Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

05
Jan13

Sporting perde e fica a tocar a linha de despromoção

olhar para o mundo

Sporting perde e fica a tocar a linha de despromoção

Os "leões" somaram a quinta derrota no campeonato e foram ultrapassados pelo Olhanense e pela Académica na classificação. O Paços confirmou em Lisboa uma performance sensacional na Liga.

 

O movimento “Dar Rumo ao Sporting” reforçou bastante a lista de signatários para convocar uma assembleia geral extraordinária de destituição de Godinho Lopes da presidência do clube. Os sócios contestatários da actual direcção promoveram a sua causa antes da partida com o Paços de Ferreira e a equipa leonina contribuiu inestimavelmente para o sucesso da iniciativa com mais uma derrota (0-1), que a deixou a um ponto da zona de despromoção.

 

As diferenças entre o Sporting e o Paços de Ferreira são inúmeras e podem bem traduzir-se pelos adeptos que assistiram ao encontro em Alvalade: 10 pacenses e mais de 20 mil sportinguistas. Mas a nível competitivo, na actual temporada, a realidade é um universo completamente inverso. Os nortenhos ocupam a quarta posição, com dez pontos de vantagem sobre o conjunto da capital, podem perfeitamente alcançar as meias-finais da Taça de Portugal e da Taça da Liga, enquanto os “leões” já saíram da luta por qualquer troféu.

O ano de 2013 não trouxe novidades aos adeptos sportinguistas. Mais uma derrota, a quinta no campeonato (terceira em casa), a que se somam outros seis empates. Frente a uma das três melhores defesas da Liga, o segundo pior ataque da competição ficou em branco. E o Paços nem teve de se esforçar muito para sair de Alvalade com três pontos. Um golo de Hurtado, em cima do intervalo, bastou para manter a equipa orientada por Paulo Fonseca bem firme nos lugares de acesso à UEFA.

 

Mesmo assim, foi a equipa da casa que mais prometeu nos instantes iniciais, quando surgiu determinada a apagar a péssima imagem deixada em Vila do Conde, a fechar 2012 (uma derrota por 3-0, frente ao Rio Ave, que significou o afastamento do último título que ainda podia disputar esta temporada). Mas o melhor que conseguiu foi um cabeceamento de Capel ao poste, aos 33’, numa das raras desconcentrações defensivas dos visitantes.

 

A equipa lisboeta foi perdendo consistência com o avançar do cronómetro e, após o intervalo, o cenário manteve-se. Mesmo sem demonstrar o melhor que já apresentou esta época, o Paços lá chegou ao golo, na primeira grande oportunidade que criou e no melhor momento. Em cima do intervalo, Josué teve via aberta pelo centro do terreno, antes de soltar a bola para Hurtado marcar, após uma diagonal pela esquerda.

 

A reacção do Sporting não surgiu na restante metade da partida, aproveitando os nortenhos para controlar o encontro, com bastante serenidade. A impotência de Franky Vercauteren, treinador leonino, ficou patente a um minuto do final do tempo regulamentar, quando trocou Cédric por Ricardo Esgaio. Os descontos não trouxeram nenhum milagre e o Paços manteve em Alvalade uma longa imbatibilidade fora de casa em jogos do campeonato, que dura já desde Abril de 2012.

 

O Sporting continua a viver o impensável: tem apenas mais um ponto do que o penúltimo classificado (o V. Setúbal), quando faltam apenas dois jogos para encerrar a primeira volta da Liga. 

 

Noticia do Público

29
Set12

Golos de Lima dão vitória ao Benfica

olhar para o mundo

Golos de Lima dão vitória ao Benfica

Depois de já ter brilhado na jornada anterior nos seus primeiros minutos com a camisola do Benfica, Lima voltou a não demorar a justificar o investimento do clube. O brasileiro marcou os dois golos que os “encarnados” usaram para bater o Paços de Ferreira (1-2) no Estádio da Mata Real e para subir provisoriamente à liderança da Liga. A equipa da casa marcou primeiro, mas Lima foi rápido a reagir e a fazer o empate. Na segunda parte, a melhor do Benfica, o avançado terminou a reviravolta e acabou com a invencibilidade dos “castores”.


O início do jogo ficou marcado por uma falha de energia que afectou uma boa parte de Paços de Ferreira e motivou uma interrupção de cerca de dez minutos, mas o recomeço foi eléctrico. Melgarejo (que estava cedido), Michel e Luisinho marcaram 20 dos 35 golos dos pacenses no último campeonato antes de saírem para o Benfica, mas ao minuto 6 os locais não tiveram falta de capacidade ofensiva: Diogo Figueiras, o lateral adaptado ao lado esquerdo numa situação de recurso, combinou bem com Hurtado antes de cruzar para Cícero inaugurar o marcador.

O golo parece ter intranquilizado menos o Benfica do que Cássio. O guarda-redes do Paços, praticamente no lance seguinte, fez uma defesa incompleta a um remate fácil de Jardel, largou a bola e permitiu o empate ao oportuno Lima. Foi o terceiro remate pelo Benfica do antigo jogador do Sporting de Braga e o segundo golo. Foram dois minutos prometedores, mas só perto do intervalo voltaria a haver perigo numa das áreas. No mesmo lance, Cássio negou o golo a Lima, e na recarga Salvio falhou de forma incrível.

Tal como na primeira metade, os jogadores do Paços de Ferreira — que antes do jogo viram os seus adeptos aplaudirem Melgarejo, melhor marcador da equipa na época passada e agora o lateral-esquerdo titular das “águias” — conseguiram equilibrar a posse de bola, mas, ao contrário dos primeiros 45 minutos, o adversário foi muito mais perigoso.

Enzo Pérez teve tudo menos pontaria para fazer o 1-2, aos 63’. E foi preciso outro erro defensivo do Paços, desta vez colectivo, para o Benfica, que não pôde contar com os lesionados Cardozo e Aimar, voltar a festejar. Ricardo, Luiz Carlos e Tony — mas especialmente os dois primeiros — não conseguiram tirar da sua área uma bola que deveriam ter afastado e deixaram Maxi Pereira colocar a bola em Lima, que não perdoou (71’). Sempre que marca aos “castores” — e conseguiu-o em duas ocasiões pelo Sp. Braga —, o avançado sul-americano fá-lo a dobrar.

Lima teve até a hipótese de fazer um hat-trick e os seus colegas de aumentarem a vantagem, antes de o Paços, já nos descontos, ter voltado a rondar a baliza de Artur.

POSITIVO
Lima Em mais ou menos 106 minutos de utilização, divididos por dois jogos, Lima já marcou três golos pelo Benfica, todos eles decisivos para a sua equipa pontuar.

Enzo Pérez Boa exibição na sua nova posição.

Vítor O mais técnico dos locais.

NEGATIVO
Defesa do P. Ferreira Não foram uma nem duas as ocasiões em que os homens do sector recuado do Paços de Ferreira demoraram demasiado a tirar a bola da sua zona. E pagaram caro por isso. Cássio, que quase voltou a deitar tudo a perder num remate fácil de Gaitán na segunda metade, pediu desculpa aos adeptos no primeiro golo dos visitantes e os seus colegas não estiveram melhor no segundo. Pormenores que estragaram actuações com mais coisas boas que más.


Noticia do Público

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub