Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

28
Out13

Por que traímos? As razões para o crescente aumento da infidelidade nas relações amorosas

olhar para o mundo

Por que traímos?

«Já não confiava no meu namorado e acabei por traí-lo», assume Raquel, 35 anos. «Um dia, conheci um amigo de uma amiga por quem senti uma química muito forte. Ele convidou-me para sair, jantámos algumas vezes juntos e acabámos por trocar alguns beijos. Namorava há quatro anos mas já não confiava no meu namorado nem acreditava no futuro da nossa relação», admite hoje.

 

«Ele mentia-me em várias circunstâncias e, mais tarde, vim mesmo a confirmar que ele me traía. Não me orgulho do que fiz e, na altura, deixei-me envolver porque estava muito carente e não me sentia amada. Mas, hoje, sei que mesmo que volte a passar pelo mesmo, não quero repetir este comportamento», considera, contudo, Raquel.

 

Um especialista revela as causas que estão na origem da infidilidade e afirma que é possível superar e até mesmo evitar uma traição. Rotina. Perda de intimidade. Desilusão. E, mais tarde, o foco excessivo nos filhos. Estes são, segundo Manuel Peixoto, presidente da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, os principais motivos que levam homens e mulheres a trair.

 

No entanto, estudos recentes têm mostrado que a prática de infidelidade pode estar relacionada com determinadas características da personalidade e, até, com uma pré-disposição genética. O especialista explica que há «um permanente conflito entre a determinante biológica, a psíquica e a cultural. Afinal, a monogamia não está na essência biológica do ser humano, é uma imposição cultural e social». Ainda assim, não deixa de alertar que prevenir uma traição é possível e encara a infidelidade como uma decisão do casal.

 

O mito de que os homens traem mais


Estudos recentes provam que entre a percentagem de homens e mulheres que admitem já terem traído, a diferença é, na verdade, muito pequena. Num estudo da Universidade de Guelph (Canadá), 19% das mulheres confessou já ter traído, face a 23% dos homens. No entanto, tanto no caso feminino como masculino, os números reais podem ser muito superiores.

 

 

Outro estudo da Universidade de Montreal, no Canadá, revelou que 41% dos inquiridos já tinha sido infiel. «Os estudos não são consensuais», constata Manuel Peixoto, explicando que «por um lado, a definição de infidelidade é muito variável, tem um grande peso moral e religioso e, por outro, mesmo com garantia de anonimato, as pessoas têm dificuldade em assumir a infidelidade, devido à pressão social associada».

 

Foi traída. A culpa é sua?


Embora existam exceções, o psicólogo e terapeuta encara a infidelidade como uma decisão do casal. «Há um que a executa, mas a infidelidade tem um significado no contexto da relação conjugal. Quando acontece, geralmente, a culpa é de ambos e isso tem que estar clarificado para se avançar para uma terapia de casal sob uma situação de infidelidade», alerta.

 

Na sua prática clínica, o especialista confidenciou-nos que a maioria dos casos de infidelidade decorre de uma deterioração da relação ou de uma provocação ao parceiro, na tentativa de reativar a relação. E, em ambos os casos, o motivo é sempre o mesmo. «A relação está desprezada e já não há momentos de intimidade, porque a rotina se instalou ou porque os filhos passaram a ser o único foco do casal», revela o especialista.

 

Os genes da infidelidade


«Um casal que se desleixa, que não cuida de si, está a cometer um crime contra si próprio. A perda de intimidade do casal, leva, por vezes, à procura de uma intimidade fora do casal», alerta Manuel Peixoto e essa é, segundo o especialista, uma das principais causas da infidelidade. Mas existem outras. Em alguns casos, na origem da traição podem estar determinadas características da personalidade e, até, uma pré-disposição genética.

 

O estudo já citado, realizado pela Universidade de Montreal, concluiu que as pessoas com um estilo de afeto esquivo (com dificuldade em estabelecer relações de intimidade e que têm medo do compromisso) têm mais propensão a trair. Outro estudo norte-americano, levado a cabo pela State University of New York foi mais longe e descobriu que os genes associados aos comportamentos que buscam novas sensações, como o consumo de álcool ou o jogo, também podem estar associados à promiscuidade sexual e à infidelidade.

 

Os investigadores concluíram que as pessoas com a variação genética designada de DRD4 7R+ eram mais propensas a cometer infidelidade. Cerca de 50% dos indivíduos estudados que tinham a variação 7R+ relatou ser infiel, em comparação com 22% que não tinha essa variação genética, concluiu a investigação.

 

Infidelidade feminina versus masculina


Na pesquisa da Universidade de Montreal, os investigadores diferenciaram também os motivos que levam homens e mulheres a trair e identificaram como principais preditores da infidelidade masculina a facilidade de excitação sexual e a preocupação com a falha no desempenho sexual. Já para as mulheres, a questão da felicidade é primordial e, segundo o estudo, as mulheres que estão insatisfeitas no seu relacionamento são duas vezes mais propensas a trair.

 

Contudo, o especialista Manuel Peixoto considera que esta é uma realidade que está a mudar. «Atualmente, já há uma grande percentagem de homens que trai, em busca de um envolvimento afetivo», diz o especialista. Um estudo publicado recentemente pelo The Wall Street Journal avança também que a forma como as mulheres encaram os relacionamentos está a mudar. No estudo, 77% das mulheres disseram que precisavam de ter o seu espaço pessoal num relacionamento, em oposição a 58% dos homens.

 

O sentimento de culpa


É comum depois de uma traição surgir o sentimento de culpa. A intensidade desse sentimento é, no entanto, diferente entre homens e mulheres, de acordo Manuel Peixoto. «Na minha prática clínica, é frequente as mulheres falarem das suas infidelidades com relativa tranquilidade. Normalmente, entendem a traição como uma consequência de uma deterioração da relação conjugal e vivem o acontecimento com mais sentido de responsabilidade», ressalva o especialista.

 

«Já os homens podem viver a situação com uma enorme ansiedade e sentimentos de culpa avassaladores», revela ainda. O especialista alerta que o problema não está na infidelidade mas, sim, nos motivos que levaram à traição e que podem ser prevenidos. Já lhe tinha ocorrido?

 

É possível superar uma traição?


«Claro que sim». Esta é a resposta de Manuel Peixoto. No entanto, o especialista alerta que, para que a traição seja superada, é fundamental que o casal reconheça que a responsabilidade do sucedido é de ambos, mesmo quando é só um a ser infiel. «Muitos casos terminam em divórcio», reconhece mas, quando a traição decorre de uma deterioração da relação, é possível recomeçar, voltando a estimular a paixão», refere.

 

A capacidade de perdoar é outro requisito fundamental e que, segundo o especialista, se torna menos dolorosa, quando a infidelidade é mútua. «A separação ocorre, principalmente porque as pessoas se distanciaram de tal forma que já houve um divórcio emocional há muito tempo atrás», conclui.

 

O testemunho de outra mulher que também traiu


«Vivia com ele e fui enganada durante dois anos», começa por justificar-se Daniela, 33 anos. «Já várias pessoas me tinham dito que tinham visto o meu namorado com outra mulher, mas eu nunca acreditei. Ao fim de seis anos de namoro, quando já estávamos a viver juntos e a planear o nosso casamento, ele confessou-me que já me tinha traído, mas ocasionalmente, e eu ainda o perdoei», recorda.

 

«Pouco tempo depois, vim a saber que, afinal, a traição não tinha sido pontual e que ele mantinha uma outra relação, há dois anos. Senti-me completamente perdida e saí de casa. Ele ainda tentou reatar várias vezes mas eu não cedi e, hoje, tenho a certeza de que foi a melhor decisão que tomei», considera Daniela.

 

3 passos para evitar uma traição:


1. Nunca deixe de investir na relação e não fique à espera que seja sempre o outro a tomar a iniciativa. É fundamental que os dois elementos contribuam de forma equilibrada para o bem-estar do casal. Quando é só um a investir, a probabilidade de ocorrer uma traição é maior.

 

2. Exprima o que sente, provando que está atenta às necessidades do seu companheiro. Amar é cuidar do outro, tomar em consideração os desejos do outro e não o amor-próprio.

 

3. Não se foque em demasia na família. Não se esqueça que existe uma entidade de casal, além da entidade de família. Reservem tempo para os dois, voltem a namorar, saiam para jantar fora, agendem um fim de semana a dois.

 

Texto: Sofia Cardoso

 

 

Retirado do Sapo Mulher

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub