Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Coisas da Cultura

Porque há sempre muito para ver e para contar

Porque há sempre muito para ver e para contar

As Coisas da Cultura

28
Fev14

Teatro: Infância cinzenta

olhar para o mundo
Teatro: Infância cinzenta
Woe é a peça de Edit Kaldor em cena no Teatro Maria Matos, em Lisboa, hoje e amanhã. Uma viagem pelo território de uma infância com trilhos de negligência e violência.
Em palco estão três actores adolescentes. Enfrentando o público, pedem que se recue ao longínquo território da infância. Que nos lembremos de quando tínhamos sete anos. Como era a nossa casa? A cara do nosso melhor amigo? As brincadeiras no recreio? Os pensamentos antes de adormecer? Está distante, a infância. Mas é desse período da vida que aqui se vai falar. É para o espectador compreender o que significa, por exemplo, ser vítima de negligência parental aos sete anos, que os actores pedem essa rememoração.

O quotidiano que a húngara Edit Kaldor quis retratar em Woe, em cena no Teatro Maria Matos, em Lisboa, hoje e amanhã, raramente aparece em palco, nas páginas dos livros ou nos jornais. Aqui não há uma infância feliz mas também não há abusos, há histórias - quase - banais de negligência e violência que não chegam a ser casos de polícia.

 

Foi depois de trabalhar sobre a falta de poder para controlar o que nos acontece e de como o que nos acontece nos molda que a encenadora teve a ideia para peça, lembrando-se da sua infância, olhando para o seu filho, e pensando em como a infância é determinante no que viremos a ser. Sobretudo quando as experiências são negativas. “Há vivências sobre as quais não se fala por não haver um local para o fazer. O teatro pode ser um bom lugar para falar sobre elas”, diz a encenadora ao SOL. “A negligência e a violência fazem parte da vida de muita gente. Não se pode dizer que algumas crianças sofrem abusos e que todas as outras têm uma infância perfeita e feliz”. O que interessa à criadora é a área cinzenta que está entre uma infância negra ou luminosa. “Muitas crianças são vítimas de negligência ou violência. E aquilo por que passamos na infância molda a forma como percepcionamos o mundo”.

 

Aqui fala-se de infâncias solitárias. Que fazer quando, aos sete anos, ninguém nos vai buscar à escola? Que fazer, aos sete anos, se ninguém nos prepara o almoço, se não há nada no frigorífico? Quando não se tem chave de casa e ninguém nos abre a porta e já está demasiado escuro para ir brincar para o parque infantil? Se ninguém nos consola os pânicos antes de adormecer? Se se ouve a mãe ou o pai chorar a meio da noite? A infância não é, necessariamente, um território feliz.

 

Retirado do Sol

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D