Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Jan14

À Espera de Godot entra em cena no Teatro Nacional São João no Porto

olhar para o mundo
à espera de godot

À Espera de Godot, com tradução e dramaturgia de Francisco Luís Parreira, sobe ao palco do Teatro Nacional de São João no Porto a 09 de Janeiro


Carlos Pimenta aborda esta peça de Beckett, uma das mais marcantes do século XX, lembrando que a "inscrição da obra no "tempo do teatro" desliga-a do "tempo da literatura", na medida em que a sujeita a uma leitura partilhada por corpos num tempo comum. Neste contexto, podemos dizer que um espectáculo teatral é, para além do texto que lhe estará na origem, o resultado do trabalho, pensamento e experiências de um conjunto de pessoas num determinado tempo das suas vidas."

 

Esta parece-nos ser a forma certa de encarar a dramatização de obra literária, fazendo-a passar do indivíduo e dos indivíduos, que a sustentam em palco, para a Humanidade.

 

A cena abre numa estrada deserta, junto a uma árvore, onde dois homens sem eira nem beira: Didi e Gogo estão entretidos em jogos e picardias aguardando alguém que nunca chegará.

 

"À Espera de Godot", por vezes encarada com uma farsa ou até mesmo uma parábola bíblica, sublinhava a forte turbulência política, económica e social, do início dos anos 50, consequência da Segunda Guerra Mundial, esperando-se alguém ou alguma coisa que desse uma esperança depois da derrocada sofrida.

 

"À Espera de Godot" traduz em dois personagens que fingem que não esperam, o acto de esperar, sem esperança, de toda a Humanidade que vai fazendo coisas tentando entreter essa espera que não termina porque nada chega.


Godot existe na imaginação dos desesperados.


Carlos Pimenta transpõe o seu "À espera de Godot" para a actual situação política e económica: "Vivemos hoje uma situação equivalente: a ruína de pressupostos que não se concretizaram, a espera de qualquer coisa, ou de alguém que está para vir, não se sabendo se esse alguém será um deus ou um clown.


Enquanto nada acontece, esperamos: mais ligados à terra como Gogo ou mais atraídos pela dimensão simultaneamente racional e cósmica de Didi".


"À espera de Godot" foi a primeira peça de teatro escrita por Samuel Beckett (1906-1989), um dramaturgo irlandês.


Escrita originalmente em francês, foi publicada pela primeira vez em 1952 e apresentada no pequeno Théâtre Babylone em Paris, com direcção de Roger Blin (1907-1984).
É considerado um das principais textos do teatro do absurdo e a principal obra de Samuel Beckett.


"À Espera de Godot", com tradução e dramaturgia de Francisco Luís Parreira, é uma co-produção de Ensemble – Sociedade de Actores e do São Luiz Teatro Municipal, com a colaboração do Teatro Nacional São João.


Estará de 09 a 19 de Janeiro, de quarta a sábado, às 21:30, e aos domingos pelas 16:00. O preço dos bilhetes varia entre os 7,5 euros e os 16 euros.

 

retirado do HardMúsica

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub