Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

12
Out16

LISBOA VOLTA A DANÇAR AO SOM DO FLAMENCO

olhar para o mundo
 

flamenco.jpg

 

 
LISBOA VOLTA A DANÇAR AO SOM DO FLAMENCO
 
O Festival de Flamenco de Lisboa está de volta ao coração da capital para apresentar no Teatro da Trindade três espetáculos distintos. Com nove anos de existência, o evento continua a surpreender e provavelmente será esta a sua edição mais audaz, na qual se procura exultar o lado mais luminoso e misterioso da guitarra, do baile e do cante flamenco.
 
Cabe ao quarteto de Javier Conde as honras de abertura do festival, no dia 26 de Outubro. Conhecido como “miúdo revelação” da guitarra flamenca, é reconhecido pelo seu respeito pelos mestres e pelo seu próprio “compás” flamenco e adivinha-se que venha a ser um dos grandes pilares da guitarra e do flamenco da Extremadura no mundo. No espectáculo que apresenta em Lisboa “El flamenco y su vibrante mundo” serão interpretados alguns dos estilos mais representativos do flamenco.

Um concerto que está inserido na Experimenta Extremadura, um projecto bianual, que pretende despertar o interesse e conhecimento da Extremadura em Portugal, com a realização de diversas iniciativas à qual o Festival Flamenco de Lisboa se associou.
 
Lou Reed - Street Hassle
Intrigante e certamente original, será o espetáculo que a Columna Flamenca, uma companhia de Flamenco criada em Lisboa em 2016 pela Associação Flamenco Atlântico, irá estrear. A companhia conta com artistas de várias nacionalidades: portugueses, espanhois e marroquinos. No dia 26 de Novembro, estreiam a sua primeira criação, CORPO SONORO, um tríptico intimista de baile flamenco, inspirado no texto “Rayuela” do escritor Júlio Cortazar, nos poemas de Federico Garcia Lorca e no álbum “Street Hassle” de Lou Reed, gravado em 1978.
 
O Festival Flamenco de Lisboa, termina no dia 27 de Novembro, com mais uma estreia em Portugal, desta vez: Manuel Fernández Montoya, “El Carpeta”, da dinastia “Los Farruco” e irmão mais novo de Farruquito. O Flamenco corre-lhe no sangue e na raça mas conseguiu criar o seu espaço com a alma aberta e a sua forma de bailar o Flamenco. Uma noite onde se apresentará o presente e o futuro do novo baile flamenco.

Simultaneamente, estão agendadas duas actividades paralelas que permitem vivenciar a Arte Flamenca e que se realizam no Espaço Flamenco Atlântico, às 18h00: aulas de Guitarra, no dia 26 de outubro e aulas de Baile, no dia 26 de novembro.

O Festival é organizado pela  Flamenco Atlântico, associação cultural sem fins lucrativos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub