Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

29
Abr13

Um Shakespeare lido no Japão vai abrir o ano do Teatro Oficina

olhar para o mundo
Um Shakespeare lido no Japão vai abrir o ano do Teatro Oficina

 

O Rei Lear marca o regresso da companhia aos palcos

Inglaterra-Japão-Portugal. Foi algures neste eixo que o Teatro Oficina (TO) encontrou o caminho a percorrer para a sua nova produção, O Rei Lear, de William Shakespeare. O espectáculo marca o regresso da companhia aos palcos, depois do ano intenso de 2012. Mais para o final do ano, a estrutura sediada em Guimarães volta à circulação nacional, de mãos dadas com a Mala Voadora. O espectáculo que abre o novo ano para o TO começou a tomar corpo no Japão, quando os actores Emílio Gomes e José Eduardo Silva e o director artístico, Marcos Barbosa, ali estiveram em Agosto, a trabalhar com sobreviventes do tsunami, a partir do texto de Shakespeare. Na cidade de Iwaki e tornou-se impossível contornar a forma como a vida das pessoas com quem se cruzaram mudou desde a catástrofe. A violência daquele momento vai reflectir-se nesta nova criação.

Mas haverá também um olhar português, sublinhando a leitura contemporânea sobre a grande tragédia de Shakespeare. O Rei Lear do TO parte de uma nova tradução, assinada por Fernando Villas-Boas e estreará no dia 17 de Maio, na Caixa Negra da fábrica ASA, em Guimarães, mantendo-se em cena até ao dia 26 desse mês.

O director Marcos Barbosa é o encenador do espectáculo, que junta em palco nove actores, a maioria dos quais fizeram parte da equipa que trabalhou mais de perto com a companhia vimaranense durante o ano passado. A opção por um clássico para começar o ano é também “a forma de colocar em cima do palco todo o trabalho efectuado em 2012”, justifica o responsável.

Depois do clássico, os contemporâneos. Em Julho, o TO apresenta Title and Deed, de Will Eno, monólogo interpretado por Jorge Andrade, da companhia Mala Voadora. Essa criação será o ponto de partida para uma colaboração mais intensa entre a companhia de Guimarães e a estrutura sediada em Lisboa, que este ano celebra dez anos. O TO será anfitrião da Mala Voadora até ao final do ano e os actores das duas estruturas juntam-se em palco em Setembro para a primeira montagem feita em Portugal de The Day Room, de Don Dellilo. É uma comédia negra com encenação de Jorge Andrade e chegará em Outubro ao espaço Negócio, em Lisboa. “É a altura de voltarmos a circular”, defende Marcos Barbosa, pondo fim a dois ano de trabalho “em casa” por força da Capital Europeia da Cultura. 

Retirado do Público

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D