Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Out16

Clipe e single inédito do Yokohama Café explora a linha tênue entre o divertido e o bizarro

olhar para o mundo

yokohamacafé.jpg

 

Clipe e single inédito do Yokohama Café explora a linha tênue entre o divertido e o bizarro
“O Menino no Vidro” é o nono single lançado pelo projeto neste ano


Imagina uma banda que todo mês lança uma música, muda a formação e faz uma sessão de fotos diferente. Este exercício de amizade e criatividade foi criado pelo músico Allan Yokohama e se chama Yokohama Café. Na nona música da edição 2016 do projeto, a banda mutante divulga o carro chefe do trabalho: O lisérgico e cinematográfico clipe da inédita canção “O Menino no Vidro (ou O Nome que Achar Melhor)”, disponível no canal oficial do grupo.

A faixa brinca com a linha tênue entre o divertido e o bizarro. Numa espécie de Opera Rock Circense , os vocalistas vão se revezando numa montanha russa emocional para contar a história de um cara que acaba armazenado em uma espécie de vidro de formol. Trata-se ainda de uma história de amor, cheia de sarcasmo e ironia, mas ainda sim, a descrição tortuosa de um romance que chegou ao fim, com seus arrependimentos, culpas , desejo e vontade de seguir em frente com um sorriso no rosto, ainda que seja para rir da desgraça alheia.  

Com inspirações em filmes como "O Grande Lebowski", dos irmãos Coen, e "Medo e Delírio em Las Vegas", do diretor Terry Gilliam, o clipe da canção aproveita o refrão "Pode me etiquetar com o nome que achar melhor" para mostrar que as pessoas são livres para serem elas mesmas sem medo do absurdo, numa atmosfera que imita a completa liberdade artística que o Yokohama Café se propõe a mostrar.

A produção do clipe ficou por conta da BUZZ Creative Content Studio, de Curitiba (PR), com direção de Duda Justus e protagonismo coletivo de Handerson Banks (da banda Banks), Paulo Perazzoli, Renan Gerhardt, Jimmy Lyn (Carne de Onça), Allan Yokohama (Poléxia, Terminal Guadalupe), Bê Müller (Narciso Nada), Gustavo Schirmer, Luna Tik, Rapha Moraes (Poléxia, Nuvens) e Victor Sálvaro.

Gravada no Schirmer Studio, a música é mais uma parceria entre Allan Yokohama e Rodrigo Medeiros (Narciso Nada), que fazem as vozes da faixa junto com Andrew Knoll (ator e músico), Handerson Banks e Gustavo Schirmer. Schirmer e Allan assinam todo o instrumental, com participação de Macca Tavares (Banks) no baixo. As fotos de divulgação são de Osvaldo Vanguarda.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub