Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

11
Ago17

Programação AMAC setembro

olhar para o mundo

amac.jpg

 

Programação AMAC | setembro

 

As exposições de Pedro Espanhol e de Marios Stavrou e o Teatro de Revista “Tempestade num Copo d’Água” fazem parte da programação do Auditório Municipal Augusto Cabrita (AMAC) em setembro. Recorde-se que, em agosto, o AMAC está encerrado ao público para a sua manutenção e limpeza.

 

16 setembro a 22 outubro | Exposição de pintura de Pedro Espanhol

Piso 1 | Galeria Branca

Inaugura no dia 16 de setembro, pelas 17h00

 

Nasceu em Cascais em 1980. Obteve Licenciatura em Artes Plásticas pela ESAD das Caldas da Rainha. Fez várias exposições coletivas e individuais. Tem participado em vários projetos de Artes Visuais. Atualmente divide residência entre Borba e Barreiro. É professor e proprietário do Atelier de Artes Visuais Pedro Espanhol, no Barreiro. 

 

16 setembro a 22 outubro | Exposição de Marios Stavrou

Piso 1 | Galeria Amarela

Inaugura no dia 16 de setembro, pelas 17h00

 

Nasceu a 2 maio de 1985, em Limassol no Chipre.

Entre 2003 e 2008 estudou design em França e UK.

Nos últimos 5 meses, viajar, conhecer pessoas, ouvir histórias tem sido a sua prioridade na vida com o seguinte roteiro: da França aos Balcãs, Istambul através do Chipre e de volta ao frio da Europa.

 

23 setembro | sábado | 21h30 | “Tempestade num Copo d’Água”, Marina Mota | TEATRO DE REVISTA

M/12 anos

Duração: 120 min. c/intervalo

Ingressos:

Da Fila B à Fila I – 15,00€

Da Gila J à Q -  12,50€

Venda de ingressos (durante o mês de agosto): Posto de Turismo do Barreiro (21 206 8287).

 

Uma comédia de Roberto Pereira, com Marina Mota, Carlos Cunha, Rui de Sá, Érica Mota e Nuno Pires.

A ação decorre "durante um copo d’água de um casamento. Através de um sem número de personagens, e de um ritmo constante de entradas e saídas, vamos conhecendo a história de vários casais, de várias idades, que, embora apaixonados, escondem terríveis segredos uns dos outros, mas que durante o copo d’água vão sendo revelados.

Passando-se em ambiente casamenteiro, os mesmos casais de várias idades vão desmistificando o casamento, mostrando como este é geralmente entendido nas diferentes fases da vida. Para isso, temos um casal de namorados que ambiciona casar; um casal acabado de casar; um casal casado há quase quarenta anos; e outro casal que já nem se lembra há quantos anos estão casados (o Alzheimer também ajuda…).

Num dia repleto de fotografias, apita o comboio, cascatas de camarão, e muita loucura, o amor vai andar no ar. É preciso é que alguém o faça descer à terra…"

Do elenco constam Marina Mota, que assume também a encenação e direção de atores, Carlos Cunha, Rui de Sá, Érica Mota e Nuno Pires. Já a direção plástica está a cargo de Helena Reis e a direção musical é assinada por Ménito Ramos.

 

Exposições patentes no AMAC até outubro

 

Até 1 outubro | Contos Por um Fio, Petrushka, Exposição de Marionetas de Olga Neves

Piso 0 – Galeria Vermelha

 

A história passa-se durante a celebração do Maslenitsa, uma festa russa que acontece antes da Páscoa e que celebra o regresso do sol.

Nesse dia, na agitação da feira, um baterista anuncia o aparecimento de um Charlatão que encanta o povo com o seu pequeno teatro de três bonecos: Petrushka, a Bailarina e o Mouro. Estes ganham vida quando o charlatão toca a sua flauta. Saltam do pequeno palco e executam as vigorosas danças russas enchendo de espanto e satisfação os curiosos observadores.

Quando o pequeno teatro termina, a vida de Petrushka resume-se a uma vida sombria. Confinado a viver numa pequena sala com cores escuras, decorada com estrelas, uma meia-lua e montanhas cobertas de neve. Petrushka é um boneco que embora seja feito de palha tem emoções, sente-se angustiado por ser aprisionado pelo Charlatão numa caixa pequenina e horrível, mas também sente um grande amor pela Bailarina.

Petrushka tenta expressar o seu amor, mas o Charlatão coloca a Bailarina no quarto do Mouro, impedindo-o de manifestar os seus sentimentos para com a sua amada. Os sentimentos de Petrushka são tão fortes que se consegue libertar da caixa onde vive e irrompe pelo quarto do Mouro, contudo quando entra fica chocado, descobre que o Mouro é um boneco que vive com muitas mordomias, o seu quarto é espaçoso e ricamente decorado com cores alegres e desenhos bonitos. A bailarina sente-se fascinada pela bela aparência do Mouro que tudo faz para a atrair.

Petrushka invade o quarto e inicia uma luta com o seu rival, no entanto cedo descobre que o Mouro é um lutador experiente. Os dois prosseguem numa luta violenta que se prolonga para fora do pequeno teatro, o Mouro trespassa Petrushka com a sua espada e o boneco cai por terra sem vida, às mãos do insensível Mouro. Todos ficam horrorizados.

O Charlatão fica desorientado, afinal aquele boneco era o mais engraçado, o que mais cativava as crianças… e dançava com tanta energia. Era o fim! O Charlatão punha as mãos na cabeça e andava em volta do corpo do boneco.

Quando a polícia aparece e indaga sobre o pequeno cadáver, o Charlatão justifica que é apenas uma marioneta e toca em vão a flauta encantadora na esperança de restaurar a vida do boneco.

Quando a noite cai e a multidão dispersa, o Charlatão carrega o corpo inerte de Petrushka, de repente, o fantasma de Petrushka aparece no telhado do teatro e grita sob a forma de desafio. O Charlatão tem pavor de ver o fantasma de Petrushka e foge olhando assustado por cima do ombro.

 

Até 15 de outubro | ÁGUAS SONORAS - Exposição 80 Anos de Abastecimento de Agua no Barreiro – Associação Out.ra

Piso 0 | Galeria Azul

 

Por ocasião das comemorações do 80º Aniversário da Água Pública no Barreiro, “mergulhámos” durante alguns meses na complexa rede que sustenta o abastecimento e saneamento de águas na cidade, à procura dos sons que a caracterizam – dos locais, dos processos e da maquinaria, das pessoas.

O resultado desta documentação sonora é um amplo arquivo que ilustra uma dimensão quase toda ela oculta, um retrato feito de sons de estruturas invisíveis das quais conhecemos quase só o resultado final – quando abrimos a torneira lá de casa e a água, esse bem supremamente essencial a todos aparece, como por magia, à medida das nossas necessidades.

Esta exposição ilustra esse processo de documentação e coloca em evidência as relações possíveis entre a Água e o Som, enquanto paisagem auditiva, enquanto retrato daquilo que não se vê, e enquanto matéria para a música.

 

 

CMB 2017-08-10

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D