Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

29
Abr13

Gilda Mattoso voltou a seu a viúva de Vinícius

olhar para o mundo
Gilda Mattoso voltou a seu a viúva de Vinícius


Gilda Mattoso recorda as figuras e episódios das suas relações de trabalho e de amizade com nomes da música brasileira

 

“Neste ano, por causa do centenário, eu voltei a ser a viúva do Vinícius [de Moraes, 1913-1980]”. Gilda Mattoso começa assim a comentar, para o Ípsilon, o lançamento em Portugal do seu livro de memórias, Assessora de Encrenca (Ediouro, Rio de Janeiro). E fá-lo “com muito orgulho”, mesmo se salienta que a sua carreira de assessora de comunicação (e empresária) lhe granjeou estatuto suficiente para ser conhecida pelo seu nome próprio.

Gilda Mattoso passou na semana passada por Portugal – no regresso de uma digressão com Gilberto Gil por vários países árabes – para acompanhar a apresentação, em Lisboa e no Porto, de um livro que já saiu no Brasil em 2006, mas cujo conteúdo não perde actualidade: nele recorda as figuras, e episódios das suas relações de trabalho (e de amizade) com os principais nomes da música brasileira.

Vinícius, primeiro que todos: “Tenho muito orgulho em ter sido mulher dele”, diz da relação que manteve com este fundador da Bossa Nova. Começou a trabalhar com Vinícius como assessora, tornou-se depois sua companheira nos dois últimos anos da vida do poeta e compositor. “Foi a pessoa mais generosa que conheci, em primeiro lugar nos afectos, sempre com uma grande disponibilidade para o outro”, diz Gilda. Como criador, e principalmente no início da sua carreira, “contava-me ele, era muito angustiado com as questões metafísicas do mundo”. “E manteve sempre o pavor da morte”, acrescenta a viúva do compositor de Canção de nós dois, recitando mesmo uma frase dele sobre o tema: “A morte, quando ela virá me buscar, como uma velha amante, sem saber que é a minha mais nova namorada...”

Além de Vinícius, Tom Jobim e Cateno Veloso são as duas figuras mais citadas neste livro de memórias e histórias, onde, no entanto, Gilda faz questão de nunca ultrapassar a fronteira da intimidade e da privacidade a que os seus amigos têm direito. “Eu não sou o mordomo da Lady Di”, respondeu a autora a um jornalista brasileiro. Repetiu-o agora ao Ípsilon, dizendo saber “perfeitamente o que pode ou não pode ser contado” – por causa disso, nota, “muitos jornalistas brasileiros ficaram frustrados com Assessora de Encrenca”.

O que podemos, então, saber de Jobim e Caetano? “Tom Jobim é, talvez, a pessoa mais inteligente que conheci na vida. Uma inteligência muito subtil e delicada. Mas era um homem a quem o sucesso incomodava”, responde Gilda, lembrando que o autor de Garota de Ipanema tinha medo de andar de avião, e que era sempre muito difícil conseguir que ele se dispusesse a viajar para fazer concertos. “Até para vir a Portugal foi uma luta”, diz a então sua empresária, a recordar o (único) concerto que Tom Jobim veio fazer a Lisboa, em Setembro de 1992, dois anos antes de morrer.

“Caetano é muito mimado. Foi criado com muitas mulheres: mãe, irmãs, primas, tias – ele era o quindin das tias... Mas sempre chamou a atenção pela inteligência, e gostava de cantar desde pequeno. Ainda hoje em dia é muito distraído, e mal sabe amarrar um sapato...”

Sobre o título Assessora de Encrenca, a autora explica que ele regista um comentário da sua filha quando era ainda criança e lhe confidenciou que, quando crescesse, quereria ser “igual a você, mamãe, assessora de ‘encrenca’ (tentando dizer imprensa)”. “Então eu pensei: ‘A minha filha é uma génia’; é que ‘encrenca’ é a minha verdadeira profissão”, diz Gilda, entre risos.

No Porto, o livro foi apresentado na sede do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto pelo seu presidente, Manuel de Novaes Cabral. Foi um momento de relançamento de Assessora de Encrenca, que – admite a autora – poderá vir a ter uma edição expressamente em português, e entretanto está a ser traduzido em italiano, para uma edição neste país, que cada vez mais se vem rendendo à música brasileira.

 

retirado do Público

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub