Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

29
Abr13

Um Shakespeare lido no Japão vai abrir o ano do Teatro Oficina

olhar para o mundo
Um Shakespeare lido no Japão vai abrir o ano do Teatro Oficina

 

O Rei Lear marca o regresso da companhia aos palcos

Inglaterra-Japão-Portugal. Foi algures neste eixo que o Teatro Oficina (TO) encontrou o caminho a percorrer para a sua nova produção, O Rei Lear, de William Shakespeare. O espectáculo marca o regresso da companhia aos palcos, depois do ano intenso de 2012. Mais para o final do ano, a estrutura sediada em Guimarães volta à circulação nacional, de mãos dadas com a Mala Voadora. O espectáculo que abre o novo ano para o TO começou a tomar corpo no Japão, quando os actores Emílio Gomes e José Eduardo Silva e o director artístico, Marcos Barbosa, ali estiveram em Agosto, a trabalhar com sobreviventes do tsunami, a partir do texto de Shakespeare. Na cidade de Iwaki e tornou-se impossível contornar a forma como a vida das pessoas com quem se cruzaram mudou desde a catástrofe. A violência daquele momento vai reflectir-se nesta nova criação.

Mas haverá também um olhar português, sublinhando a leitura contemporânea sobre a grande tragédia de Shakespeare. O Rei Lear do TO parte de uma nova tradução, assinada por Fernando Villas-Boas e estreará no dia 17 de Maio, na Caixa Negra da fábrica ASA, em Guimarães, mantendo-se em cena até ao dia 26 desse mês.

O director Marcos Barbosa é o encenador do espectáculo, que junta em palco nove actores, a maioria dos quais fizeram parte da equipa que trabalhou mais de perto com a companhia vimaranense durante o ano passado. A opção por um clássico para começar o ano é também “a forma de colocar em cima do palco todo o trabalho efectuado em 2012”, justifica o responsável.

Depois do clássico, os contemporâneos. Em Julho, o TO apresenta Title and Deed, de Will Eno, monólogo interpretado por Jorge Andrade, da companhia Mala Voadora. Essa criação será o ponto de partida para uma colaboração mais intensa entre a companhia de Guimarães e a estrutura sediada em Lisboa, que este ano celebra dez anos. O TO será anfitrião da Mala Voadora até ao final do ano e os actores das duas estruturas juntam-se em palco em Setembro para a primeira montagem feita em Portugal de The Day Room, de Don Dellilo. É uma comédia negra com encenação de Jorge Andrade e chegará em Outubro ao espaço Negócio, em Lisboa. “É a altura de voltarmos a circular”, defende Marcos Barbosa, pondo fim a dois ano de trabalho “em casa” por força da Capital Europeia da Cultura. 

Retirado do Público

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D