Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

03
Fev16

Acert - O MEU PAÍS É O QUE O MAR NÃO QUER

olhar para o mundo

omeupais.jpg

 

O MEU PAÍS É O QUE O MAR NÃO QUER
Casa da Esquina
TeatroPreço: 5 / 7,5 €
Duração: 60 minutos
Classificação: M/12

Espetáculo de teatro documental… a história de uma geração dividida entre partir e ficar


Um verso de Ruy Belo dá nome ao espetáculo documental que nasceu da estada de Ricardo Correia em Londres, enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. E se o verso de Ruy Belo encena a ideia de um despojo, aquilo que fica depois do tempo passar, de o esquecimento se instalar e de pouco mais ser possível fazer, o espetáculo de Ricardo Correia constrói-se a partir do seu relato pessoal e dos testemunhos de emigrantes portugueses, todos eles com qualificações superiores, recolhidos através de entrevistas, cartas, fotografias e emails.

Estes testemunhos pertencem a pessoas que o autor conheceu em Londres e que tiveram de sair do nosso país devido às medidas de austeridade da Troika e do Governo Português, ou que deixaram o país por vontade própria, não conseguindo, agora, regressar, por falta de perspetivas de futuro naquele que é o seu país de origem. De certo modo, são os despojos de que falava o poeta, aquilo que o mar já não quer, acabando por deixar à deriva em águas longínquas ou entre o lixo da beira-praia. Esta é a sua história, a história de uma geração dividida entre partir e ficar, e é também um pouco da nossa história coletiva, passada e presente.

 

 Auditório 2
Qui, 4 fev'16 às 14:30 (Público escolar)
 
Auditório 2
Sex, 5 fev'16 às 10:30 e às 14:30 (Público escolar)
 
Auditório 2
Sáb, 6 fev'16 às 21:45

 

PREÇO: 7,50€ / Associado: 5€ / Descontos: 6€ / Desempregado: 2,50€


Ficha Técnica

Criação: Ricardo Correia
Espaço Cénico e Desenho em tempo real: Filipa Malva
Mistura de Som: João Gaspar e Ricardo Correia
Música: La La La Ressonance
Direção Técnica e Desenho de Luz: Jonathan de Azevedo
Produção executiva: Sara Seabra
Design: Fábrica Mutante
Fotografia: Filipa Alves
Frente de Casa: Adiana Silva
Residência Artística: Lac – Laboratório de atividades criativas com apoio de Jorge Louraço e Sérgio Dias Branco
Coprodução: TAGV

04
Nov15

Trigo Limpo Acert - Em memória Ou a vida inteira dentro de mim

olhar para o mundo

emmemoria.jpg

 

Em memória

Ou a vida inteira dentro de mim


A partir de um texto de Vergílio Ferreira, Até ao Fim, os Gambozinos e Peobardos – Grupo de Teatro da Vela juntam-se ao Trigo Limpo teatro ACERT numa coprodução.
Em palco, Pompeu José interpreta um monólogo sobre a vida e a memória, sobre o que guardamos e o que nos vai fazendo crescer. A encenação é de António Rebelo e Pedro Sousa.

Sábado , 7 de novembro às 21:00 e domingo, 8 às 17:00
Teatro O Bando - Vale de Barris (Palmela)
Sábado , 21 de novembro às 21:30
Teatro Municipal da Guarda
Sexta , 27 de novembro às 21:30
Casa da Criatividade - S. João da Madeira

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub