Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

06
Nov16

ACERT - CECI N'EST PAS UN FILM. Dueto para Maçã e Ovo

olhar para o mundo

ceci.jpg

 

CECI N'EST PAS UN FILM.
Dueto para Maçã e Ovo
DançaDuração: 60 minutos
Classificação: M/6

 

Local:  Auditório 1
Data/Hora:  Sáb, 19 nov'16 às 21:45
Local:  Auditório 1 - Público Escolar
Data/Hora:  Seg, 21 nov'16 às 10:30



É um prazer receber a Companhia Paulo Ribeiro com um espetáculo que convoca os sentidos, cruzando imagens e movimento em torno daquilo a que gostamos de chamar natureza humana

Não ilustramos um filme. Dialogamos com imagens, imagens com passado, mas com futuro incerto.
Imagens que se vão habitando de gente, de vivências, de histórias suspensas...
Imagens que caminham para o dueto da maçã e do ovo que, por sua vez, sugere a elevação do amor.
Amor... Imagem entre o tempo que se arrasta rodopiando sobre si próprio e o dueto que, de tanto querer voar, se amarra ao chão.
Amor que se torna possessivo, exigente, dependente, desesperado, exaltado, sufocante; mas também patético, cómico, trágico-cómico, lúdico, frívolo, virtuoso, sinuoso, cabotino e esvaziado.
Amor que derrapa nos fantasmas da negritude da alma e da hiperatividade como forma de exorcizar a ilusão ou a desilusão!...
Sem narrativas fechadas, sem dramaturgia esmagadora, sem a obrigação de tudo perceber, enveredamos por um mundo de sentidos que são os da vida na sua configuração mais simples de se afirmar. Em simultâneo e, indelevelmente, convocamos Magritte a acompanhar-nos.

Paulo Ribeiro

 

PREÇO: 7,50€ / Associado: 5€ / Descontos: 6€ / Desempregado: 2,50€ / Bilhete família disponível
Púlico Escolar:
2€




Ficha Técnica

Autoria, Coreografia e Espaço Cénico: Paulo Ribeiro
Colaboração e Seleção de Filmes: Cine Clube De Viseu
Interpretação~: Ana Jezabel e João Cardoso
Música: The Boys From Brazil (Segredo Suba); Balanescu Quartet (Unging Upsidedown); João Parahyba (Nightly Sins - Tribute); Barbara (Ne Me Quite Pas) ; Nina Simone (Ne Me Quite Pas); Jacques Brel (Ne Me Quite Pas); Simone de Oliveira (Não Me Vais Deixar - Ne Me Quite Pas); Balanescu Quartet (Autobahn)
Figurinos: José António Tenente
Desenho de Luz: Cristóvão Cunha
Produção: Companhia Paulo Ribeiro
Projeto apoiado no âmbito do programa Viseu Terceiro do Município de Viseu | Co-organização.

06
Nov16

“Queen On Air”: Todas as gravações dos Queen para a BBC disponíveis a partir de hoje

olhar para o mundo

bbc.jpg

 

“Queen On Air”: Todas as gravações dos Queen para a BBC disponíveis a partir de hoje

A coletânea “Queen On Air” chega hoje às lojas e conta com o apoio da M80

Entre fevereiro de 1973 e outubro de 1977 os Queen gravaram seis sessões em exclusivo nos estúdios de rádio da BBC. As 24 gravações que estas sessões produziram incluem versões alternativas do single de estreia da banda, versões inéditas de alguns dos clássicos que se encontram nos álbuns do grupo e até uma versão radicalmente reimaginada de um dos mais conhecidos hinos dos Queen e que até hoje nunca foi editada, nomeadamente de “We Will Rock You”, entretanto já revelada.

Agora pela primeira vez as seis sessões que os Queen gravaram na BBC serão editadas em conjunto, sendo que todas as gravações foram meticulosamente restauradas por Kris Fredriksson, engenheiro de som dos Queen, e masterizadas por Adam Avan, já premiado nos Grammys. “Queen On Air” é o título da coletânea que estará disponível nas lojas a partir de hoje num duplo CD, em triplo LP e numa caixa limitada de 6CD que inclui um CD com gravações ao vivo e três CD com entrevistas feitas na rádio. “Queen On Air” é uma obra essencial para conhecer profundamente esta fase tão rica do percurso da banda. 

 

Desta coletânea faz parte uma nova versão de “My Fairy King”, a primeira canção dos Queen a ser transmitida na rádio, na altura pelo célebre divulgador e radialista John Peel. “My Fairy King” foi transmitida na BBC cinco meses antes do lançamento do álbum e single de estreia dos Queen, sendo que a versão que o grupo gravou na rádio é menos polida que a versão do disco, estando a voz de Freddie Mercury e os coros mais definidos.

O guitarrista Brian May descreve “My Fairy King”, uma das canções de Freddie Mercury que é frequentemente ignorada, como predecessora do estilo barroco que se afirmou em canções icónicas como “Bohemian Rhapsody” e “The March of the Black Queen”.

Veja o lyric vídeo criado agora para “My Fairy King”. 

 

Entretanto, pode-se descobrir algumas das novidades reservadas neste “Queen On Air” no site http://www.queenonairradio.com. 

Queen On Air” é muito mais que um conjunto de gravações raras, é um autêntico retrato do momento em que os Queen se tornaram numa lenda musical. Veja aqui o vídeo sobre esta nova edição e os seus vários formatos.

 

 

06
Nov16

Fred Martins no Cineteatro Municipal D. João V

olhar para o mundo

fred martins.jpg

Fred Martins 

 

Destacado entre os artistas da sua geração, o cantor e compositor Fred Martins oferece um repertório autoral muito variado e muito relacionado com a tradição musical do artesanato da canção no Brasil. A sua música dialoga com o samba e a bossa nova, mesclando também elementos de outros estilos e incursões pela world music. Fred Martins desenvolveu uma relação especialmente profunda com a música brasileira ao transcrever, durante dez anos, partituras de compositores como Chico Buarque, Noel Rosa, Tom Jobim, Caetano Veloso e Gilberto Gil para os famosos songbooks produzidos por Almir Chediak. O talento do compositor foi também reconhecido pelo prestigiado PRÉMIO VISA DE MÚSICA BRASILEIRA (9 ª edição, 2006), que lhe atribuiu o prémio máximo de MELHOR COMPOSITOR, por votação unânime do júri e do público. Decorrente do prémio, Fred gravou o especial de TV “Tempo Afora” (Canal Brasil/ Globosat), posteriormente lançado em DVD. As suas composições conquistaram nomes consagrados da MPB e foram gravadas em disco por outros artistas como Renato Braz ("Por um Fio"), Ney Matogrosso ("Novamente" e "Tempo Afora"), Maria Rita ("Sem Aviso" e "Perfeitamente") e Zélia Duncan ("Hóspede do Tempo" e "Flores"), entre outros. A par dos seus projetos pessoais, Fred participa ainda (como compositor e intérprete) no mais recente espectáculo de María Pagés (ballet flamenco) - " UTOPIA ", inspirado na obra de Óscar Niemeyer. Fred Martins participou, entre outros eventos, nos festivais internacionais "LULA WORLD 2014" (CANADÁ), MÚSICAS PORTUÁRIAS", "CANTOS NA MARÉ" (ESPANHA), no "FESTIVAL DE VERÃO DE MÚSICAS DO MUNDO de VILA REAL" (PORTUGAL) e no "FESTIVAL JAWHARA" (MARROCOS).

Dono de criatividade e ritmos bastante particulares, Fred Martins é reconhecido pela crítica como um dos maiores compositores de sua geração. O seu primeiro Álbum solo a ser gravado na Europa, “Para além do muro do meu quintal”, está à venda desde 22 Abril 2016 em Portugal.

« Fred Martins é um compositor original, que toca um universo muito particular, interessante e poético. Como intérprete, é sempre bom ouvir a sua música. Gravei duas das suas canções: "Novamente" e "Tempo Afora "» - Ney Matogrosso « Fred Martins é um compositor de primeira e não é demais dizer que é um dos melhores da actualidade» - João Pimentel, in Jornal O Globo

 

MÚSICA
26 NOV | 21:30H | 10€

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub