Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

04
Jan15

Teatro da Terra apresenta peça de Koltès no São Luiz

olhar para o mundo

teatro.jpg

 

 

Teatro da Terra apresenta de 08 a 25 de Janeiro no Salão Luiz a peça de Bernard-Marie Koltès, "Na Solidão dos Campos de Algodão", numa encenação tripartida de Marcello Urgeghe, Maria João Luís e Rita Blanco.

 

"... Dois homens abordam-se sem se conhecerem: diga-me o que quer que eu vendo-lho, diz o primeiro e o outro responde: diga-me o que tem que eu digo-lhe o que quero." ( Patrice Chéreau)


"Voltar a Koltès significa decifrar uma obra imprescindível para a compreensão da dramaturgia do final do século vinte, representativa da condição humana em diálogo com os nossos tempos", refere a nota de imprensa.

"Na Solidão dos Campos de Algodão", a peça de Koltès , que terá a interpretação de Rita Blanco e Maria João Luis é uma obra muito representativa deste autor que passou como um cometa pela dramarturgia mundial como diz Pina Coelho.


Em " Na Solidão dos Campos de Algodão" Koltès coloca mais uma vez a sua visão da Humanidade, céptica, onde o vendedor e o comprador são os permanentes interlocutores.
As ligações afectivas parecem estar longe do meu mundo dramático, acabando a guerra por ser o desenrolar de uma dialéctica atravessada pelo medo.

Bernard-Marie Koltès nasceu em Metz em 1948 vindo a falecer em Paris em 1989. Sobre ele comenta Patrice Chereau, encenador das suas peças:
"Há aquilo que não se pode dizer e aquilo que não se quer fazer, pois nunca se deve entregar ao outro a fraqueza de mão beijada, existe uma espera louca e tenaz, a descoberta de que se é pobre, pobre de desejos, há todas as feridas que se podem fazer ao desejo do outro e o sofrimento que se descobre e que ao mesmo tempo se rejeita."

"Na Solidão dos Campos de Algodão" estará em cena de Quinta a Sábado pelas 21:00; Domingo pelas 17:30, na Sala Principal do São Luiz em Lisboa.
Sala Principal

 

Retirado de HardMúsica

28
Nov13

Teatro da Terra estreia 'Amarrada à tua mão' em Ponte de Sor

olhar para o mundo
A peça "Amarrada à tua mão", de José Fialho Gouveia e com encenação de Maria João Luís, estreia na sexta-feira, em Ponte de Sor, divulgou hoje o Teatro da Terra, companhia que assegura a produção.

A peça, que vai estar em cena no Teatro Cinema de Ponte de Sor até ao dia 08 de Dezembro, tem como base um casal com pouco mais de 30 anos e com uma filha em comum.

 

"A história relata a saudade que as pessoas têm de ter tempo umas para as outras, ou seja, de filhos para os pais e de pais para os filhos, mas, por várias circunstâncias, devido à vida profissional, não é possível", relatou à agência Lusa Pedro Domingos, da companhia Teatro da Terra.

 

De acordo com o director de produção e luz da peça, a obra é direccionada para um público "mais juvenil" e tenta retratar "os tempos modernos", que têm como característica a "falta de tempo" que as pessoas têm para se dedicarem umas às outras, principalmente junto dos familiares mais próximos.

 

A peça, que foi originalmente escrita para o Teatro da Terra, conta com música de Manuel Paulo e a participação do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Ponte de Sor.

 

"O rancho dança nas canções e composições de Manuel Paulo. É uma abordagem que achamos interessante, que é colocar um tipo de dança num ritmo muito específico na composição de Manuel Paulo", explicou.

 

Com encenação da actriz Maria João Luís, o elenco conta ainda com a participação de vários atores, como Pedro Pernas, Teresa Tavares, Inês Sousa e Margarida Capelo.

 

Pedro Domingos adiantou ainda que o Teatro da Terra vai efectuar uma "pequena digressão" com esta peça, embora ainda não estejam já definidas as datas.

 

"Amarrada à tua mão" vai estar em exibição aos fins-de-semana, sendo as entradas gratuitas para as crianças das escolas do concelho de Ponte de Sor.

 

Retirado do Sol

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub