Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Jan14

À Espera de Godot entra em cena no Teatro Nacional São João no Porto

olhar para o mundo
à espera de godot

À Espera de Godot, com tradução e dramaturgia de Francisco Luís Parreira, sobe ao palco do Teatro Nacional de São João no Porto a 09 de Janeiro


Carlos Pimenta aborda esta peça de Beckett, uma das mais marcantes do século XX, lembrando que a "inscrição da obra no "tempo do teatro" desliga-a do "tempo da literatura", na medida em que a sujeita a uma leitura partilhada por corpos num tempo comum. Neste contexto, podemos dizer que um espectáculo teatral é, para além do texto que lhe estará na origem, o resultado do trabalho, pensamento e experiências de um conjunto de pessoas num determinado tempo das suas vidas."

 

Esta parece-nos ser a forma certa de encarar a dramatização de obra literária, fazendo-a passar do indivíduo e dos indivíduos, que a sustentam em palco, para a Humanidade.

 

A cena abre numa estrada deserta, junto a uma árvore, onde dois homens sem eira nem beira: Didi e Gogo estão entretidos em jogos e picardias aguardando alguém que nunca chegará.

 

"À Espera de Godot", por vezes encarada com uma farsa ou até mesmo uma parábola bíblica, sublinhava a forte turbulência política, económica e social, do início dos anos 50, consequência da Segunda Guerra Mundial, esperando-se alguém ou alguma coisa que desse uma esperança depois da derrocada sofrida.

 

"À Espera de Godot" traduz em dois personagens que fingem que não esperam, o acto de esperar, sem esperança, de toda a Humanidade que vai fazendo coisas tentando entreter essa espera que não termina porque nada chega.


Godot existe na imaginação dos desesperados.


Carlos Pimenta transpõe o seu "À espera de Godot" para a actual situação política e económica: "Vivemos hoje uma situação equivalente: a ruína de pressupostos que não se concretizaram, a espera de qualquer coisa, ou de alguém que está para vir, não se sabendo se esse alguém será um deus ou um clown.


Enquanto nada acontece, esperamos: mais ligados à terra como Gogo ou mais atraídos pela dimensão simultaneamente racional e cósmica de Didi".


"À espera de Godot" foi a primeira peça de teatro escrita por Samuel Beckett (1906-1989), um dramaturgo irlandês.


Escrita originalmente em francês, foi publicada pela primeira vez em 1952 e apresentada no pequeno Théâtre Babylone em Paris, com direcção de Roger Blin (1907-1984).
É considerado um das principais textos do teatro do absurdo e a principal obra de Samuel Beckett.


"À Espera de Godot", com tradução e dramaturgia de Francisco Luís Parreira, é uma co-produção de Ensemble – Sociedade de Actores e do São Luiz Teatro Municipal, com a colaboração do Teatro Nacional São João.


Estará de 09 a 19 de Janeiro, de quarta a sábado, às 21:30, e aos domingos pelas 16:00. O preço dos bilhetes varia entre os 7,5 euros e os 16 euros.

 

retirado do HardMúsica

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub