Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

07
Mar13

Gonçalo M. Tavares entre os nomeados para Prémio de Melhor Livro Traduzido nos EUA

olhar para o mundo

Gonçalo M. Tavares entre os nomeados para Prémio de Melhor Livro Traduzido nos EUA

Gonçalo M. Tavares concorre ao prémio com a obra A Máquina de Joseph Walser

O escritor Gonçalo M. Tavares está entre os 25 nomeados para o Prémio de Melhor Livro Traduzido nos Estados Unidos na categoria de ficção, com a obraA Máquina de Joseph Walser , anunciou hoje a Editorial Caminho.

 

De acordo com a editora, a Three Percent, criada pela Universidade de Rochester, organizadora do galardão patrocinado pela Amazon, anunciou na terça-feira a lista de nomeados, entre os quais constam, além do autor português, Herta Müller, Clarice Lispector e Michel Houellebecq.

 

Gonçalo M. Tavares também está nomeado para o International IMPAC Dublin Literary Award 2013, pelo livro Aprender a Rezar na Era da Técnica.

Publicado nos Estados Unidos pela Dalkey Archive Press sob o título Joseph Walser’s Machine ( A Máquina de Joseph Walser), o livro foi traduzido por Rhett McNeil.

 

O Prémio de Melhor Livro Traduzido nos Estados Unidos é atribuído anualmente ao melhor livro traduzido para inglês e publicado nos Estados Unidos, tendo habitualmente em conta a qualidade da obra e da tradução.

 

A Three Percent destaca que o galardão é “uma oportunidade para honrar e distinguir tradutores, editores e outros agentes literários que ajudam a disponibilizar literatura de outras culturas aos leitores americanos”.

 

De acordo com a Caminho, entre os 25 nomeados de dezanove países e de treze línguas diferentes, contam-se nomes como a Prémio Nobel da Literatura Herta Müller, com o livro Tudo o Que Eu Tenho Trago Comigo, Clarice Lispector, com Um Sopro de Vida, e Michel Houellebecq, autor de O Mapa e o Território.

 

Os finalistas serão anunciados no dia 10 de Abril, e a cerimónia de entrega dos prémios decorrerá em Nova Iorque no dia 4 de Junho.

O autor e o tradutor das obras distinguidas nas categorias de Ficção e Poesia receberão um prémio monetário de cinco mil dólares (cerca de 3800 euros) cada, atribuído pela Amazon.

 

O júri do prémio é constituído pela editora Monica Carter, o tradutor e crítico Tess Doering Lewis, Scott Esposito, do Center for the Art of Translation, Susan Harris, de Words Without Borders, o tradutor Bill Martin, Bill Marx, da Arts Fuse, Michael Orthofer, da Complete Review, Stephen Sparks, da Green Apple Books, e Jenn Witte, da Skylight Books.

 

Nascido em Luanda, em 1970, Gonçalo M. Tavares já foi galardoado com, entre outros, o Prémio Portugal Telecom (2007), o Prémio José Saramago (2005), o Prémio LER/Millennium BCP (2004), e o Prémio do Melhor Livro Estrangeiro publicado em França (2010), com o romance Aprender a Rezar na Era da Técnica.

 

Os livros de Gonçalo M. Tavares – com traduções em 45 países – deram origem a peças de teatro, de ópera, objectos artísticos e vídeos de arte.

 

Retirado do Público

03
Out12

Livro de Gonçalo M. Tavares capa de Le Monde Littéraire

olhar para o mundo

Livro de Gonçalo M. Tavares capa de Le Monde Littéraire

 

Depois do sucesso alcançado em Portugal com “Viagem à Índia”, e depois da sua edição em França, o Monde des Livres, define Gonçalo M. Tavares como "prodígio da literatura portuguesa nascido em 1970".

Ainda segundo aquela publicação,”Viagem à Índia” é "a grande epopeia dos nossos tempos" e "se impõe como uma das obras mais marcantes da literatura europeia recente", um romance que relata "peripécias rocambolescas com o mesmo ritmo dos primeiros álbuns de Tintim e cujo conteúdo intelectual é tão denso como as Investigações Filosóficas de Ludwig Wittgenstein."

 

Por sua vez, o jornal La Croix, depois de analisar em detalhe aquilo o que chama as "fulgurâncias" de Gonçalo M. Tavares – "a língua, os livros, o avanço e o refluxo do religioso, o ar, a água, os vegetais, as técnicas avançadas, as diferentes temporalidades, o desejo ou os instintos predadores", conclui: "Gonçalo M. Tavares, pela graça da literatura, afirma o seu veto ao asselvajamento do mundo. Compôs, ordenadas em dez cantos prodigiosos mil cento e duas estrofes para conjurar a catástrofe" diz a nota de imprensa da editorial Caminho.

 

“Uma Viagem à Índia” está entre os oito nomeados para o prémio Médicis em França e Gonçalo M. Tavares participa, por estes dias, na feira de Livro de Estocolmo, onde apresenta a tradução sueca do “Bairro”, na editora Tranan.

 

Retirado do HardMúsica

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub