Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

09
Jan14

Teatro de São João - Juntar Almada Negreiros a uma trupe de b-boys

olhar para o mundo
Juntar Almada Negreiros a uma trupe de b-boys
Novo espectáculo de Ricardo Pais é o destaque da programação do primeiro trimestre do Teatro de S. João.
O Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto, não escapa aos cortes orçamentais: nos últimos três anos, houve uma redução de 16 por cento nos custos fixos e o orçamento anual fica aquém dos cinco milhões de euros (já chegou aos sete). Porém, tal não impede que a programação do primeiro trimestre seja bastante preenchida. O maior destaque vai para a estreia de al mada nada, espectáculo de Ricardo Pais que junta textos de Almada Negreiros à fisicalidade dos Momentum Crew, um grupo de dança urbana constituído por dez b-boys e que o encenador conheceu no programa Portugal tem Talento.

A estreia ocorre a 26 de Março, um mês especialmente carregado em termos de programação, já que os três espaços geridos pelo TNSJ estarão ocupados quase a tempo inteiro: na casa-mãe, a partir de dia 13, será reposto Turismo Infinito (incursão de Ricardo Pais por Fernando Pessoa e heterónimos), que se cruza com al mada nada a 26; no dia 20, no Teatro Carlos Alberto, estreia O Filho de Mil Homens, uma co-produção com o Teatro Bruto baseada no romance homónimo de Valter Hugo Mãe; e a 21, no Mosteiro de São Bento da Vitória, estreia-se Paus e Pétalas, uma co-produção da Circolando com o TNSJ, o lisboeta Teatro São Luiz e o vimaranense Centro Cultural Vila Flor. Para além disso, a 27 de Março (Dia Mundial do Teatro), o Palacete Pinto Leite também será ‘ocupado’ com outra estreia: Até comprava o teu amor, uma parceria com o Teatro do Vestido.

 

As co-produções – que permitem uma significativa “economia de escala” – são uma constante deste cardápio e alargam-se além dos tradicionais grupos independentes do Porto (como a Circolando, ASSéDIO, Ensemble e Teatro Bruto) e do parceiro natural, o Teatro Nacional D. Maria II. “Hoje em dia tem de ser. Estivemos afastados muitos anos, mas sempre acolhemos espectáculos estrangeiros com uma resma de co-produtores, que muitas das vezes até eram festivais”, reconhece Nuno Carinhas, director artístico do TNSJ.

 

Os três espectáculos que têm por base textos de William Shakespeare (Luísa Costa Gomes molda os sonetos do dramaturgo inglês em Actor Imperfeito, Nuno Cardoso e o Ao Cabo Teatro reinterpretam Coriolano, enquanto Beatriz Batarda encena a comédia romântica Como Queiram) são igualmente destacados. “Quando vi o alinhamento impresso fiquei admirado com a riqueza da programação, que claramente consegue criar elos entre os espectáculos. Três deles são de Shakespeare, Ricardo Pais faz a transição de Fernando Pessoa para Almada Negreiros, o outro grande poeta de Orpheu, e retomamos o Beckett de ‘Ah, os Dias Felizes’ com ‘À Espera de Godot’”. É precisamente essa peça que abre a programação de 2014, numa encenação de Carlos Pimenta que estará em cena de 9 a 19 de Janeiro.

 

Retirado do Sol

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub