Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

05
Abr17

O cinema português no 14.º IndieLisboa – Festival Internacional de Cinema Independente

olhar para o mundo

indie.jpg

 

O cinema português no 14.º IndieLisboa – Festival Internacional de Cinema Independente

 

Sinal da genética missão com a mostra do melhor cinema português, o IndieLisboa 2017 volta a reforçar a presença de realizadores e filmes portugueses nas diferentes secções do festival. Um total de 24 filmes concorrem, em programas separados de curtas e longas metragens, aos grandes prémios da competição nacional em 2017.

Amor, Amor, o mais recente filme de Jorge Cramez, retrata as dúvidas sobre o que significa a entrada na idade adulta através do olhar de um grupo de amigos com 30 anos. Luz Obscura, o documentário de Susana de Sousa Dias, recria a história familiar do activista político Octávio Pato, a partir da memória de imagens dos arquivos da PIDE e dos testemunhos dos seus filhos. Encontro Silencioso, de Miguel Clara Vasconcelos, reflecte sobre a actualidade histórica, política e psicanalítica a partir da fantasia de uma estudante em retiro de praxe. Uma jornada pessoal em torno das alterações climáticas é a proposta de Dia 32, de André Valentim Almeida, um filme que nos desafia a pensar sobre os impactos da humanidade no mundo que habita. Fade Into Nothing, de Pedro Maia em colaboração com Paulo Furtado, dá continuidade à narrativa sobre a viagem de um homem só, iniciada em How To Become Nothing. Coração Negro, o mais recente registo ficcional de Rosa Coutinho Cabral, acompanha a degradação da vida amorosa de um casal à beira da ruptura.

Nas curtas metragens, de assinalar o regresso de Joana Pimenta (premiada no IndieLisboa 2014 com o seu primeiro trabalho) com o seu mais recente projecto Um Campo de Aviação, uma história fantasma acerca de cidades enterradas, civilizações perdidas e o colonialismo ocidental. Com um já impressionante presença em festivais internacionais desde a sua estreia em Janeiro, Ico Costa apresenta Nyo Vweta Nafta, um jogo entre o documentário e a ficção, que desmonta as várias texturas do comportamento humano e da vida diária de Moçambique nos dias de hoje. Também num retorno ao festival, André Ruivo estreia a divertida e irónica animação O Circo. Ubi Sunt, o híbrido e ecléctico projecto de Salomé Lamas é um filme sobre o tecido humano e urbano de uma cidade em expansão. Joosé Filipe Costa em O Caso J, aborda a violência policial no Rio de Janeiro, narrando uma história banal de tribunal para mostrar o teatro do implícito. A paisagem da lava é a proposta de Na Cinza Fica Calor, de Mónica Martins Nunes, onde acompanhamos os habitantes de Chã das Caldeiras na Ilha do Fogo (Cabo Verde). A comédia de enganos sobre as hierarquias contemporâneas estão espelhadas em O Turno da Noite de Hugo Pedro. As memórias da infância contadas através da animação de O Limoeiro, de Joana Silva; a viagem ao interior da paisagem e das gentes de Trás-os-Montes através do Guia de Portugal e de um realizador à procura do seu filme, é a proposta de Miguel Moraes Cabral em O Homem de Trás-os-Montes e a carta-memória-recordação é o filme Num Globo de Neve, de André Gil Mata. Há uma praga de hortências e as reflexões em torno do sentimento de pertença em Flores de Jorge Jácome e procuram-se os cruzamentos entre a humanidade e a genética modificada em Semente Exterminadora, de Pedro Neves Marques. Encontramos histórias da juventude no olhar de Diogo Baldaia em Miragem Meus Putos, o último momento antes da entrada no mercado de trabalho em Tudo o que Imagino, de Leonor Noivo, e a dialéctica entre as memórias e histórias de diferentes gerações de uma mesma família em De Madrugada, de Inês de Lima Torres. A olharem para outras expressões artísticas, From Vincent's House in the Borinage, de José Fernandes, com uma enebriante viagem à vida e obra de Vincent Van Gogh, e Antão, o Invisível, de Maya Kosa e Sérgio da Costa, que questiona o significado da visão nas artes plásticas.

Na secção Director's Cut (em contexto), a autobiografia póstuma ao cineasta Miguel de Guimarães em Nasci com a Trovoada, de Leonor Areal. A análise ao universo do cinema, a sua relação com a tecnologia e o papel do actor e espectador retratados no documentário Special A/Effects, de Filipe Afonso. E uma aproximação ao que poderia ser a apropriação de Serguei Eisenstein ao filme de John Ford resumida em Young Mr. Lincoln por Eisenstein, de Guilherme Rodriguez.

No IndieJúnior, o documentário de Hugo Santos, O Impacto da Música na Juventude anima algumas das influências mais importantes da música no crescimento humano. E Talasnal, de João Teotónio, retrata o processo de construção da banda Nome Comum na Serra da Lousã, na secção IndieMusic.

 

As Sessões Especiais incluem a estreia nacional de Colo, a mais recente longa metragem de Teresa Villaverde, estreada no último festival de Berlim; a estreia mundial de Rosas de Ermera, o documentário de Luís Filipe Rocha sobre a família de Zeca Afonso e a primeira longa metragem de Leonardo Mouramateus, António Um Dois Três. Nas curtas, destaque para A Construção da Villa Além, de Ana Resende, Miguel C. Tavares, Rui Manuel Vieira e Tiago Costa.

O IndieLisboa 2017 by Allianz é organizado pela IndieLisboa - Associação Cultural, com o apoio financeiro do Ministério da Cultura/ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual, da CML - Câmara Municipal de Lisboa, do Programa Creative Europe da União Europeia e da Allianz Portugal; em co-produção com a Culturgest e o Cinema São Jorge e em parceria estratégica com a EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, EEM.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub