Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

20
Jan14

Ilustrarte: Um Tetris de esponja em Belém

olhar para o mundo
Ilustrarte: Um Tetris de esponja em Belém
A Ilustrarte, Bienal de Ilustração para a Infância, abriu portas na sexta-feira no Museu da Electricidade. O espaço volta a surpreender: desta vez as ilustrações estão envoltas em cubos de esponja.

Já foram mesas de cabeceira, já foram malas. Agora, a dupla de arquitectos Pedro Cabrito e Isabel Diniz propõe para o cenário industrial do Museu da Electricidade, em Belém, cubos de esponja a envolver as molduras das 150 ilustrações seleccionadas. Um enorme Tetris, que convida à interacção e às brincadeiras dos mais novos.

 

À sexta edição, a terceira na antiga Central Tejo, a Ilustrarte apresenta números dignos de respeito. Receberam propostas de dois mil participantes, provenientes de 72 países. O que significa que apenas 2,5% dos trabalhos foram seleccionados pelo júri desta edição, constituído por ilustradores (os italianos Chiara Carrer e Valerio Vidali, o belga Carll Cneut) e a editora e designer polaca Ewa Stiasny.

 

O acordeão do diabo

 

E foi esse júri que distinguiu com o Prémio Ilustrarte 2014 o trabalho da jovem alemã Johanna Benz. As ilustrações fazem parte de um livro editado pelo Instituto das Artes de Leipzig, que conta com cores muito vivas e num estilo aparentemente infantil a história de um navio que partiu de Hamburgo com um carregamento de instrumentos e que naufraga ao largo da Colômbia. E um acordeão vai parar a Pacho Rada, nome maior do folclore daquele país, o chamado ‘acordeão do diabo’.

 

O júri distinguiu ainda, com menções especiais, o argentino Diego Bianki (que utilizou caixas pintadas) e a polaca Urszula Palusinska (que ilustra um pequeno dicionário hebraico-polaco).

 

“Agrada ver claramente a evolução da ilustração. Há dez anos a moda era a ilustração com muitos elementos, muita colagem. E agora houve uma certa depuração da imagem e há referências claras à ilustração dos anos 50 e 60, com a utilização de cores directas. E a gravura está muito na moda”, destaca Eduardo Filipe, organizador da Ilustrarte.

 

Além dos trabalhos dos 50 seleccionados (seis dos quais portugueses), há ainda uma homenagem ao escritor José Jorge Letria, e uma retrospectiva de Chiara Carrer. Tudo para ver até 13 de Abril.

 

Retirado do Sol

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub