Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Jul12

O FUTEBOL «MORREU» FAZ AMANHÃ TRINTA ANOS

olhar para o mundo

«Acabou o futebol». A frase foi guardada e repetida por Valdir Moraes, adjunto de Telê Santana, o «arquiteto» da fabulosa seleção do Brasil de Zico, Falcão e Sócrates, no momento em que esta caía aos pés do futebol defensivo da «Squadra azzurra» e da frieza dos golos de Paolo Rossi, em pleno Estádio Sarriá, em Barcelona. 


A data de 5 de julho de 1982 marca o início de uma nova era. Até então, o «escrete» encantava, com uma defesa permeável, mas com um ataque que demolia os adversários com toques de fantasia. As vitórias sucessivas sobre a União Soviética (2-1), Escócia (4-1), Nova Zelândia (4-0) e, particularmente, sobre a Argentina (3-1), deram corpo à lenda do «futebol-arte», com um total de treze golos, cada um mais bonito do que o outro.

O Brasil chegava ao jogo com a Itália como grande favorito, mas, a 5 de julho, uma segunda-feira, «fatídica» para a história, acabou desarmado pelo pragmatismo da equipa de Enzo Bearzot. Bastava um empate para a equipa de Telê Santana chegar às meias-finais, mas foi a Itália que marcou primeiro, com uma cabeçada de Rossi, um nome que os brasileiros não vão esquecer. 

Com a derrota do Brasil diante da Itália no Mundial-82 (2-3)Sócrates, um tributo à arte do futebol

Zico e Sócrates construíram o empate, com conclusão do doutor, mas a Itália chegaria ao intervalo em vantagem, com Rossi, outra vez ele, a aproveitar uma falha de Toninho Cerezo. O empate só chegou a vinte minutos do final, com uma «bomba» de Falcão. O 2-2 chegava, mas não durou mais de cinco minutos, o tempo que Rossi, na sequência de um canto, demorou para chegar ao seu terceiro golo. Foi nesse momento que Valdir Moraes ouviu a simbólica frase: «Olhávamos perplexos para o campo e os espanhóis ao meu lado não acreditavam naquilo. Eles comentavam entre si: "Acabou o futebol"». 

Sócrates, uma das grandes figuras desta equipa, faleceu a 4 de dezembro de 2011, vítima de um choque-séptico. No decorrer do Mundial-82, o «doutor» escrevia um «diário da Copa» que era publicado na revista «Placar». Fica aqui a última, que dá conta da frustração da derrota diante da Itália: «Estou profundamente triste, sem forças para explicar nada, para escrever... Agora, nesta última página do meu diário da Copa, deixo apenas dois momentos que vivo: a frustração intensa, talvez a maior da minha vida, por não conquistar o título que eu, no íntimo, alimentava tanto. E também a frustração de não ter mais uma semana de trabalho neste diário, que eu queria que terminasse com a seguinte frase: "Obrigado, torcida. Somos campeões"». 

Veja o resumo de um dos jogos mais comentados da história do futebol: 
 

 

Retirado do Push

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub