Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Mai17

Esperanza Fernández, diva flamenca, canta José Saramago em Serpa

olhar para o mundo

terrassemsombra.jpg

Esperanza Fernández, diva flamenca,
canta José Saramago em Serpa

Serpa será a próxima localidade do Baixo Alentejo a receber o Terras sem Sombra, após Almodôvar, Odemira, Santiago do Cacém e Castro Verde. O festival defende um programa de excelência na área da música sacra e desvela as histórias de palácios, igrejas e outros monumentos das povoações, estabelecendo pontes entre o património imaterial e material. A realização de acções de voluntariado para a salvaguarda da biodiversidade é outra das suas marcas.
Todos os concertos decorrem em igrejas recuperadas ao longo dos últimos anos, mas Serpa constituirá a excepção: o espectáculo terá lugar na praça principal da cidade, no dia 6 de Maio, às 21h30.
 
 

 

Escutar a alma do cante jondo

O flamenco na sua dimensão pura chega ao Alentejo por uma das mais belas e expressivas vozes da actualidade, a da cantaora Esperanza Fernández, acompanhada pelo grande guitarrista Miguel Ángel Cortés e, na percussão, por outras referências da música andaluza: Jorge Pérez «El Cubano», Dani Bonilla e Miguel Junior. Temas profundamente religiosos, como o Agnus Dei, o Kyrie ou o Cordero de Dios, vertidos na liturgia popular em ritmos de soleá, petenera ou siguriya, alternam com outros inspirados por José Saramago, a quem a cantaora sevilhana do bairro de Triana dedicou um disco, intitulado Mi voz en tu palabra.

Pouco conhecida entre nós, a não ser no aspecto folclórico, a devoção andaluza estabelece notáveis pontes entre a espiritualidade e a arte. Revisitando a herança espiritual de Sevilha a partir do cante jondo, Esperanza evoca a religiosidade do povo cigano, a que pertence, e aproxima-a com encanto da poesia de José Saramago.

A realização deste espectáculo em plena Praça da República de Serpa, a poucos metros da antiga Porta de Sevilha, outrora rasgada nas muralhas desta cidade, é um sinal bem expressivo da abrangência, em clave ibérica, com que o Terras sem Sombra encara as relações entre a música religiosa e a sociedade dos nossos dias. Na verdade, ajusta-se à 13.ª edição do festival, que tem como fio condutor “Da Espiritualidade na Arte”.
 
Um tesouro alentejano: o palácio dos Marqueses de Ficalho

A tarde de sábado é consagrada a uma visita ao centro histórico de Serpa, que se inicia às 14h30, junto à Câmara Municipal, e terá por fulcro o palácio dos Marqueses de Ficalho. Este notável edifício, residência particular da família Ficalho e classificado como Monumento Nacional, abre ao público as portas, excepcionalmente, nesta ocasião.

Sito na zona alta de Serpa, o palácio insere-se no conjunto das muralhas. Trata-se de um exemplar erudito da arquitectura civil maneirista, fiel aos princípios da tratadística italiana de Quinhentos, e que chegou quase inalterado à actualidade.
 
Proteger a biodiversidade da Serra de Ficalho
 
Na manhã de domingo, com partida de Serpa às 10h00, a Serra de Ficalho será o alvo de uma acção de salvaguarda da biodiversidade que tem por centro o olival tradicional. Atingindo 518 m de altura, é a elevação mais relevante da vasta mancha de terrenos metamórficos que se estende desde a fronteira até Montemor-o-Novo, constituindo um relevo de rochas carbonatadas no seio de uma matriz xistosa. A existência de matagais densos e fechados permite o abrigo de muitas espécies de mamíferos, nomeadamente o lince ibérico.

A diferenciação do património natural desta zona verifica-se também ao nível do uso do solo e, especialmente, da vocação da serra para a cultura do olival, de cariz tradicional, com muitas variedades locais (Cordovil de Serpa, Galega, Verdeal Alentejana, Carrasquenha, Bico de Corvo, Cornicabra, Gama e Maçanilha). Partindo de Vila Verde de Ficalho, será realizado um percurso de descoberta do território raiano nas componentes geológicas, biológicas e da sua riquíssima tradição olivícola.

Programa Serpa
 
6 Maio
 
Património
14:30 – 17:30 – Visita ao Centro Histórico
Local em destaque – Palácio dos Marqueses de Ficalho
Ponto de encontro – Praça da República
 
Música
21H30 – A Minha Voz na Tua Palavra: Da Devoção Popular à Poesia de Saramago
Local: Praça da República
 
Cantaora: Esperanza Fernández
Guitarra: Miguel Ángel Cortés
Palmas e percussão: Jorge Pérez “El Cubano”, Dani Bonilla, Miguel Junior
 
7 Maio
 
Biodiversidade
Engenho humano e olival tradicional em torno da Serra de Ficalho
10:00 – Partida: Cineteatro Municipal

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub