Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

03
Abr13

Duas mulheres sem medo encontram-se no palco da Culturgest

olhar para o mundo

Duas mulheres sem medo encontram-se no palco da Culturgest

Mónica Calle num ensaio de Os meus sentimentos BRUNO SIMÃO

Uma está lá à vista de todos, a outra nas palavras. Livro de 2005, Os meus sentimentos é agora um espectáculo. Mónica Calle diz que Dulce Maria Cardoso o escreveu para ela, mesmo sem saber. Até sábado, na Culturgest

 

Sobre a mesa de trabalho, em cima do palco, Mónica Calle tem o livro aberto, carregado de horas e horas de leitura. Ao seu lado está a escritora, que veio só para ouvir e ver. Dulce Maria Cardoso lançou Os meus sentimentos em Fevereiro de 2005 e nunca mais o abriu. Nem mesmo quando a actriz lhe disse que queria transformá-lo num espectáculo, como quem lê em voz alta a sua própria biografia. É nesta obra sobre a memória que encontramos frases como esta, quase um programa: "De todos os mistérios escolho o da dor, que traz consigo o esquecimento" - assim, sem pontos finais.

 

Estas duas mulheres jantaram juntas depois de uma conferência da autora deO Retorno e não foi preciso muito para que Calle decidisse pegar n"Os meus sentimentos (edições Asa), que leu de rajada à segunda tentativa, numa esplanada de Campo de Ourique (em Junho tinha optado por deixá-lo de parte porque, diz, "há momentos certos para os encontros, e aquele não era o momento certo"). "Sabia que ia encontrar naquela escrita o que queria." E encontrou.

 

Os meus sentimentos, segundo romance de Dulce Maria Cardoso, começa quando Violeta, personagem que "conhece o amor de ouvir falar", que tem uma mãe conservadora e moralista e uma filha que a despreza, se despista na estrada. Dentro do carro acidentado, numa posição incómoda que lhe deixa o corpo sem peso (a ela, que está longe de ser uma mulher magra), Violeta fixa-se numa gota de água sobre o vidro estilhaçado. É a partir daí que se constrói uma meticulosa teia de histórias, contada na primeira pessoa por esta vendedora de cosméticos que está habituada a fazer sexo com camionistas que não conhece em casas de banho públicas à beira das estradas e que gosta pouco de si própria. Tudo, lembrou a crítica há oito anos quando a obra chegou às livrarias, com uma "dose aterradora de lirismo e crueza". A dose certa.

 

"A Mónica lê o texto como eu o oiço na minha cabeça", diz ao PÚBLICO a escritora. "E esse encontro é incrível. É que ela podia ser igualmente talentosa e não se dar esta coincidência de ela ler como eu leria se soubesse ler em voz alta." Calle vai mais longe na afinidade com a história que Dulce Maria Cardoso criou para esta personagem, através da qual se fala também do Portugal do pós-25 de Abril, desse período de transição entre a velha e a nova ordem: "A Violeta sou eu. Em toda a sua fragilidade, em todo o seu desamparo... Sou eu. [...] Quanto mais trabalho nele mais tenho a certeza de que este livro foi escrito para mim. A Dulce não sabia, mas para mim é biográfico, é o sítio onde estou na minha vida, de uma forma bastante evidente."

 

O intervalo é uma festa

 

Os meus sentimentos - o espectáculo que estreia hoje às 19h30 e fica até sábado na Culturgest, em Lisboa, vai buscar o nome ao livro - tem a duração de cinco horas e uma estrutura invulgar, que a música ajuda a compor, em cena e fora dela, e em que o desenho de luz de José Álvaro Correia tem um papel determinante.

 

Os quatro intervalos fazem também parte desta peça. Calle, que dirá sozinha o texto, explica: "Precisávamos de momentos de encontro, de partilha, de festa. Os intervalos são esses momentos. Espaços em que as pessoas que aqui vêm podem conhecer-se, conversar." A escritora ficou muito contente com esta ideia de prolongamento que permite sair da solidão que o livro traz. "O intervalo surge sempre como uma consequência do texto. Quero que, à medida que o espectáculo vai acontecendo, a relação entre as pessoas mude", acrescenta a actriz. "Os intervalos permitem-me ir à brutalidade e à dor que o texto implica." São como espaços para respirar. PJ Harvey, Elis Regina, Tim Buckley, Nina Simone e Astor Piazzolla são alguns dos nomes da banda sonora.

 

Os meus sentimentos é para Dulce Maria Cardoso, a quem Violeta deixou saudades, "um livro especial", cuja transposição para palco - Calle diz que faz o livro e não uma adaptação - fica a dever-se à capacidade de "entrega" da actriz. "A maneira como a Mónica pegou no livro deixa-me entre a honra e o privilégio, o que dá uma coisa muito parecida com felicidade", acrescenta a escritora. "Quando escrevi este livro não estava à espera disto, de ter alguém a dizer "A Violeta sou eu"."

 

Para a actriz, esta obra mexe em três tabus essenciais: o da morte, o da maternidade e o da sexualidade feminina. Garante Dulce Maria Cardoso que o grande tema que a atravessa é o da memória, tal como Campo de Sangue, o primeiro romance, mergulhava na solidão e O Retorno, o último, na perda.

 

"A memória é morte porque só temos memória do que já passou, do que morreu. Mas a memória é também imaginação porque nunca recordamos exactamente como aconteceu", explica a autora. "Temos tendência a fugir da morte, talvez porque a única certeza que temos na vida é de que isto não vai acabar bem."

 

Mas fugimos também das questões difíceis que a maternidade envolve, defendem as duas mulheres. "É o maior tabu da sociedade", segundo Calle. "Ser mãe é muito mais duro, mais difícil e doloroso do que aquilo que nos dizem." O livro de Dulce Maria Cardoso, lembra, tem muitas frases que vão ficar com ela, tão verdadeiras como esta: "Ninguém nos consegue trair como um filho."

 

Hoje, garante, não tem medo de assumir estas "verdades desconfortáveis" nem de seguir a sua intuição: "Hoje só tenho medo de perder as pessoas que amo." A escritora, que diz encontrar-se com Calle "no indizível, no que não é nomeável", também nunca teve medo de assumir as suas posições: "Há ainda muito preconceito em relação à maternidade e à sexualidade da mulher. Quando o livro saiu, as pessoas vinham ter comigo a dizer que aquilo da Violeta com os camionistas não era nada feminino. Como se as mulheres para fazerem sexo precisassem de pôr um anel de noivado."

 

Na maternidade, interessa-lhe abordar a questão da "obrigatoriedade do amor": "Às vezes esquecemo-nos de que os filhos são uns perfeitos desconhecidos. Ter um filho é assumir um compromisso para a vida com alguém que não conhecemos. E às vezes não resulta. Fala-se de um amor incondicional, que acontece na maioria das vezes, mas nem sempre. Às vezes a coisa falha, a biologia falha, e é por isso que há pais que não amam os filhos e filhos que não amam os pais." Foi a pensar nesta relação insubstituível, para o bem e para o mal, que a escritora se apercebeu de que não há em língua alguma uma palavra para quem perde um filho. "Há órfãos, viúvos... Mas não há nada que possamos chamar a um pai que perde um filho, a uma mãe. Não se pode reduzir a palavras."

 

"Ninguém corrige o passado", escreve Dulce Maria Cardoso. "I wish I could share/ All the love that"s in my heart/ Remove all the bars that keep us apart", diz Mónica Calle, na voz de Nina Simone, que traz sempre consigo.

 

Retirado do Público

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub