Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

15
Set12

Filmes pornográficos são a forma de educação sexual da atualidade?

olhar para o mundo

Filmes pornográficos são a forma de educação sexual da atualidade?

 

Esses dias li uma entrevista com a Titi Müller, do programa MTV sem vergonha, que dizia que a nossa geração (a das pessoas com 20 e poucos anos) é a última que não aprendeu a fazer sexo assistindo pornografia. Não que não existissem pornôs – mas antes de sites XXX serem um dos grandes motores da internet, era mais difícil encontrar material desse tipo. E a galera ia na intuição.

 

A apresentadora fala sobre um temor: pessoas que estão iniciando a vida sexual agora acreditem que devam buscar o padrão dos pornôs profissionais – e não descobrir suas próprias preferências, como seria é natural. Achei a reflexão interessante e vi que ela não é a única preocupada com isso. Descobri pela internet uma startup que propõe ‘mais amor e menos pornografia’ no material sobre sexo na internet.

 

Como assim? Cindy Gallop, a empresária por trás da ideia (vale conferir sua palestra no TED), afirma que homens realmente estão encarando a pornografia online como aulas de educação sexual. Enquanto ela afirma que é entusiasta dos sites XXX, conta que fica preocupada quando artistas, que conseguem fazer coisas surreais no quarto (e em n outras localidades), são as referências de adolescentes. Por isso ela criou o MakeLoveNotPorn – um site que mostra pessoas ‘de verdade’ fazendo sexo.

 

Usuários pagam uma taxa de 5 dólares para ‘alugar’ um filme caseiro por 3 semanas – o conteúdo fica disponível online nessa assinatura. Além disso, é possível enviar o seu próprio vídeo, pagando, novamente, uma taxa de 5 dólares.

 

“O MakeLoveNotPorn.tv é um estímulo à criatividade, enquanto pornografia profissional acaba homogenizando o sexo”, conta Gallop. “Sexo de verdade pode ser engraçado, enquanto o sexo profissional dá a entender que coisas embaraçosas não acontecem sempre – quando na verdade são comuns”.

 

Parece absurdo? Uma pesquisa da Universidade de Darthmout, sobre a qual li recentemente, mostrou que estudantes universitários que assistiam a mais filmes com conteúdo erótico (não necessariamente pornográfico) usavam menos camisinhas. A conclusão dos cientistas foi que os filmes, por não mostrarem o momento em que o sujeito para o que está fazendo para colocar o preservativo, estavam servindo de modelo e influenciando a falta da atitude.

 

O que você acha? Será que sites como o MakeLoveNotPorn podem mudar o futuro da educação sexual? Ou que a pornografia profissional nunca desviou o rumo natural das coisas? Deixe sua opinião nos comentários ou através do meu e-mail, no canto direito da tela.

 

Retirado de Galileo

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub