Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

07
Nov17

Benjamin Clementine lança video do single “Jupiter”

olhar para o mundo

benjamin.jpg

 

Benjamin Clementine lança video do single “Jupiter”

Canção faz parte do álbum “I Tell A Fly”

Benjamin Clementine acaba de lançar o novo vídeo para o single “Jupiter”, retirado do seu aclamado novo álbum “I Tell A Fly”, já disponível nas lojas e plataformas digitais. Filmado no Novo México por Lola Schnabel (filha do pintor e cineasta Julian Schnabel), o vídeo chega nas vésperas do músico iniciar uma longa digressão pelo Reino Unido e pela Europa.

O vídeo de Schnabel mostra-nos Benjamin envergando um casaco Pearly King, nas paisagens deslumbrante de Albuquerque. Sobre “Jupiter”, tema influenciado pelo facto do visto de segurança dos EUA o ter descrito como um “alien”, Clementine diz: “Dizer ‘Jupiter’ era como dizer ‘Europa’ ou ‘Inglaterra’ ou ‘Edmonton’. Enquanto vagueava pela América… havia o Trump e a Clinton, deu-se o ataque de Orlando, o ataque em New Orleans. Pensava eu que estava a viver num lugar seguro, mas já nada era seguro. É uma provocação às pessoas a quem chamam de aliens por outras pessoas, como se fossemos doutro planeta. Acho que todos seremos para sempre aliens”. 

Se com o álbum de estreia, “At Least For Now”, olhou para dentro de si e para o seu passado, agora no sucessor “I Tell A Fly” (composto, produzido e gravado por Benjamin no Studio 13 de Damon Albarn) olha em frente e para fora de si, para um mundo em constante mudança, para lutas anciãs e para uma resposta individual. 

“Um alien de habilidades extraordinárias” começou tudo. À primeira vista, uma descrição incomum emitida pelo visto americano, mas rapidamente tornou-se inspiração para uma peça de teatro (que se tornou num álbum narrativo) explorando de forma abrangente o conceito de alienígena, de migrante, de estranho ou de refugiado. Em “I Tell A Fly” Benjamin recorre à sua história pessoal como um prisma através do qual analisa o mundo ao seu redor (tentando assim dar um sentido a ambos), explorando musicalmente territórios desconhecidos enquanto mantém uma vitalidade que não pode ser confundida com o trabalho de outro sem ser ele próprio.

 

 

14
Set17

Benjamin Clementine - Nova data de lançamento de “I Tell A Fly”

olhar para o mundo

benjamim.jpg

 

Benjamin Clementine | Nova data de lançamento de “I Tell A Fly” | Nas lojas a 29 de setembro

A partir de novembro o músico inicia uma nova digressão pela Europa

Benjamin Clementine, o músico já premiado nos Mercury, lança o seu muito aguardado segundo álbum de estúdio, “I Tell A Fly”, a 29 de setembro. O novo single de Clementine, “Jupiter”, já está disponível, bem como os temas “Phantom of Aleppoville” e “God Save the Jungle”. “I Tell A Fly” sucede ao álbum de estreia “At Least For Now”, que em 2015 foi premiado com o Mercury, e a uma colaboração com Damon Albarn para o último álbum dos Gorillaz. Clementine vai ainda dar uma série de concertos pela Europa entre novembro e dezembro.

Em 2013, Benjamin Clementine apareceu como se vindo do nada. Se com o álbum de estreia “At Least For Now” olhou para dentro de si e para o seu passado, agora no sucessor “I Tell A Fly” olha em frente e para fora de si, para um mundo em constante mudança, para lutas anciãs e para uma resposta individual.

“Um alien de habilidades extraordinárias” começou tudo. À primeira vista, uma descrição incomum emitida pelo visto americano, mas rapidamente tornou-se inspiração para uma peça de teatro (que se tornou num álbum narrativo) explorando de forma abrangente o conceito de alienígena, de migrante, de estranho ou de refugiado. “Fiquei desconcertado durante dez minutos quando vi pela primeira vez o visto”, diz Benjamin. “Mas depois pensei para mim, eu sou um alien. Sou um vagabundo. Na maioria dos lugares em que estive, sempre fui diferente. Então comecei a pensar sobre a história de um par de pássaros, que estão apaixonados: um tem medo de ir mais longe, e o outro arrisca, para ver o que acontece ". Em “I Tell A Fly" Benjamin recorre à sua história pessoal como um prisma através do qual analisa o mundo ao seu redor (tentando assim dar um sentido a ambos), explorando musicalmente territórios desconhecidos enquanto mantém uma vitalidade que não pode ser confundida com o trabalho de outro sem ser ele próprio.

Tudo isto torna "I Tell A Fly" um álbum que é tanto compassivo e empático quanto revoltado, satírico e crítico. Em “God Save the Jungle” aborda a dura realidade do campo de Calais, ao mesmo tempo que brinca ironicamente com o hino do Reino Unido. Em “Paris Cor Blimey” explora de forma única os recentes acontecimentos tráficos ocorridos em França. 

Em “I Tell A Fly” o cantor expande também os seus horizontes musicais, explorando não só uma longa admiração pelos compositores impressionistas, como Erik Satie, mas revelando um crescente interesse na música eletrónica (particularmente a desenvolvida pelo pioneiro japonês Isao Tomita).

Peculiar, emotivo e fascinante, “I Tell A Fly” é um disco que aborda questões de hoje, mas também temas que – diz Benjamin – "não vão desaparecer. Nós vagueamos por aí, o meu bisavô vagueou por aí, e essa é razão pela qual eu estou aqui. Eu sou um alienígena; tu és um alienígena. E é isso.”

07
Set17

Benjamin Clementine lança novo single: “Jupiter”

olhar para o mundo

clementine.jpg

 

Depois do concerto histórico em Paredes de Coura, Benjamin Clementine lança novo single: “Jupiter”

“I Tell A Fly”, o novo álbum, nas lojas a 15 de setembro e já disponível em regime de pré-venda

O vencedor do Mercury Prize Benjamin Clementine acaba de lançar um novo single, que levanta assim a ponta do véu do seu muito aguardado segundo álbum, “I Tell A Fly”.

Este novo single surge depois do “concerto memorável”, como descreveu o jornal Público, que o cantor deu no recente Vodafone Paredes de Coura, no dia em que o festival recebeu o maior número de espectadores. O público e a crítica renderam-se plenamente ao encanto de Clementine. “Dono de uma voz de assombrosa expressividade, o que é potenciado pela sua presença em palco, imponente no corpo esguio e altíssimo sobre o piano, olhos cerrados enquanto a voz se ergue, olhos bem abertos, postos em quem o observa para comunicar com uma proximidade que, não há muito, se julgava impossível”, escreveu o Público. Já a revista Blitz destacou “a solenidade com que se apresenta (apesar dos pés descalços), a beleza de estátua meticulosamente esculpida, tudo [em Benjamin Clementine] parece gritar sabedoria anciã”. 

I Tell A Fly” já está disponível em regime de pré-venda, sendo que em Paredes de Coura, Clementine apresentou em primeira mão estas suas novas canções. “Desde 2015, Benjamin Clementine cresceu e a sua música tornou-se mais complexa, mais densa, e deixou de rodar em torno de si próprio. I Tell A Fly é, por isso, um disco sobre o presente”, escreveu o Observador.

 

Jupiter”, o novo single, sucede-se aos temas “Phantom of Aleppoville” e “God Save the Jungle”, os anteriores singles deste novo álbum. “I Tell A Fly” sucede-se ao álbum de estreia de Benjamin Clementine, “At Least for Now”, que foi premiado com o Mercury em 2015, e à colaboração deste ano com Damon Albarn para o último álbum dos Gorillaz. Após o lançamento de “I Tell A Fly”, Clementine voltará aos palcos europeus entre novembro e dezembro. 

Informado por um visto dos EUA, descrevendo-o como "um alienígena", em “Jupiter” Clementine explora ideias de identificação, tanto pessoais como universais. “Ao abrir o visto tudo se clarificou para mim”, diz Clementine. “Para mim dizer ‘Jupiter’ era como dizer ‘Europa’ ou ‘Inglaterra’ ou ‘Edmonton’. Eu a vaguear pela América… Havia o Trump e a Clinton, mas já nada era seguro. É uma provocação às pessoas que são chamadas de alienígenas por outras pessoas, como se fossemos de outro planeta. Acho que seremos alienígenas para sempre.”

01
Jun17

Benjamin Clementine de volta com novo tema: “Phantom of Aleppoville”

olhar para o mundo

benjamim.jpg

 

Benjamin Clementine de volta com novo tema: “Phantom of Aleppoville”

Músico atua a 16 de agosto em Portugal, no festival Vodafone Paredes de Coura

O cantor, compositor e poeta Benjamin Clementine acaba de revelar uma nova música desde que em 2015 foi premiado com o Mercury Music Prize para o seu álbum de estreia, “At Least For Now”. Intitulada “Phantom of Aleppoville”, a canção foi escrita, gravada e produzida por Clementine e sucede-se à recente com os Gorillaz no tema “Hallelujah Money”. Clementine também anunciou uma série de novos concertos até ao final do ano, sendo que este verão atuará em Portugal, no festival Vodafone Paredes de Coura, a 16 de agosto.

Acompanhado de um vídeo realizado pelo fotógrafo Craig McDean e pela cineasta Masha Vasyukova, Clementine compôs “Phantom of Aleppoville” depois de ler vários artigos do pioneiro psicanalista britânico Donald Winicott. Winicott escreveu extensamente sobre crianças que sofreram bullying em casa e na escola, descobrindo que, apesar do trauma não ser naturalmente comparável em escala com o que as crianças em clima de guerra sofrem, os seus efeitos seguem padrões semelhantes. Vendo na escrita de Winicott um espelho para as experiências que teve durante a sua infância, Clementine escolheu o título – “a pequena cidade de Aleppo” – por simbolizar um local onde as crianças enfrentam este nível de bullying. Clementine diz: “Aleppoville é um local onde muitos, se não todos, sofrem de bullying, mas ninguém compreende porquê – Phantom [‘Fantasma’].”.

Benjamin Clementine lançou o seu álbum de estreia, “At Least For Now”, em janeiro de 2015. O álbum garantiu a Clementine o Mercury Prize, o prémio Artista Revelação nos Les Victories de la Musique, enquanto nos EUA fez capa do “New York Times”, numa entrevista feita por David Byrne. Clementine é especialmente aclamado pelos seus concertos muito emotivos. O “The Guardian”, numa crítica de 5 estrelas, descreveu o artista como “um verdadeiro original… as suas canções intensas, autobiográficas e elípticas não podiam ser de mais ninguém.”

 

 

06
Jun16

Benjamin Clementine - Regresso a Portugal leva-o ao #1 do iTunes

olhar para o mundo

benjaminclementine1_2.jpg

 

Benjamin Clementine

Regresso a Portugal leva-o ao #1 do iTunes

O cantor, que termina hoje a sua mini-digressão em Portugal, com um concerto em Coimbra que esgotou em 24 horas, tem o seu disco de estreia “At Least For Now” na primeira posição do iTunes.

 

Os Coliseus, em Lisboa e no Porto, renderam-se a uma actuação imponente e deram novas memórias ao artista que já tinha passado por cá no Super Bock Super Bock, no Vodafone Mexefest e noutros 4 concertos esgotados em Braga, Aveiro, Porto e Faro.

 

O disco “At Least For Now”, que está disponível em todas as lojas físicas e digitais, marcou o início de uma relação muito próxima com o público português. Canções como “London”, “Condolence” ou “Nemesis” soam tão ou mais comoventes em palco como em álbum, e valeram-lhe ainda o Mercury Prize no final de 2015.

 

“A minha música é sobre mim, mas é também sobre todos. Sobre o passado, presente e futuro”, explicava o artista numa das entrevistas que deu nos últimos dias. Daqui, Benjamin Clementinesegue para uma digressão nos Estados Unidos e leva na bagagem a mais recente canção “I Won’t Complain”, que foi também a escolhida para a última campanha global da Burberry.

 

 

 

30
Out15

BENJAMIN CLEMENTINE - NOMEADO PARA O MERCURY PRIZE RE-EDITA "AT LEAST FOR NOW"

olhar para o mundo

benjamin clementine.jpg

 


BENJAMIN CLEMENTINE

NOMEADO PARA O MERCURY PRIZE RE-EDITA "AT LEAST FOR NOW"



Artista está de regresso a Portugal para 5 concertos únicos e acaba de re-editar a sua aclamada obra "At Least For Now".
 
"At Least For Now" é inegavelmente um dos principais discos do ano: Benjamin Clementine foi elogiado pela crítica e pelo público ao criar um estilo de assinatura e um dos momentos mais altos na música em 2015. Em Novembro regressa a Portugal e traz, na bagagem, uma nomeação para o Mercury Prize, o respeitado galardão britânico entregue por um painel de músicos, jornalistas, produtores, compositores e organizadores de festivais. Da shortlist fazem também parte Aphex Twin, Róisín Murphy, Florence + the achine, Jamie XX, Gaz Coombes, Wolf Alice, SOAK, Slaves, Ghostpoet, ESKA e C Duncan.
 
O regresso ao nosso país dá-se depois de uma surpreendente actuação no Super Bock Super Rock. Desta vez tem na agenda o Vodafone Mexefest, a 27 de Novembro, mas também 4 salas nacionais: o Theatro Circo, em Braga (a 22 Novembro), o Teatro Aveirense (a 24 de Novembro), a Casa da Música, no Porto (a 25 de Novembro) e o Teatro das Figuras, em Faro (a 28 de Novembro).
 
Para acompanhar estas novidades, acaba de chegar às lojas uma reedição de "At Least For Now", com uma faixa nova, versões inéditas de "Tea & Croissants" e "Movies Never Lie", bem como duas canções ao vivo na BBC e na France Inter.
 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub