Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

03
Abr13

Naomi Wolf em manifesto à arte do orgasmo feminino

olhar para o mundo

Naomi Wolf em manifesto à arte do orgasmo feminino

Escritora norte-americana abriu o Festival Literário da Madeira esta quarta-feira. Falou do seu mais recente livro Vagina e de política.

Chegou ao palco e disse que não estava habituada a falar de temas tão pessoais em público, mas que as 150 pessoas que ali estavam se iriam tornar em breve os “seus novos melhores amigos”.

 

É, porém, difícil acreditar que a americana Naomi Wolf não esteja já treinada a dizer em público, e perante uma plateia com pessoas de várias idades, as palavras vagina, orgasmo, prazer sexual, vulva, pénis – repetiu-as com o à-vontade de quem já o fez algumas vezes. A plateia do Teatro Municipal Baltazar Dias, na Madeira, riu-se das suas piadas e fez perguntas no fim sem pudor. 

 

Naomi Wolf, que defende o “empoderamento das mulheres”, escritora associada à chamada terceira vaga feminista, ou Naomi Wolf, a crítica política – depende dos temas que está a abordar – foi abrir o Festival Literário da Madeira, nesta quarta-feira. O festival tem como mote Manifesto à Arte

 

Esteve no palco nos dois papéis: como feminista primeiro, quando passou em revista as ideias principais do seu último livro, ainda não traduzido, Vagina – A Cultural History, que tem ideias, segundo Wolf, revolucionárias sobre a sexualidade feminina; como comentadora política depois, em conversa com o eurodeputado e historiador Rui Tavares a propósito de O Fim da América – Carta de Aviso a um Jovem Patriota, livro de 2007 mas só agora traduzido para português pela Nova Delphi, que organiza o festival. 

 

A vagina, defende, é o último tabu sobre as mulheres e aquilo que ela percebeu durante a sua investigação é que tem uma ligação directa com o cérebro – e essa ligação é única. Como é que ela torna a vagina num tema feminista? De forma simplificada, o argumento dela é assim: durante o orgasmo, as mulheres têm um descarregamento de dopamina, que provoca determinados estados de espírito, como poder e assertividade, qualidades associadas ao feminismo – e por ser tão poderosa, esta tem sido uma “história” calada. 

 

"Devia ser capa de todos os jornais"


Depois de discorrer sobre as especificidades da vagina e do orgasmo feminino, sublinhando que o que tem de singular é que cada mulher é única, Naomi Wolf defendeu que “como feminista, isto devia ser a capa de todos os jornais”: “Se quer que uma mulher faça amor consigo entusiasticamente para o resto da vida tem que ser bom/boa para ela o resto da vida.” 

 

Após o “one woman show” de Naomi Wolf sobre a “complexidade” e a “beleza” da sexualidade feminina, como ela diz, Rui Tavares juntou-se e disse para a plateia: “Vamos fazer uma transição horrível de tema, do prazer para a repressão”. 

 

De facto, a superentusiasta Naomi Wolf a falar de pé sentou-se à mesa com ele e a energia e o tom de voz abrandaram. As técnicas de repressão que Wolf acusa o Governo norte-americano de George W. Bush de ter usado, a sua visita a Guantánamo, a vigilância da sociedade que viola direitos, temas que denuncia no livro publicado em português, não provocam a mesma adrenalina, nem acendem o cérebro da mesma maneira que o sexo.

 

Ela, afinal, tinha agarrado no microfone, descido para se aproximar da plateia, para pôr todos a rir, tendo recorrido aos gestos para descrever a anatomia da vagina e do pénis. Ao lado de Rui Tavares, que recentemente publicou A ironia do projecto europeu (Tinta da China), Wolf voltou, assim, ao papel de comentadora política. Respondeu a perguntas do historiador, mas o que quis mesmo foi saber coisas sobre o sistema político português, o envolvimento dos cidadãos, as relações dos portugueses com a Europa.

 

O festival continua até dia 7, com as Conversas Cruzadas, debates que têm como base títulos de livros: A Arte de Morrer Longe (Mário de Carvalho), moderada por Cláudia Rodrigues, com João Tordo, Raquel Ochoa, Tiago Patrício e Tiago Salazar; A Arte de Lidar Com as Mulheres (Schopenhauer), moderada por Paula Moura Pinheiro, com Ana Luísa Amaral, Filipa Leal, Inês Fonseca Santos, João Paulo Cotrim e Waldir Araújo; A Arte da Guerra (Sun Tzu), moderada por Ricardo Miguel Oliveira, com Antonio Scurati, Carlos Vaz Marques, João Luís Barreto Guimarães e Pedro Mexia; A Arte da Libertação(Krishnamurti), moderada por Sílvio Fernandes, com Anselmo Borges, Gina Picart, Lídio Araújo e Tabish Kahir; e A Arte de Pagar as Suas Dívidas(Balzac), moderada por Carlos Vaz Marques, com Carlos Quiroga, Maria do Rosário Pedreira, Raquel Varela e Rui Zink.

 

O programa completo pode ser consultado aqui.

 

Retirado do Público

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub