Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

20
Abr13

Festival Terras sem Sombra apresenta música renascentista

olhar para o mundo

Festival Terras sem Sombra apresenta música renascentista


Festival Terras sem Sombra apresenta música renascentista

O Festival Terras Sem Sombras (FTSS) continuando por terras alentejanas, as tais que não têm sombra, tem já o seu segundo concerto marcado para as 21:30 deste sábado 20 de Abril na igreja matriz de Santiago do Cacém. 

Para este concerto neste emblemático monumento foi escolhida, para uma estreia nacional, a "Missa Sancti Jacobi", composta, em torno de 1428, por Guillaume Dufay, numa interpretação do agrupamento italiano LaReverdie.


Santiago do Cacém constitui, aliás, uma importante referência do Caminho de Santiago em terras do Sul. 


Desde há muitos séculos que os peregrinos aqui passam, em direcção a Compostela. 


A sua igreja matriz, fundada ao redor de 1310, ao abrigo da Ordem de Santiago, é um importante santuário de peregrinação, tendo, além disso, uma estrutura arquitectónica que lhe possibilita notáveis condições acústicas para a execução de música antiga.

 

O ensemble italiano laReverdie é um famoso agrupamento europeu de música medieval e renascentista, que ao longo do seu percurso foi aplaudido por exigentes públicos dos principais palcos do mundo, graças a um virtuosismo instrumental e vocal. 


Algo que lhe tem granjeado, desde o início da carreira, em 1986, importantes distinções no campo da música antiga, com realce para o último CD que editou, Carmina Burana – Sacri Sarcasmi.

 

Valorizando as ligações do Renascimento ao Alentejo, o concerto de Santiago do Cacém dará igualmente a conhecer uma excepcional peça da escola de Évora: o “Stabat Mater”, de Pedro de Escobar (c. 1465-depois de 1535), que a interpretação do agrupamento La Reverdie restitui ao texto integral – raramente ouvido entre nós em tempos modernos –, alternando polifonia e cantochão, como era habitual na prática interpretativa do século XV.

 

retirado do HardMúsica

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub