian Blade. O disco inclui nove composições originais e versões de Horace Silver, Duke Ellington e Neil Young.

Os fãs que adquiriram o álbum no regime de pré-venda no iTunes, Amazon e na loja online de Norah Jones recebem os singles “Tragedy”, “Flipside” e “Carry On” imediatamente. O disco está disponível em pré-venda em todos os formatos na loja de Norah Jones e na Amazon.

04
Out16

Biblioteca Municipal do Barreiro. - À Conversa com… Pedro Chagas Freitas

olhar para o mundo

pedro chagas freitas.jpg

 

 

À Conversa com… Pedro Chagas Freitas

 

O autor Pedro Chagas Freitas é o convidado da primeira sessão do ciclo “À conversa com…”, no próximo dia 15 de outubro, sábado, pelas 18h00, no Auditório da Biblioteca Municipal do Barreiro.  

A entrada é livre.

 

“À conversa com…” pretende convidar escritores e atores, de forma a proporcionar uma conversa mais abrangente sobre a sua atividade, ou tema escolhido para o dia.

 

Sinopse:

Partindo da apresentação do seu último livro, o escritor Pedro Chagas Freitas pretende uma conversa franca e aberta com os leitores.

Este multifacetado autor já apresenta no seu currículo um grande número de sucessos literários e será na sua última obra “Prometo Perder” (2016, um dos grandes sucessos literários da atualidade) que teremos como âncora de partida, mas a ideia é falar do que bem nos apetecer.

 

Biografia:

Pedro Chagas Freitas escreve cenas variadas. Romances, novelas, contos, crónicas, guiões, letras de música, textos publicitários e outras imbecilidades. É um fabricante de ideias e criou artigos de jornal, guiões, anúncios, slogans e programas de rádio e de televisão.

Publicou mais de duas dezenas de obras. Está na lista dos mais vendidos de 2014 em Portugal. Estudou linguística e criou jogos didácticos para estimular a produção escrita.

Tem quase 300.000 seguidores no Facebook e mais de 20 obras publicadas.

Foi nadador-salvador, barman, operário fabril, porteiro de discoteca, jogador de futebol. Acredita que o país perfeito é a Lamechalândia. E vive por lá todos os dias.

 

CMB 2016-10-03

04
Out16

Empire Of The Sun revelam novo video para “High & Low”

olhar para o mundo

empireofthesun.jpg

 

Empire Of The Sun revelam novo video para “High & Low”

O tema faz parte do próximo álbum do grupo, “Two Vines”, a ser editado a 28 de outubro

Os australianos Empire Of The Sun convidam-nos a entrar num mundo de fantasia com o vídeo da sua nova canção, “High & Low”, que acaba de ser revelado. O tema é retirado do terceiro álbum de estúdio do duo, “Two Vines”, com data de lançamento marcada para 28 de outubro, sendo que já está disponível em regime pré-venda. 

Realizado e produzido pelos próprios Empire of the Sun, em parceria com os Roof Studio, Sunset e Bill Yukich, o vídeo de “High & Low” é uma viagem psicadélica através do espaço e do tempo, por uma cascata de sonhos, uma autêntica experiência sensorial. 

 

“A imaginação é algo que sempre alimentámos e promovemos e qualquer forma que permite chegar a esse êxtase está certa. Pode ser amar alguém, pode ser passear pela natureza, ou pode ser escalar as alturas de uma experiência psicadélica. Como artistas gostamos de viver no limite. Acho que esta canção é sobre encontrar algum equilíbrio nisso”, diz Nick Littlemore sobre o tema. 

 

Gravado entre o Havai e Los Angeles, “Two Vines” é coproduzido pelos Empire of the Sun e Peter Mayes (Sai, The Kllers, Mika), juntamente com o colaborador de longa data Donnie Sloan, sendo que agora o círculo criativo expandiu-se ao pianista Henry Hey e ao baixistia Tim Lefebvre (da banda de David Bowie em “Blackstar”). Wendy Melvoin, dos Revolution de Prince,  o génio dos Fleetwood Mac Lindsy Buckinggham também participam neste universo tão colorido dos Empire of the Sun.

 

 

04
Out16

Biblioteca Municipal do Barreiro - Exposição “Do Vasto e Belo Porto de Lisboa”

olhar para o mundo

cartaz.jpg

 

8 outubro | 16h00 | Biblioteca Municipal do Barreiro

 

Exposição “Do Vasto e Belo Porto de Lisboa”

 

No próximo dia 8 de outubro, sábado, pelas 16h00, será inaugurada a exposição de fotografia “Do Vasto e Belo Porto de Lisboa”, na Biblioteca Municipal do Barreiro.

 

Até ao dia 5 de novembro será possível apreciar o resultado de um rigoroso trabalho de restauro da coleção de fotografia antiga da APL – Administração do Porto de Lisboa, S.A., a exposição retrata a vida portuária lisboeta nos primeiros quartéis do século XX.

As 32 imagens que integram a exposição foram selecionadas entre mais de 6.000, o número aproximado que compõe a coleção, e impressas a partir dos seus negativos em vidro.

Trata-se de um relato esplêndido sobre a vida agitada do porto que, durante um longo período da história da cidade de Lisboa, era um dos maiores centros de atividade económica, social e cultural do país. O principal propósito desta exposição é documentar o progresso do Porto de Lisboa, desde a modernização das suas infraestruturas, até aos diversos serviços que o porto foi prestando ao longo dos tempos.

 

Mais informações: Divisão de Promoção Cultural | Tel. 21 206 82 30 |cultura@cm-barreiro.pt . 

 

A Biblioteca Municipal do Barreiro está situada na Rua da Bandeira, Urbanização do Palácio do Coimbra, 2830-330 Barreiro, Telefone: 21 206 86 56 (Receção), email: biblioteca.municipal@cm-barreiro.pt .

 

CMB 2016-10-03

04
Out16

Reedição do único álbum dos Temple of the Dog

olhar para o mundo

temple dog.jpg

 

Reedição do único álbum dos Temple of the Dog chega hoje às lojas

Lançamento do disco conta com o apoio da Antena 3

 

Os Temple of the Dog, o supergrupo de Seattle que juntava Chris Cornell, dos Soundgarden, a Jeff Ament, Stone Gossard e Mike McCready, todos membros dos Pearl Jam, e a Matt Cameron (que já tocou bateria tanto com os Soundgarden como com os Pearl Jam) vão reunir-se e dar a sua primeira digressão desde que se formaram em 1990. Para assinalar a data, hoje é reeditado o primeiro e único álbum dos Temple of the Dog, homónimo, lançado originalmente há 25 anos.

Para esta reedição, o álbum foi novamente misturado por Brendan O’Brien. A reedição será disponibilizada em quatro versões, incluindo uma versão Super Deluxe com quatro discos, um duplo LP, uma versão Deluxe com dois CD e uma versão normal de um só CD.

A edição Super Deluxe inclui 2CDs, 1 DVD e 1 Blu-ray Audio. Ao todo inclui 51 temas, um booklet com um artigo de David Fricke, um póster e um autocolante. Já a edição Deluxe, de 2CD, contém não só o álbum dos Temple of the Dog com a nova mistura de Brendan O’Brien, mas também três misturas alternativas por Adam Kasper e um booklet de 32 páginas. A edição em vinil só chegará às lojas a 11 de novembro.

Já a reunião da banda vai realizar-se em novembro, tendo o grupo marcado cinco concertos na na Filadélfia, Nova Iorque, São Francisco e Los Angeles. “Queríamos fazer aquilo que nunca tínhamos feito… Dar concertos e perceber como é ser a banda da qual nos afastámos há 25 anos”, diz Chris Cornell a respeito desta pequena digressão.

Os Temple of the Dog surgiram das cinzas dos Mother Love Bone, após a morte do seu vocalista, Andrew Wood, um amigo próximo de Cornell. Na altura Gossard, Ament, também da mesma banda, decidiram recrutar McCready para tocar num par de canções que Cornell compôs em tributo a Wood e que viriam a figurar no repertório dos Temple of the Dog: “Say Hello 2 Heaven” e “Reach Down”.

Gossard, Ament e McCready estavam também a formar uma nova banda, que ficaria conhecida como Pearl Jam, sendo que na altura Eddie Vedder entrou em estúdio para fazer coros em três canções dos Temple of the Dog, tendo mesmo feito um dueto com Chris Cornell em “Hunger Strike”, que se tornou um sucesso de vendas.

Os Temple of the Dog acabaram por dar poucos concertos, maioritariamente em Seattle, entre novembro e dezembro de 1990. Essas atuações acabaram por se tornaram das mais lendárias na história musical de Seattle. Os concertos que se avizinham este ano assinalam a primeira vez que o grupo dá uma digressão, sendo, por isso mesmo, um momento histórico.

 “Isto é algo que nunca ninguém viu”, diz Cornell sobre esta reunião. “Quisemos parar e reconhecer de que fizemos isto e prestar uma homenagem a esse trabalho.”

 

 

 

04
Out16

Clipe e single inédito do Yokohama Café explora a linha tênue entre o divertido e o bizarro

olhar para o mundo

yokohamacafé.jpg

 

Clipe e single inédito do Yokohama Café explora a linha tênue entre o divertido e o bizarro
“O Menino no Vidro” é o nono single lançado pelo projeto neste ano


Imagina uma banda que todo mês lança uma música, muda a formação e faz uma sessão de fotos diferente. Este exercício de amizade e criatividade foi criado pelo músico Allan Yokohama e se chama Yokohama Café. Na nona música da edição 2016 do projeto, a banda mutante divulga o carro chefe do trabalho: O lisérgico e cinematográfico clipe da inédita canção “O Menino no Vidro (ou O Nome que Achar Melhor)”, disponível no canal oficial do grupo.

A faixa brinca com a linha tênue entre o divertido e o bizarro. Numa espécie de Opera Rock Circense , os vocalistas vão se revezando numa montanha russa emocional para contar a história de um cara que acaba armazenado em uma espécie de vidro de formol. Trata-se ainda de uma história de amor, cheia de sarcasmo e ironia, mas ainda sim, a descrição tortuosa de um romance que chegou ao fim, com seus arrependimentos, culpas , desejo e vontade de seguir em frente com um sorriso no rosto, ainda que seja para rir da desgraça alheia.  

Com inspirações em filmes como "O Grande Lebowski", dos irmãos Coen, e "Medo e Delírio em Las Vegas", do diretor Terry Gilliam, o clipe da canção aproveita o refrão "Pode me etiquetar com o nome que achar melhor" para mostrar que as pessoas são livres para serem elas mesmas sem medo do absurdo, numa atmosfera que imita a completa liberdade artística que o Yokohama Café se propõe a mostrar.

A produção do clipe ficou por conta da BUZZ Creative Content Studio, de Curitiba (PR), com direção de Duda Justus e protagonismo coletivo de Handerson Banks (da banda Banks), Paulo Perazzoli, Renan Gerhardt, Jimmy Lyn (Carne de Onça), Allan Yokohama (Poléxia, Terminal Guadalupe), Bê Müller (Narciso Nada), Gustavo Schirmer, Luna Tik, Rapha Moraes (Poléxia, Nuvens) e Victor Sálvaro.

Gravada no Schirmer Studio, a música é mais uma parceria entre Allan Yokohama e Rodrigo Medeiros (Narciso Nada), que fazem as vozes da faixa junto com Andrew Knoll (ator e músico), Handerson Banks e Gustavo Schirmer. Schirmer e Allan assinam todo o instrumental, com participação de Macca Tavares (Banks) no baixo. As fotos de divulgação são de Osvaldo Vanguarda.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub