Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

08
Nov17

O Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen nos Recreios da Amadora

olhar para o mundo

o cavaleiro da dinamarca.jpg

 

O Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Recreios da Amadora: 15/Nov - 21h30  18/Nov - 21h30
19/Nov - 16h  25/Nov - 21h30 26/Nov - 16h *

 

Este texto conta a história de um cavaleiro que numa noite de Natal decide fazer uma grande viagem para passar o Natal seguinte em Belém. Este é o ponto de partida de uma epopeia, que nos guia desde o inicio da nossa Era até ao conhecimento dos limites do Mundo. Através das personagens que o cavaleiro vai encontrando, vamos vivenciando histórias e lendas de diferentes latitudes que na verdade são pilares da nossa civilização. De venezianos corações apaixonados a mentes brilhantes de Florença ao olhar de navegadores portugueses, passando por vários monumentos, ouvimos lendas e histórias apaixonantes que fazem parte da nossa cultura e da nossa identidade.  Passando do inferno de Dante às pinturas de Giotto, de São Francisco a fazer um pacto com o lobo navegamos com Pêro Dias, gesticulamos com ele na sua comunicação com os indígenas, navegamos, assim no nosso sangue e chegamos a casa  Esta é a partitura do nosso espectáculo que pretende não só chegar aos alunos do 7º ano mas a todo o público em geral.

Ficha artística: Texto: Sophia de Mello Breyner Andresen; Encenação: Sofia de Portugal; Interpretação: Afonso de Portugal, Carlos Malvarez, David Medeiros e João Redondo; Música: Afonso de Portugal; Cenografia, Figurinos, Design Gráfico, Fotografia:Aurélio Vasques;  Operação de Luz : Tasso Adamopoulos; Produção Executiva: Daniela Sampaio; Produção: Teatro dos Aloés; M/6.


* Possibilidade de marcações para escolas e grupos com mais de 10 pessoas em horários de manhã e tarde. 

Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt
Mais informações em: www.facebook.com/teatro.dosaloes

07
Out17

Teatro - Companhia da Esquina INTIMIDADES no Recreios da Amadora

olhar para o mundo

INTIMIDADES

Em Outubro estaremos com a peça Intimidades a partir de Woody Allen, com Encenação de Jorge Gomes Ribeiro, nos Recreios da Amadora a 6, 7 às 21h30 e 8 de Outubro às 16h.

Sinopse

O fenómeno da infidelidade e as reflexões e neuroses da escrita de Woody Allen refletidas num brilhante espectáculo de comédia. Dois casais e uma amante que são produto da má comunicação, da insatisfação e das aspirações deste mundo cada vez mais moderno. Um tipo de relação histérica que procura um sentido de vida, uma sustentação de uma existência cada vez mais precária nas relações, na idade da infidelidade e numa ideia primária de vulgarização de relações sociais, da vida, da morte e do amor.

Afinal qual a origem do amor? E há quanto tempo anda às voltas? E onde é que está a ciência ou a psicologia quando alguém pensa nos enigmas eternos? O amor começou com uma explosão ou com a palavra de Deus? Se foi com a palavra de Deus será que foi sussurrada ou com um grito que ecoou até ao infinito do Cosmos. Só pode ter sido um grito…!!

04
Jul17

Teatro - AmadoraMostra 7 a 9 de Julho nos Recreios da Amadora

olhar para o mundo

amadora.jpg

 

AmadoraMostra 
7 a 9 de Julho nos Recreios da Amadora


AmadoraMostra é uma pequena mostra de jovens criadores teatrais que têm a particularidade de criar os seus próprios textos ou de ser capazes de trabalhar sem rede a partir do improviso. Três espectáculos originais para diversas faixas étarias.

Morrer é Divertido -  "Ele estava a morrer, querias um livro feliz?". Morrer é Divertido trata a relação entre a vida e obra de Vladimir Nabokov. Através da análise da polémica que surgiu com a publicação do seu último livro, "O Original de Laura", questionamos a sociedade onde vivemos. Um espetáculo inconclusivo, um debate de consciências sobre ética e o valor da arte, onde a realidade e a ficção não se confundem.

E AGORA? -  Actores improvisam diversas cenas baseadas em ideias do público. O público lança dois dados gigantes e sugere, a partir do que lhe dita a sorte, inspirações para lhes dificultar a vida. Tudo é criado no momento, sem guião nem cenas previamente combinadas.

A Princesa Aborrecida - Num reino muito afastado vivia uma Princesa que estava sempre aborrecida (…) Quem nos conta o caso curioso da Princesa Beatriz é Sebastião, o simpático guarda do Palácio Real. Uma história muito divertida, cheia de venturas e de cores que nos mostra a força da amizade e faz-nos lembrar os nossos amigos de infância… e quem não os teve!
 

Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.p

20
Jun17

BAMBA,VAMBA,WAMBA nos Recreios da Amadora

olhar para o mundo

bamba wamba.jpg

 

Mais recente criação de Nuno Pino Custódio:  BAMBA,VAMBA,WAMBA nos Recreios da Amadora 


O Teatro dos Aloés acolhe nos dias 23, 24 e 25 de Junho (sexta e sábado às 21h30/domingo às 16h)  a  ESTE - Estação Teatral.  

 

“Três actores e um palco vazio. A evocação do mesmo rei, perpassando uma paisagem cultural ibérica pelo mito revisitado de Bamba (Vamba ou Wamba - c. 643-687/688 DC). Mito fundacional, revelador da circunstância humana, ontem como hoje. Um período muito concreto da história política peninsular, onde o teatro, enquanto arte do espectáculo, só pode contribuir para a sua universalidade.  É este o desafio da Estação Teatral, quando se busca sempre o compromisso de que uma nova encenação se estabeleça, antes de mais, como um dispositivo que só pode funcionar em conexão directa com o público, no reconhecimento de que o teatro se desdobra num verbo que, na verdade, são dois: ver-fazer. São doze anos de actividade explorando uma linguagem integral que possibilite afirmar esta arte do espectáculo como uma manifestação viva, ante a complexidade e os desafios de um Século XXI que redefine, por exemplo, algo tão híbrido quanto o estatuto do agente e do espectador." (Nuno Pino Custódio)

Ficha Artística:
Dramaturgia e encenação: Nuno Pino Custódio em co-criação com Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares;  Apoio dramatúrgico; Pedro Miguel Salvado;  Interpretação: Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares;  Espaço e Figurinos: Estação Teatral;  Dispositivo cénico:Pedro Novo;  Desenho de luz e montagem: Pedro Fino;  Produção: Alexandre Barata; Cartaz e design de comunicação: Hugo Landeiro Domingues; Fotografia: Miguel Proença
26
Mai17

Teatro - BAMBA,VAMBA,WAMBA nos Recreios da Amadora

olhar para o mundo

bamba.jpg

 

 

BAMBA,VAMBA,WAMBA nos Recreios da Amadora 
O Teatro dos Aloés acolhe A ESTE - Estação Teatral nos dias 23, 24 e 25 de Junho
(sexta e sábado às 21h30/domingo às 16h)

 

“Três actores e um palco vazio. A evocação do mesmo rei, perpassando uma paisagem cultural ibérica pelo mito revisitado de Bamba (Vamba ou Wamba - c. 643-687/688 DC). Mito fundacional, revelador da circunstância humana, ontem como hoje. Um período muito concreto da história política peninsular, onde o teatro, enquanto arte do espectáculo, só pode contribuir para a sua universalidade.  É este o desafio da Estação Teatral, quando se busca sempre o compromisso de que uma nova encenação se estabeleça, antes de mais, como um dispositivo que só pode funcionar em conexão directa com o público, no reconhecimento de que o teatro se desdobra num verbo que, na verdade, são dois: ver-fazer. São doze anos de actividade explorando uma linguagem integral que possibilite afirmar esta arte do espectáculo como uma manifestação viva, ante a complexidade e os desafios de um Século XXI que redefine, por exemplo, algo tão híbrido quanto o estatuto do agente e do espectador." (Nuno Pino Custódio)


Ficha Artística:
Dramaturgia e encenação: Nuno Pino Custódio em co-criação com Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares;  Apoio dramatúrgico; Pedro Miguel Salvado;  Interpretação: Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares;  Espaço e Figurinos: Estação Teatral;  Dispositivo cénico:Pedro Novo;  Desenho de luz e montagem: Pedro Fino;  Produção: Alexandre Barata; Cartaz e design de comunicação: Hugo Landeiro Domingues; Fotografia: Miguel Proença

16
Mar17

Amor de D. Perlimplim com Belisa em Seu Jardim nos Recreios da Amadora

olhar para o mundo

perlimpimpim.jpg

 

22 de Março a 9 de Abril nos Recreios da Amadora
(Quarta a Sábado às 21h30, Domingo às 16h)

 
Um texto de Federico Garcia Lorca com encenação de Jorge Silva e interpretação de Carolina Campanela, Elsa Valentim, Jorge Silva, Patrícia André, Rui Ferreira Macedo e Teresa Faria.
 
Nome maior da cultura espanhola e universal, homem da poesia, do drama, da pintura, da música, barbaramente assassinado pelas tropas franquistas tornando-se assim uma das primeiras vítimas da Guerra Civil Espanhola, Federico Garcia Lorca (1898-1936) foi o autor escolhido pelo Teatro dos Aloés para iniciar a programação deste ano dedicado à cultura ibérica.

Dom Perlimplim velho com uma alma pura, virginal como um menino, fechado nos seus livros, sem sair de casa, do seu jardim, nunca conheceu a vida. Belisa, a branca Belisa magnificamente bela, não é mais do que um animal sem alma. Indiferente à sua própria crueldade e egoísmo, é no entanto uma personagem atraente porque o são sempre a juventude e a beleza. Marcolfa e a Mãe de Belisa tratam de os unir. Dá-se início a um magnífico ritual dramático de iniciação ao amor.

Ficha Artística: 
Texto: Federico Garcia Lorca Tradução: Eugénio de Andrade Encenação: Jorge SilvaInterpretação: Carolina Campanela, Elsa Valentim, Jorge Silva, Patrícia André, Rui Ferreira Macedo, Teresa Faria Dramaturgia: José Peixoto Cenografia: Rui Francisco Figurinos: Maria Luiz Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos Selecção Musical, Ambiente Sonoro e Interpretação: Miguel Tapadas Fotografia: José Frade Design Gráfico: Rui A.Pereira Produção Executiva: Daniela Sampaio Produção: Teatro dos Aloés; M/12
 

Informações e Reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt
Mais informações emwww.facebook.com/teatro.dosaloes
12
Jan17

Julieta - nos Recreios da Amadora

olhar para o mundo

aloés.jpg

 

Julieta - 28 e 29 de Janeiro nos Recreios da Amadora


Julieta é um espectáculo de Clown encenado por Mario Gonzalez, um dos especialistas mundiais de Teatro de Máscara e Clown e protagonizado pela actriz Elsa Valentim. Estreado em 2012 no espaço de O Bando, é o resultado de uma parceria entre a companhia dinamarquesa Tell To Joy, a Act- School e o Teatro dos Aloés. Desde de então que o espectáculo tem sido apresentado com grande sucesso em diversos festivais quer nacionais quer internacionais. EUA, Rússia, Turquia, Servia, Croácia, Dinamarca, foram alguns dos países por onde Julieta viajou nos últimos anos.

 

28 de Janeiro às 21h30                  
29 de Janeiro ás 16h00.


Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt

Sinopse: Um Gongo soa no espaço vazio. A clown Carmen chega, decidida a tentar representar a personagem Julieta de William Shakespeare. Num conflito permanente com o Tempo, Carmen tem que decidir a cada momento se se deixa levar pelo que acontece, na relação directa que estabelece com o espectador, ou se conta a história que tem para contar, representa as cenas que preparou, ou a canção que quer muito cantar. Nem ela nem o público sabem o que vai acontecer, porque quando o gongo volta a soar, esteja onde estiver, o espectáculo termina, mesmo que seja a meio de uma frase, de um gesto… 

Ficha artística:  Espectáculo de Mario Gonzalez a partir de Romeu e Julieta de William Shakespeare; Interpretação Elsa Valentim; Assistência de Encenação e Criação Nariz de Clown Nuno Pino Custódio; Figurinos Ana Brum Fotografia e Desenho de Luz João Rodrigues; Produção: ACT/Teatro dos Aloés/Tell to Joy

18
Jun13

Teatro - Recreios da Amadora leva à cena uma peça de MHamed Benguettaf.

olhar para o mundo

Recreios da Amadora leva à cena uma peça de MHamed Benguettaf.


Recreios da Amadora leva à cena uma peça de MHamed Benguettaf.

“Ensaio ou Café dos Artistas” de M Hamed Benguettaf , tradução de Mário Jacques, encenação de José Peixoto e a interpretação de Jorge Silva, Rui Rebelo, Victor Santos é uma história desconcertante sobre a incapacidade de levar por diante um sonho porque há sempre algo mais importante ou prioritário que impede a sua realização

 

Sinopse

 

Um actor, um músico e um encenador ensaiam incansavelmente, dia após dia, a mesma peça: a história de um simples cidadão perseguido pelos vizinhos notáveis e dignatários do regime.


Os ensaios redundam em catástrofe. A companhia vê partir, um a um, todos os seus membros e é sistematicamente posta fora das salas que ocupa por razões de evidente prioridade: encontros políticos, reuniões sindicais, cineclube... Maus tempos para o Teatro! Maus tempos para a esperança também... Porque a história passa-se num país que ensaia sem parar e não chega nunca a fazer uma verdadeira estreia.


M Hamed Benguettaf é um escritor e dramaturgo argelino cujas peças têm uma mensagem e uma lição de vida mesmo quando as adversidaders são grandes.

 

“Ensaio ou o Café dos Artistas” é uma produção do Teatro dos Aloés

 

Retirado do HardMúsica

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub