Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

26
Mai13

Palmarés de Cannes para atingir o orgasmo?

olhar para o mundo

Steven Spielberg anuncia hoje a Palma de Ouro da 66.ª edição do Festival de Cannes. Tudo em aberto, mas com alguns favoritos a destacar-se.

 

Se La Vie d"Adèle Chapitres 1 et 2, de Abdellatif Kechiche, receber hoje a Palma de Ouro de Cannes, vai-se atingir novo orgasmo na Croisette. Que desde o filme vive numa post coital tristesse. Filme que tem merecido elogios apaixonados e totalitários, pela forma como a intimidade amorosa entre duas personagens e duas actrizes, Adele Exarchopoulos e Lea Seydoux, puxa o espectador para um vórtice, vai ser teste para sublinhar ou negar o que julgamos saber sobre Steven Spielberg, presidente do júri - aquela ideia, nunca provada, de que um palmarés tem o rosto do presidente e todos achamos que sabemos tudo sobre Spielberg. Procurará ele superar essa ideia feita, e trabalhar uma outra versão de si próprio, escolhendo um filme que estará nos antípodas da sua dieta cinéfila? Ou "despachará" o filme premiando a(s) intérprete(s)?

 

Filmes mais confortáveis há vários, e com favoritismos: Jeune et Jolie, de François Ozon (até ser exibido o filme de Kechiche, Marine Vacth era o corpo feminino para prémio de interpretação, agora é complicado...), Tel Père, Tel Fils, de Hirokazu Kore-Eda (possibilidades spielberguianas), Inside Llewyn David, dos Coen, o inenarrável La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino, ou mesmo esse filme em busca do pai, tema spielberguiano, como Nebraska, de Alexander Payne.

 

Ontem começaram a ser anunciados os prémios das secções ou de organismos paralelos. Na secção Un Certain Regard, o vencedor foi L"Image manquante, de Rithy Panh, enquanto o Prémio do Júri foi para Omar, de Hany Abu-Assad, e o Prémio de Realização para L"inconnu du lac, de Alain Guiraudie.Gambozinos, curta de João Nicolau, ganhou o Prix Illy para melhor curta na Quinzena dos Realizadores, secção em que reincide, depois de Rapace (2006) e Canção de Amor e Saúde (2009). Filme muito delicado, produz uma sensação contraditória: parece aprisionado num universo emprestado, o da infância tal como Miguel Gomes petrificou nas suas primeiras curtas.

 

Já o prémio Fipresci para a competição, da associação internacional de críticos de cinema, foi para o favorito La Vie d"Adèle. O norte-americano Blue Ruin, a história de um vagabundo contada por Jeremy Saulnier, foi o preferido dos críticos na Quinzena dos Realizadores, enquanto na secção Un Certain Regard a sua escolha foi para Les Manuscrits ne brûlent pas, um violento ataque ao regime iraniano da autoria de Mohammad Rasoulof. Foi também já atribuído o Prémio Ecuménico, a outra obra iraniana, o filme Le Passé, de Asghar Farhadi.

 

Retirado do Público

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub