Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

25
Set13

Palmilha Dentada entra em cena no Porto

olhar para o mundo

Palmilha Dentada entra em cena no PortoPalmilha Dentada entra em cena no Porto

Palmilha Dentada, um grupo de teatro do Porto, começa a 25 de Setembro, uma temporada de cerca de dois meses no Teatro Estúdio Latino, com a apresentação de duas peças em ligação directa com a realidade política actual.

Em “Gene do Corvo”, que estará em cena de 25 Setembro a 27 Outubro, relata-se a história de um homem que espera um telefonema do primeiro-ministro para saber se entrará no elenco governativo, enquanto que  ”Empreendedoriza-te”, a apresentar entre 31 de Outubro a 22 de Novembro, é um “guia para a sobrevivência no século XXI”.

As peças são escritas por Ricardo Alves que também tem a seu cargo a encenação dos dois trabalhos do Palmilha Dentada, o primeiro uma coprodução com o TIPAR – Teatro Independente de Paranhos e “Empreendedoriza-te”, uma peça já estreada no ciclo “Corrente Alterna”, do Teatro Nacional de São João.

Ricardo Alves afirma que o “Gene do Corvo era uma coisa que já queria escrever há muito tempo”. 
Uma forma de “tentar perceber quem são os senhores que nos governam, o que é que vai na cabeça dos jovens políticos que basicamente foram criados nas juventudes partidárias”.

É gente que, segundo o dramaturgo, “de repente são poder sem nunca terem passado por uma profissão estável, por uma profissão paralela à sua actividade política, sem terem construído uma realidade sua”.

A pergunta que faz é “como é que essas pessoas chegam à política e que valores e que dinâmicas levam para a política” traduzida num monólogo, protagonizado por Nuno Preto, em que “um senhor está à espera que lhe ligue o primeiro-ministro, porque ele está na esperança de ser ministro, secretário de Estado ou até adjunto”.

No “Empreendeoriza-te”, Ricardo Alves diz que o grupo “abraça definitivamente o teatro útil”, num momento em que “o empreendedorismo é a pedra de toque, a grande mensagem que este Governo quer passar às pessoas” que “basicamente é "desenrasquem-se como puderem que a gente tem mais que fazer que vos aturar"”.

Com ironia, Ricardo Alves que dirige uma companhia não subsidiada, diz que ficaram “um pouco angustiados” e acharam que deviam “ajudar as pessoas a empreendedorizar-se ou, pelo menos, a dizer-lhes que há alternativas”.

O espectáculo é uma espécie de curso, que “lhe ensinará o essencial para viver feliz sem Xanax”, em que se vão seguindo histórias de pessoas que se estão a tentar “empreendedorizar”com os actores Ivo Bastos, Nuno Preto e Rodrigo Santos, música original de Rodrigo Santos, direcção plástica de Sandra Neves, figurinos de Inês Mariana.

 

Retirado do HardMúsica

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub